Category Archives: Reportagem

Por onde escorrem os imps?

Primeiro, premissas. Isso aqui não é uma simples contagem de imps: é uma análise de swings. A diferença entre os dois é que o imp depende do resultado observado na outra mesa, enquanto o swing é produzido pela comparação entre o resultado em uma mesa e o “bom bridge”. É claro que isso aí é subjetivo; a grande dificuldade do analista é decidir se a jogada correta seria realmente “bom bridge”. Com as informações disponíveis ao jogador, não é nada raro que a jogada vencedora seja “mau bridge”, ou que o “bom bridge” seja equivalente ao “mau bridge”. Deixar de prestar atenção nisso é a famosa falácia de argumentar com o resultado.

Uma outra dificuldade na análise de swings é a sua classificação. Como dizer se o swing é produto do leilão, da saída, do carteio? Em muitas situações a classificação é clara, mas em outras, tudo se mistura.

Mas temos que fazer o possível, levando tudo isso em consideração, para entender por onde os imps se vão.

Um levantamento com base nas semifinais do torneio de seleção indica o seguinte:

853 imps de swing!

Uma das semifinais contribuiu com 446 imps deste total, e a outra com 407.

183 imps de swing foram atribuídos a decisões de marcar ou não marcar game (111 em uma semifinal, 72 na outra).

109 imps de swing foram atribuídos a decisões de marcar ou não marcar slam (58 em uma semifinal, 51 na outra).

260 imps de swing foram atribuídos a decisões em leilões competitivos (incluindo aí desde parciais até disputas no nível de 5 ou 6), sendo que 125 imps foram em uma semifinal, e 135 imps na outra.

Assim, o total de swings por leilão foi de 552 imps.

79 imps de swing foram atribuídos a saídas (31 e 48).

103 imps de swing foram atribuídos a ataque (58 e 45).

Assim, o total de swings por ataque foi de 182 imps.

119 imps de swing foram atribuídas a carteio.

Em porcentagens, a distribuição dos swings foi:

Leilões: 65% dos swings (21 para decisões de game, 13 para decisões de slam, 31 para decisões de leilão competitivo)

Ataque: 21% dos swings (9 de saídas, 12 de ataque em geral)

Carteio: 14% dos swings.

Não é nada de muito novo, mas é bom ver tudo isso de forma concreta. As partidas se ganham ou se perdem, em geral, no leilão, e principalmente no leilão competitivo. Na realidade, houve 1 (hum, como nos cheques) resultado que pode ser claramente atribuído a uma vantagem de sistema entre uma mesa e outra: uma dupla conseguiu convidar e parar no nível de 2, enquanto a outra teve que ir ao nível de 3.

Isto significa que temos que parar de nos dedicar a sistemas complexos? De certo modo, sim. Pois o que interessa mesmo são os fundamentos; em leilões competitivos, o importante é que a dupla tenha segurança do que está acontecendo, conseguindo descrever os aspectos importantes da mão de forma rápida e eficiente, e também impedindo que o adversário faça isso. É claro que a mão certa para o sistema complexo X pode dar um swing significativo (e quando pensamos nas pequenas margens das partidas, isso fica ainda mais claro), só que, quantitativamente, uma dupla tem muito mais a ganhar discutindo situações de leilão competitivo — e decisões de game ou slam. Na minha opinião os sistemas mais complexos só entram em campo neste último caso (slams), e o segredo é achar o meio-termo entre a complexidade e o conforto da dupla em situações competitivas. Pois este conforto é o principal nestas situações.

Seleção 2016, Finais, 6/6

Placares depois do quinto tempo:

  1. Carvalho 163 x 153 Mello
  2. Casabona 130 x 231,5 Rio – Sampa

***

Fred – Nader jogaram contra Emilio – Mello, enquanto Sergio Brum – Beto Brum jogavam contra Ravenna – Vitamina (quebrando as duplas usuais da quadra do Leão). Na final feminina, Isabella – Leda, em E-O, jogaram contra Lia – Irene, e Lucilia – Laurita enfrentaram Ágota – Heloísa. Mais uma vez, não tenho informações de vugraph da final feminina, então preencham qualquer lacuna por meio dos comentários.

Mão 1:

Um morno 3ST, por Sul, em que Mello ganhou 1 imp quando Vitamina saiu de espadas e o ataque insistiu com espadas, dando 4 vazas neste naipe ao carteador, que assim terminou com 11 vazas. Na outra sala a saída foi ouros. Bolsa igual na final feminina.

Carvalho 163 x 154 Mello, Casabona 130 x 231,5 Rio – Sampa

Mão 2:

Fred, Norte, abriu de 1 Precision, mas Emilio e Mello conseguiram cartear em ouros mesmo assim, depois do leilão: 1 – Dobro – Redobro (=) – 3. Duplas que jogam contra precision precisam discutir este tipo de situação. Na outra mesa, com a abertura de 1 por Norte, foi mais fácil. O contrato final foi o mesmo, bolsa igual. Na final feminina, Lucilia e Laurita também foram a 3 por E-O, mas Irene e Lia marcaram 4 em N-S, caindo 4, e dando 2 imps para Rio – Sampa.

Carvalho 163 x 154 Mello, Casabona 130 x 233,5 Rio – Sampa

Mão 3:

Mello e Emilio tiveram um desastre no seguinte leilão: 1 de Emilio (Este), 1 de Nader, 1 de Mello, Passo de Fred; 2ST de Emilio, 3 Espadas de Mello; 3ST de Emilio, 5 de Mello; e neste momento Emilio marcou 5 (possivelmente interpretando 5 como “exclusion”, pergunta de Ases com chicana de paus). 5 foi o último porto encontrado, mas não era um porto seguro, e terminou com 10 vazas. Na outra sala, Depois do mesmo começo até 2ST, Vitamina marcou 3, 3 de Ravenna, 3ST de Vitamina, contrato final. Com a saída de Rei de copas e a troca para o Rei de ouros, fiada, Sul jogou espadas e entregou este naipe, e Ravenna terminou com 11 vazas, 11 imps para Carvalho. Na final feminina, bolsa igual (Lucilia e Laurita fizeram 9 vazas em 3ST, Leda e Isabella fizeram 11 vazas em 5).

Carvalho 174 x 154 Mello, Casabona 130 x 233,5 Rio – Sampa

Mão 4:

Fred – Nader pararam em 1ST depois de 1 Precision por Norte, 1ST por Sul. A saída foi espadas, e o carteador terminou com 7 vazas quando errou uma opção no final do carteio. Sergio – Beto foram ao contrato mais arriscado de 2ST com o leilão 1 (Norte), 1, 1ST, 2ST. Carteado pelo outro lado, a saída foi pequena copas, e Beto Brum acertou, jogando a Dama do morto. Com a finesse de ouros e mais uma vaza em espadas ele terminou com 9 vazas, 2 imps para Mello. Ágota e Heloísa ganharam 1 imp fazendo a mesma overtrick em 1ST.

Carvalho 174 x 156 Mello, Casabona 130 x 234,5 Rio – Sampa

Mão 5:

Uma mão fascinante, de grandes contrastes. Na sala fechada, Sergio e Beto, timidamente ficaram em 2 por Norte, depois do leilão 1 – 1ST – 2♠.  A saída foi o Ás de copas. Quando Ravenna trocou para ouros, Beto Brum preferiu entrar com o Ás para não arrumar problemas (veremos já que tipo de problemas ele poderia ter arrumado). Foi uma decisão acertada, como podemos ver, e ele terminou com 12 vazas (o BridgeMate só registrou 10, um imp de diferença em relação ao resultado real).

Na outra sala, Fred abriu de 1, Emilio dobrou, Nader marcou 2 (=), 3 de Mello. Nader reabriu em 4, e Fred marcou 4. A saída foi o Ás de copas, e a volta foi pequeno paus. Fred errou, jogando pequena; Mello fez a Dama e jogou trunfo. Fred ganhou na mão e fez a finesse de ouros. Agora, Mello jogou paus para o Ás de Emilio, que lhe deu o corte de ouros; a volta de trunfo acabou com o morto, e o carteador acabou com apenas 6 vazas de espadas, 4 down, 12 imps para Mello.

Na final feminina, 3 imps para Rio-Sampa em overtricks no parcial em espadas.

Carvalho 174 x 168 Mello, Casabona 130 x 237,5 Rio – Sampa

Mão 6:

Todas as mesas, provavelmente com o mesmo leilão, chegaram a 2 por Este. Nas duas mesas da final livre a saída foi paus. O carteador jogou uma honra de copas, ganha com o Ás de Norte, que jogou ouros; Sul fez o Ás e voltou trunfos. Emilio ganhou na mesa, bateu o Rei de paus baldando uma espadas, e jogou espadas; Nader, Sul, fez a vaza, voltou espadas para o Ás de Fred, que jogou o terceiro trunfo. O carteador terminou com 7 vazas, uma down. Na sala fechada, Ravenna ganhou a vaza de trunfo (vaza 4) na mão, bateu uma copas, e cortou copas; depois bateu o Rei de paus, cortou paus na mão, cortou copas na mesa, e cortou paus na mão, chegando a 8 vazas. 4 imps para Carvalho. O mesmo swing foi registrado a favor de Rio – Sampa na final feminina.

Carvalho 178 x 168 Mello, Casabona 130 x 241,5 Rio – Sampa

Mão 7:

Lia e Irene conseguiram parar em 3 e ganharam 4 imps quando suas Ágota e Heloísa caíram uma em 3ST. Na final livre, o contrato foi 3ST nas duas salas. 2 imps para Mello quando Beto Brum (Norte) fez uma vaza a mais do que Nader (Sul), mas caiu uma assim mesmo.

Carvalho 178 x 170 Mello, Casabona 134 x 241,5 Rio – Sampa

Mão 8:

Nader, em Sul, passou e viu Mello abrir de 1. Quando Fred dobrou e Emilio marcou 1, ele não quis marcar 1 com um naipe de 5432, e o adversário parou em 3, fazendo 10 vazas. Na outra sala, Ravenna marcou 3, ao invés de 1, e assim o passe de Sul (Sergio Brum) ficou ainda mais claro, mas Beto Brum não largou o osso e dobrou de novo. Quando Sergio Brum marcou 3, Vitamina foi a 4 (será que ele achava que Ravenna não poderia ter 4 cartas de copas?), que caiu uma. 6 imps para Mello. Na final feminina, Rio-Sampa ganhou um imp por uma overtrick em 3, contrato alcançado nas duas mesas.

Carvalho 178 x 176 Mello, Casabona 134 x 242,5 Rio – Sampa

Mão 9:

Mello, Oeste, abriu de 3. Nader, em Sul, reabriu dobrando. Fred marcou 4, Nader tirou para 5, e este foi o contrato final, fazendo 13 vazas com a saída de copas (o carteador bateu dois trunfos e pegou a Dama segunda em Oeste). Na outra sala, Vitamina abriu de 1 e Beto Brum entrou em 2. Sergio Brum marcou 2 e Vitamina ainda tinha um pitaco a dar, marcando 3. Sergio reabriu com 4, e depois marcou 5 sobre 4, contrato final. A saída de copas também valeu 13 vazas aqui, bolsa igual. Na final feminina, Casabona ganhou 10 imps quando conseguiu derrubar 5 de Ágota – Heloísa, certamente depois da saída de espadas.

Carvalho 178 x 176 Mello, Casabona 144 x 242,5 Rio – Sampa

Mão 10:

Uma bolsa cara, que colocou Mello na liderança pela primeira vez desde o terceiro tempo. Fred, Norte, abriu de 1 , Precision. Emilio marcou 2 (natural), Mello marcou 3, 3 de Emilio, 4 de Mello, dobradas pelo Nader. A saída foi infeliz, Ás de copas e copas. O carteador jogou ouros para o Ás, bateu o Ás de paus, cortou paus, e continuou cortando cruzado (tendo batido o Valete de copas no início do carteio), terminando com 10 vazas. Na outra sala, Beto Brum abriu de 1. Ravenna entrou em 1, Sergio Brum marcou 1, Dobro do Vitamina, Redobro de Beto Brum (apoio terceiro de copas). Quando Ravenna marcou 1, Vitamina encerrou os trabalhos em 4. A saída foi paus. O carteador, Ravenna, bateu o Ás de ouros e jogou espadas para o Dez; cortou ouros, e jogou espadas para a Dama, descobrindo os trunfos encostados em Norte. Agora cortou o terceiro ouros com o último trunfo da mesa (os ouros ainda não estão firmes), e jogou copas para o Valete; mas o ataque estava bem posicionado e continuou paus, encurtando o carteador, que terminou com apenas 9 vazas. 13 imps para Mello.

Na final feminina, enquanto Ágota e Heloísa roubavam o carteio jogando 1ST por Sul (fazendo 7 vazas), Leda e Isabella pararam em 3 e fizeram 9 vazas. 6 imps para Rio-Sampa.

Carvalho 178 x 189 Mello, Casabona 144 x 248,5 Rio – Sampa

Mão 11:

Mello continuou acumulando imps quando derrubou 3ST nesta mão. Na sala aberta, Emilio abriu de 1, ouviu 2, marcou 2, ouviu 2ST, marcou 3, e Mello encerrou em 3ST. Norte saiu de pequeno ouros, arrancando uma honra de Sul (teria sido melhor fiar, mas é difícil fazer isso depois desta saída…). Mello fez a vaza e continuou ouros. Sul ganhou e jogou o Dez de copas, Valete, Dama de Norte, que voltou… espadas. Mello deixou correr para o Dez e terminou com 11 vazas: 5 espadas, 4 ouros, e 2 Ases.

Na sala fechada, depois do mesmo leilão, Beto Brum acertou uma bela saída, o K. Vitamina fez o Ás e jogou paus para o Valete. Sergio Brum ganhou a vaza, bateu o Dez de paus, e trocou para o 6; quando o Nove arrancou a Dama, Beto Brum trocou para ouros, 8, Q, A. Vitamina bateu sua vaza de paus e jogou ouros, mas Sergio Brum o prendeu no morto com o terceiro ouros, e o ataque fez 5 vazas: 2 paus e uma em cada naipe. 13 imps para Mello. Na final feminina, Ágota e Heloísa conseguiram fazer 4 vazas no ataque, uma a mais que Irene e Lia, e ganharam 1 imp por isso.

Carvalho 178 x 202 Mello, Casabona 144 x 249,5 Rio – Sampa

Mão 12:

Bolsa igual nos dois jogos, com todas as mesas carteando 4. Os homens terminaram com 12 vazas; com Nader carteando, Emilio ganhou a saída de copas em Este e jogou pequeno trunfo; Nader deixou correr para a Dama. Quando Sergio Brum era o carteador, a volta na vaza 2 foi paus, e em dado momento ele puxou a Dama de trunfos da mesa, fiada por todos.

Na final feminina, as carteadoras terminaram com 11 vazas.

Carvalho 178 x 202 Mello, Casabona 144 x 249,5 Rio – Sampa

Mão 13:

Para agonia dos torcedores de Carvalho, novamente uma bolsa caixão, com todos fazendo 11 vazas em 4.

Carvalho 178 x 202 Mello, Casabona 144 x 249,5 Rio – Sampa

Mão 14:

Última chance de um grande swing, capaz de endurecer o jogo antes da última bolsa. Todas as mesas marcaram 6ST por Sul; duas ganharam, e duas caíram.

Fred abriu de 1, e o leilão até 6ST foi simples: 2 de Nader, 2, 2ST, 3ST, 6ST. A saída foi o Dez de ouros. Nader jogou copas para o Rei, entrou na mão em espadas e jogou copas novamente; Mello fez o Ás, e jogou espadas. Nader bateu a Dama de copas, depois as espadas, depois os ouros. (Este baldou 2 espadas e 1 paus). Depois disso tudo, ele jogou paus para o Ás, e o Dez de paus: Emílio cobriu, e o carteador não tinha entradas para a segunda finesse no naipe. Uma down. Se ele tivesse começado com os ouros antes das espadas, teria visto 2 espadas, 4 copas, e 6 ouros (contados) na mão de Mello, e teria a linha 100% de jogar paus para o Ás e Dez de paus, fazendo as duas finesses neste naipe (preservando uma entrada em espadas no morto).

Enquanto isso, na sala fechada, o leilão e o ataque foram… desconhecidos. O vugraph não anotou. Só ficou o registro do resultado: uma down. Bolsa igual nos dois jogos.

Carvalho 178 x 202 Mello, Casabona 144 x 249,5 Rio – Sampa

Mão 15:

Nader abriu de 1, Mello entrou em 1, os dois foram apoiados e Nader marcou 4. A saída foi ouros; Emilio fez o Ás e trocou para o Rei de paus. Nader perdeu uma vaza em cada naipe (ele bateu o Ás de copas, sem sucesso), uma down. Na outra mesa, Vitamina e Ravenna cartearam 3 Espadas, também uma down, 3 imps para Mello, vencedor da final e equipe selecionada para o mundial da Polônia.

Na final feminina, que, é claro, já estava decidida antes desta mão, Casabona terminou com uma vitória quando conseguiu derrubar 4 em uma sala (2 down) e ganhar na outra, ganhando 11 imps.

Placar final:

  1. Carvalho 178 x 205 Mello
  2. Casabona 155 x 249,5 Rio – Sampa

Parabéns às duas equipes e até a Polônia!

Seleção 2016, Finais, 5/6

Placares no final do quarto tempo:

  1. Carvalho 132 x 104 Mello
  2. Casabona 103 x 177,5 Rio-Sampa.

***

Dib – Ravenna enfrentaram Mello – Emilio, enquanto Sergio Brum – Beto Brum jogaram contra Leão – Vitamina.

Isabella – Leda jogaram contra Irene – Lia Casabona, e Ágota – Heloísa sentaram contra Laurita – Lucilia. O vugraph desta rodada — e da próxima rodada também — no jogo feminino ficou prejudicado, de modo que as informações que apresento aqui sobre o jogo delas são as do BridgeMate.

Por sua vez, as mãos nos arquivos do site da federação não têm nenhuma relação com as mãos efetivamente jogadas nesta rodada, de modo que foi trabalhoso recuperar as informações (com base no vugraph do BBO, que felizmente registrou o quinto tempo da final livre).

***

Mão 1:

Mello e Emilio pararam em 5 após um leilão natural, no qual Este fez um reverse e foi apoiado. Na outra sala, o leilão começou 1 do Leão (Este), 1 (=) de Vitamina, 3 de Leão; o contrato final foi 6, que não podia ganhar, e inclusive caiu 2. 11 imps para Mello. Irene – Lia conseguiram cartear e ganhar 6 em E-O, dando 11 imps para Casabona.

Carvalho 132 x 115 Mello, Casabona 114 x 177,5 Rio-Sampa.

Mão 2:

O vugraph perdeu o que ocorreu na sala aberta (Dib – Ravenna vs. Mello – Emilio). Só tenho o registro do BridgeMate, que diz que Dib – Ravenna foram a 4, caindo duas. Se alguém souber o leilão, me avise que eu reviso o post. Na sala fechada, Vitamina (Oeste) abriu de 2, Beto Brum (Norte) dobrou e, sobre 2ST – Lebensohl, marcou 3, que foi o contrato final, e caiu uma. 3 imps para Mello.

Na final feminina, Leda – Isabella conseguiram jogar 3ST por Norte, fazendo 10 vazas e ganhando 10 imps quando Laurita – Lucilia ficaram em 3, também fazendo 10 vazas.

Carvalho 132 x 118 Mello, Casabona 114 x 187,5 Rio-Sampa

Mão 3:

Dib – Ravenna pararam em 4 e terminaram com 11 vazas. Isso lhes valeu 11 imps quando Sergio – Beto argolaram 6 no seguinte leilão:  1 de Sergio (Sul), 1 do Vitamina, 1 do Beto, 3 do Leão, 4 de Sergio. A partir daí Beto Brum perguntou Ases e parou em 6.

Na final feminina, Leda – Isabella foram a 5 e pegaram os paus 7-1 (!) para não serem castigadas por isso; ganharam 1 imp quando na outra sala Laurita – Lucilia fizeram apenas 10 vazas.

Carvalho 143 x 118 Mello, Casabona 114 x 188,5 Rio-Sampa

Mão 4:

Bolsa igual na final livre quando as duas duplas em N-S dobraram 4 e viram o adversário correr 10 vazas. Na sala aberta, Emilio abriu de 1 em terceira posição, ouviu 2 de Mello (apoio máximo de mão passada) e 2 de Ravenna, Norte. Este então marcou 3ST, e quando Mello tirou para 4, Dib dobrou. Na sala fechada, Norte (Beto Brum) abriu de 2, Leão marcou 2, Vitamina apoiou em 3, Leão foi a game, e Sergio Brum dobrou.

Na final feminina, ninguém dobrou, e Isabella foi recompensada por seu comedimento quando a carteadora, desavisada, caiu. 12 imps para Rio-Sampa.

Carvalho 143 x 118 Mello, Casabona 114 x 200,5 Rio-Sampa

Mão 5:

Dib demonstrou respeito pelos dobres informativos (“para tirar!”) do parceiro, quando o seguinte leilão bateu à sua porta: 1 de Norte, ele disse 1ST, Mello (Oeste) entrou em 2♦ , e Ravenna dobrou. Dib marcou 2 e carteou este contrato, acabando com 8 vazas. Na outra sala, Vitamina não entrou com a mão de Mello e atacou 3 por Norte, com a saída de copas do Leão. 3 terminou com 8 vazas quando Leão interrompeu o corte cruzado, produzindo o 9 na quarta rodada de espadas. 5 imps para Carvalho. Na final feminina, 1 imp para Casabona quando sua equipe fez uma overtrick em 3.

Carvalho 148 x 118 Mello, Casabona 115 x 200,5 Rio-Sampa

Mão 6:

Emilio e Mello pararam em 3ST por Este, e ganharam 14 imps quando Leão e Vitamina, em um leilão precision, acabaram chegando a 6ST e caíram 3. Bolsa igual na final feminina, as duas mesas ganhando 3ST.

Carvalho 148 x 132 Mello, Casabona 115 x 200,5 Rio-Sampa

Mão 7:

Dib – Ravenna foram empurrados a 5 quando Sul passou, Norte (Ravenna) abriu de 1, Emilio entrou com uma voz de bicolor (paus e rico), e Mello entupiu em 5. O ataque poderia ter derrubado 5 se tivesse jogado paus (na saída ou posteriormente), obrigando o carteador a cortar e levantando a Dama de trunfos de Oeste, mas Dib terminou com 11 vazas. Na outra sala, Sergio Brum, Sul, abriu de 1; Beto Brum marcou 4 e Leão entrou em 4. Como o ataque não achou o fit de paus, o contrato final foi 4, mas o carteador jogou para os trunfos divididos, cortando paus, e terminou com 9 vazas, 13 imps para Carvalho.

Na final feminina, Rio-Sampa ganhou 7 imps quando derrubou contratos das adversárias nas duas mesas (5, duas down, por E-O, 4 por N-S).

Carvalho 161 x 132 Mello, Casabona 115 x 207,5 Rio-Sampa

Mão 8:

Todas as mesas ficaram em 4. 1 imp para Carvalho e Casabona quando seus carteadores fizeram 11 vazas (Oeste abriu de barragem e Este saiu com o Ás de paus).

Carvalho 162 x 132 Mello, Casabona 116 x 207,5 Rio-Sampa

Mão 9:

Todas as mesas ficaram em 3ST por Este, e Mello e Casabona ganharam 1 imp ao fazerem uma vaza a mais; Dib saiu de ouros, enquanto Sergio Brum saiu de copas, e viu o carteador errar a jogada de ouros.

Carvalho 162 x 133 Mello, Casabona 117 x 207,5 Rio-Sampa

Mão 10:

Mello, em terceira posição, abriu de 1, e o leilão acabou quando Ravenna (Norte) interferiu em 1ST. Na outra sala, Vitamina abriu de 1ST (12-14) em Oeste, e Beto Brum acabou carteando 2ST. Ravenna fez uma vaza a mais, 1 imp para Carvalho. Na final feminina, Irene – Lia conseguiram cartear e ganhar 2 em E-O, ganhando 6 imps para Casabona quando Lucilia – Laurita fizeram 1ST+1 na outra sala.

Carvalho 163 x 133 Mello, Casabona 123 x 207,5 Rio-Sampa

Mão 11:

Mello e Emilio chegaram a um slam que depende de finesse no seguinte leilão: Passo de Sul, 1 do Mello, 1 do Ravenna, 2 do Emilio, 4 do Dib, 5 do Mello, 5 do Ravenna, e Emilio tascou 6. Justificou sua decisão acertando a jogada de ouros. 11 imps para Mello quando do outro lado o leilão foi mais tranquilo (depois que Vitamina, Oeste, abriu de 1ST, impedindo uma voz de Norte no nível de 1) e parou em 5. Bolsa igual em game na final feminina.

Carvalho 163 x 144 Mello, Casabona 123 x 207,5 Rio-Sampa

Mão 12:

Mello teve mais facilidade em cartear 1ST com as informações de seu leilão: Emilio abriu de 1 em terceira posição, Sul entrou em 1, Mello marcou 1, Emilio marcou 1, e Mello encerrou o leilão em 1ST. Acabou com 8 vazas. Na outra sala, Leão abriu de 1ST, 12-14, e enfrentou a saída de pequeno ouros por Sergio Brum. Ganhou a saída com o Rei da mesa (servindo o Valete da mão) e fez a finesse de paus. Sul fez a vaza e jogou copas, fiada, e Norte trocou para o Dez de espadas; Leão colocou o Valete, e fiou as duas vazas de espadas. Sul continuou com copas, fiadas no morto, e Norte firmou suas espadas. Quando o carteador continuou com a Dama de ouros, ela foi fiada; e quando ele jogou ouros, Sul ainda tinha uma saída da mão em paus. 1 down, 5 imps para Mello. No outro jogo, Casabona ganhou 6 imps quando conseguiu marcar e ganhar 3ST por Este.

Carvalho 163 x 149 Mello, Casabona 129 x 207,5 Rio-Sampa

Mão 13:

Na final livre, as duas mesas foram a 6♦ depois que Sul abriu de 2ST, bolsa igual. No jogo das mulheres, Leda – Isabella pararam em 3ST, fazendo 11 vazas e ganharam 13 imps quando Lucilia e Laurita se desentenderam e ficaram em 5, duas down.

Carvalho 163 x 149 Mello, Casabona 129 x 220,5 Rio-Sampa

Mão 14:

Mello, Oeste, abriu de 2 (bicolor de copas e pobre) em terceira posição. Norte dobrou e Sul marcou 3ST. A saída foi espadas, e o ataque terminou com 6 vazas, uma down. Na outra sala, Vitamina abriu de 2 (fraco? Não sei se eles jogavam multi), e foi atacar 3ST. Saiu copas, que correu para o nove de Sul, mas com os ouros encostados, a mão não podia ganhar. 2 imps para Mello.

Leda – Isabella ganharam 3ST (se alguém souber como, me avise que eu coloco aqui), angariando 10 imps para Rio-Sampa.

Carvalho 163 x 151 Mello, Casabona 129 x 230,5 Rio-Sampa

Mão 15:

Todos marcaram 4 com as cartas de Este. Emilio recebeu a saída de ouros, e conseguiu cortar uns paus na mesa. Leão recebeu a saída de copas, e quando Norte voltou trunfos, fez a finesse, caindo uma a mais, 2 imps para Mello. Os mesmos imps foram para Casabona.

***

Placares depois do quinto tempo:

  1. Carvalho 163 x 153 Mello
  2. Casabona 131 x 230,5 Rio-Sampa

Seleção 2016, Finais 4/6

Placares depois do terceiro tempo:

  1. Carvalho 91 x 89 Mello
  2. Casabona 83 x 131,5 Rio – Sampa

***

Fred – Nader jogaram contra Thiago – Mello, enquanto Sergio Brum – Beto Brum jogavam contra Dib – Ravenna. Na final feminina, Lucia – Caru, em N-S, jogaram contra Lucilia – Laurita, e Lia – Irene enfrentaram Ágota – Heloísa.

Mão 1:

Em Carvalho vs. Mello, as duas mesas jogaram 3ST por Sul. Oeste saiu copas. Este fez a segunda vaza de copas com o Rei, e agora os caminhos divergiram. Thiago continuou copas, enquanto Ravenna voltou pequeno paus, estabelecendo a quinta vaza do ataque. 10 imps para Carvalho.

Na final feminina, quando Ágota e Heloísa estavam em E-O, também derrubaram 3ST, com a saída de paus por Oeste (Ágota, Este, tinha aberto de 1), e a volta de copas por Este. Na outra sala, Caru – Lucia pararam em 3 e fizeram 9 vazas, 5 imps para Rio – Sampa.

Carvalho 101 x 89 Mello, Casabona 83 x 136,5 Rio – Sampa

Mão 2:

Nader, em Sul, abriu de 1 Precision em terceira posição. Mello marcou 2, Fred dobrou, e Thiago apoiou 3. Nader achou que o game mais provável era 5 — o leilão de E-O tinha induzido à conclusão de que o parceiro deveria ter apenas 3 espadas. Mello saiu com o Ás de espadas e trocou para paus, 2 down. Na outra sala, Beto Brum, em Norte, marcou 2ST (ao invés de dobrar 2), e 3ST foram marcados. A saída foi o Rei de espadas, e Ravenna trocou para… pequena copas. 10 vazas e 11 imps para Mello.

Caru e Lucia fizeram leilão livre quando Laurita não entrou com a mão de Oeste, e terminaram em 3ST por Norte, recebendo a saída de pequena copas. 10 vazas. Na outra sala, Heloísa marcou 2 em Oeste, Irene dobrou, e N-S chegaram ao estranho contrato de 5, que também caiu 2, como 5. 11 imps para Rio-Sampa.

Carvalho 101 x 100 Mello, Casabona 83 x 147,5 Rio – Sampa

Mão 3:

Todos jogaram 4. Carvalho ganhou 1 imp quando Ravenna bateu o Ás de copas (uma jogada de segurança que não me atrai muito).

Carvalho 102 x 100 Mello, Casabona 83 x 147,5 Rio – Sampa

Mão 4:

Fred abriu a mão de Norte de 1ST (14-16), e Nader marcou game. Ganhou 7 imps com isso quando, na outra sala, o leilão foi 1 – 1 – 1 – 1ST. Sim, a saída de ouros poderia derrubar, mas Thiago saiu com o 3.

Na final feminina, Caru – Lucia ficaram em 1ST no mesmo leilão de Sergio – Beto. Irene – Lia marcaram 3ST, mas Ágota saiu ouros, e assim Rio-Sampa ganhou 6 imps.

Carvalho 109 x 100 Mello, Casabona 83 x 153,5 Rio – Sampa

Mão 5:

Fred, Norte, abriu de 1 Precision, e Thiago falou (apenas) 1. (Eu teria marcado no mínimo 3; não sei se daria certo ou não, vejamos o que aconteceu nas outras mesas). Nader passou, Fred reabriu com Dobre, 2 de Sul, 2 de Norte, e Thiago agora marcou 2 . Nader encerrou o leilão em 4, fazendo 10 vazas. Na outra sala, Beto Brum abriu de 2, Ravenna marcou minhas 3, e o contrato final foi o mesmo, bolsa igual.

Na final feminina, Caru abriu de 2, Lucilia entrou em 2, e o contrato final foi 4. Na última mesa, Irene abriu de 2, Ágota marcou 3, Sul dobrou, e Norte… passou. Com o corte de ouros, saiu caro, 800 e 5 imps para Casabona.

(Em defesa de minha defesa de 3, depois de 1 precision, é bem mais difícil para Norte pensar em atacar 3 dobradas).

Carvalho 109 x 100 Mello, Casabona 88 x 153,5 Rio – Sampa

Mão 6:

 

Bolsa igual na final livre, quando os dois Oestes (Mello e Dib) fizeram 10 vazas em 3, por meio da finesse de paus (Sul mostrou jogo nos dois leilões). Caru e Lucia, em N-S, marcaram um azarado 4 (1 de Este, Dobro, 3, 3, Passo, 4 — certamente essa última voz é exagerada), e caíram 4 (!), vulnerável, 7 imps para Casabona quando Ágota e Heloísa ficaram em 3.

Carvalho 109 x 100 Mello, Casabona 95 x 153,5 Rio – Sampa

Mão 7:

Caixão em 4. As duplas em E-O sabiamente olharam para a vulnerabilidade e não defenderam em 4, que cai 500.

Carvalho 109 x 100 Mello, Casabona 95 x 153,5 Rio – Sampa

Mão 8:

Mello abriu as cartas de Oeste de 1. Quando Norte marcou 1, Este marcou 1ST; Norte (Fred) reabriu em 2. e Thiago apoiou em 3. Com o corte de espadas, esse contrato caiu uma. Na outra mesa, Dib (Oeste) abriu de 1, e assim Ravenna escapou da tentação de competir sobre 2 , que caiu 1 também, 5 imps para Carvalho.

Na final feminina, Laurita abriu de 1 e a mesa duplicou o resultado de Dib – Ravenna vs. Sergio – Beto, 2, uma down. Na outra mesa, Heloísa abriu de 1, e Ágota, sobre 1, marcou 2 (apoio de paus, convite ou melhor), e depois marcou 3ST sobre 2ST de Heloísa. Com o ataque de espadas, a mão caiu 2, 7 imps para Casabona.

Carvalho 114 x 100 Mello, Casabona 102 x 153,5 Rio – Sampa

Mão 9:

Um 4 normal, bolsa igual na final livre. No jogo das mulheres, depois de 1 de Norte (Lia), 2 de Este (Ágota) e 2 de Sul (Irene), Lia apoiou e Irene perguntou Ases. A dupla parou em 5 , uma down, 10 imps para Rio-Sampa.

Carvalho 114 x 100 Mello, Casabona 102 x 163,5 Rio – Sampa

Mão 10:

1 imp para Mello quando, no contrato de 4 por Norte, Sergio Brum foi o único carteador que não perdeu vaza de trunfo.

Carvalho 114 x 101 Mello, Casabona 102 x 163,5 Rio – Sampa

Mão 11:

Thiago e Mello acertaram a bolsa depois do leilão iniciado em Este: Passo – Passo – 1 – Dobro – Redobro (= ) – 2 – Dobro (= apoio 3º). Emilio passou e o contrato final foi 2 dobrados, uma down, 3 imps para Mello quando Sergio e Beto Brum caíram uma no mesmo contrato. No outro jogo, depois do mesmo começo, Lucilia (Este) apoiou ouros ao invés de marcar copas, e o contrato final foi 2, terminando com 11 vazas, 1 imp para Casabona quando na outra mesa o contrato foi 3, fazendo 9 vazas.

Carvalho 114 x 104 Mello, Casabona 103 x 163,5 Rio – Sampa

Mão 12:

Fred quase conseguiu construir um grande swing para Carvalho nesta mão. Ele interferiu em 1 depois da abertura de 1 de Mello. Nader apoiou em 4 e E-O foram jogar 5, que cai, ao invés de 4, que ganha. A saída foi o Ás de copas; Mello cortou, jogou ouros para o Ás de Nader, que voltou… espadas, dando o tempo necessário para o carteador chegar a 11 vazas. Se o ataque insistisse em copas (e fiasse espadas caso o carteador decidisse tirar apenas mais um trunfo), a mão cairia. 4 também não é essa moleza toda, mas Dib ganhou o contrato quando não encostou em trunfos (cortou a saída de copas e jogou ouros; Sul ganhou e voltou ouros, e agora Dib bateu os paus e cortou cruzado, fazendo 7 trunfos, 1 ouros, e 2 paus). 1 imp para Carvalho.

Laurita – Lucilia foram a 5 em um leilão sem interferência, caindo duas. Ágota e Heloísa chegaram a 4, caindo uma, 2 imps para Rio – Sampa.

Carvalho 115 x 104 Mello, Casabona 103 x 165,5 Rio – Sampa

Mão 13:

Mello abriu de 3, Thiago marcou 3, Nader entrou em 3, e Fred – Nader chegaram a 4 por Sul, que fez 10 vazas quando Thiago ganhou a saída de copas, bateu a outra copas, e voltou ouros. Na outra sala, depois do mesmo começo, Sergio passou e E-O roubaram o carteio em 4. Com a saída de Ás de espadas, Ravenna terminou com 9 vazas, 11 imps para Carvalho.

Caru e Lucia pararam em 3, fazendo 10 vazas, depois que Oeste (Laurita) passou em primeira posição e Lucilia abriu de 1. Na outra sala, Irene e Lia foram a 4 depois do mesmo começo, mas terminaram com apenas 9 vazas quando o ataque começou com 3 rodadas de copas. Irene tinha opções ganhadoras (baldar ouros, ou cortar de honra e depois fazer 2 finesses em trunfo, capturando o 7 de Oeste), mas optou por cortar de honra e depois jogar para o Kx em Este. 7 imps para Rio-Sampa.

Carvalho 126 x 104 Mello, Casabona 103 x 172,5 Rio – Sampa

Mão 14:

Todos jogaram 4 e fizeram 11 vazas ao errar a jogada de trunfos.

Carvalho 126 x 104 Mello, Casabona 103 x 172,5 Rio – Sampa

Mão 15:

Carvalho terminou com mais um swing quando Fred – Nader conseguiram marcar o bom 3ST em N-S, enquanto Sergio – Beto ficavam em 2ST; 6 imps para Carvalho. Na final feminina, Lia e Irene foram a 4 com as cartas de N-S, caindo uma rapidamente com o corte de copas. 5 imps para Rio-Sampa quando Lucia – Caru ficaram em 2ST na outra mesa.

Placares depois do quarto tempo:

  1. Carvalho 132 x 104 Mello
  2. Casabona 103 x 177,5 Rio – Sampa

Seleção 2016 – Finais 3/6

Placares no final do segundo tempo:

Carvalho 66 x 62 Mello

Rio-Sampa 81,5 x 52 Casabona

***

Fred – Nader enfrentaram Mello – Emilio, enquanto Sergio Brum – Beto Brum jogaram contra Leão – Vitamina.

Isabella – Leda jogaram contra Laurita – Lucilia, e Irene – Lia Casabona sentaram contra Caru – Lucia. O vugraph desta rodada, no jogo feminino, ficou prejudicado, de modo que as informações que apresento aqui são as do BridgeMate.

Mão 1:

Fred (Norte) abriu de 1ST (14-16). Emilio dobrou, Nader tirou para 2, e E-O chegaram a 2, fazendo 10 vazas. Na outra sala, Leão (Este) carteou 4 com a saída de Dama de ouros. Ele ganhou de Ás e jogou o Rei de paus; Beto Brum, Norte, fez a vaza e voltou paus. Trunfo para o Ás do morto, e ouros. Beto fez o Rei e jogou o Valete de paus, cortado. Leão jogou a Dama de trunfos, trunfo para a mesa, e quando jogou espadas, Beto entrou com o Ás e arrancou o último trunfo (do morto) jogando ouros. 2 down, 7 imps e a ponta para Mello.

Isabella e Leda conseguiram cartear 2 em N-S, fazendo 8 vazas; na outra sala, Irene e Lia foram dobradas em 2, que também fez 8 vazas, 3 imps para Casabona.

Carvalho 66 x 69 Mello, Rio-Sampa 81,5 x 55 Casabona

Mão 2:

Um 4 bem razoável, vulnerável. Mas também é difícil de marcar depois que Oeste entra em 1 Espadas. Norte precisa “pegar o touro à unha”, marcando 2 ao invés de dobrar. Em Carvalho vs. Mello, os dois Nortes dobraram (Nader abriu de 1 precision em Sul, e Sergio Brum, de 1 natural). Quando Este (Emilio e Leão) apoiaram em 2, o leilão divergiu. Nader, que ainda não tinha mostrado ouros reais, marcou 3, Mello foi a 3, e este foi o contrato final. Na outra sala, Sergio passou sobre 2, e Beto Brum reabriu com 3. Última oportunidade para achar as copas (embora eu ache que Norte passaria sobre 3), mas Sergio Brum marcou 3ST. Os dois contratos caíram 2 (3 poderia ter caído mais), 7 imps para Carvalho, retomando a liderança em uma partida em que passagens do bastão ocorreram com frequência.

Na outra final, Leda – Isabella conseguiram cartear um parcial em N-S, jogando 3 e fazendo 10 vazas, o que lhes valeu 1 imp quando Caru – Lucia caíram 2 em 3.

Carvalho 73 x 69 Mello, Rio-Sampa 82,5 x 55 Casabona

Mão 3:

Mello – Emilio perderam o naipe de espadas quando Mello passou com as cartas de Oeste, em segunda posição. Fred abriu de 1, Nader marcou 1ST, e este foi o contrato final, terminando com as 7 vazas óbvias. Vitamina e Leão acharam este naipe, quando Vitamina abriu de 1, mas Leão marcou 4 depois que Norte entrou em 2, e este contrato não podia ganhar. Bolsa igual.

Na final feminina, Lucilia – Laurita também foram a 4, uma down, mas na outra sala Irene – Lia (N-S) caíram 2 em 4, e assim Rio-Sampa ganhou 5 imps.

Carvalho 73 x 69 Mello, Rio-Sampa 87,5 x 55 Casabona

Mão 4:

Fred abriu de 2, Precision, com as cartas de Norte. Nader, ao ouvir 2 de Emilio, marcou 4. O contrato final foi 5, uma down. Na outra sala, Beto Brum abriu de 1, Leão marcou 3 (bicolor de espadas e ouros), Sergio marcou 3, Vitamina marcou 4, e Beto Brum, surpreendentemente, passou; e passou de novo quando Sergio Brum dobrou. 4 dobradas feitas renderam 13 imps para Carvalho.

Na final feminina, Isabella – Leda conseguiram cartear 4 em N-S, ganhando 13 imps quando Caru – Lucia defenderam o game adversário em 5 dobradas, uma down.

Carvalho 86 x 69 Mello, Rio-Sampa 100,5 x 55 Casabona

Mão 5:

Apenas Irene – Lia Casabona conseguiram ganhar game em N-S, jogando 3ST por Sul e terminando com 12 vazas depois da saída de paus. Leda – Isabella caíram em 5 com a saída de copas, 13 imps para Casabona. Fred – Nader chegaram a 4 por Sul, um bom contrato, mas complicado com os trunfos 4-1. Mello, Oeste, saiu copas, fiou a primeira vaza de trunfos, viu o carteador jogar ouros para a Dama, e puxar uma honra de trunfos da mesa; ele fiou de novo, fez a terceira vaza em trunfos, e jogou ouros, para assegurar que o carteador só faria 3 vazas neste naipe. O total de vazas foi nove (4 espadas, 1 copas, 3 ouros, 1 paus), uma down. Sergio – Beto tiveram que lidar com mais uma interferência de bicolor do Leão: 1, 2ST de Este. Sul dobrou, Vitamina marcou 4, e Beto, compreensivelmente, marcou 5, uma down, bolsa igual.

Carvalho 86 x 69 Mello, Rio-Sampa 100,5 x 68 Casabona

Mão 6:

Emilio, Este, abriu de 1. Nader marcou 1, e ninguém segurou Fred antes do game, uma down. Na outra sala, Leão abriu as cartas de Este de 1ST, 12-14, encerrando o leilão. A saída foi espadas. Leão ganhou na mesa e jogou paus, fazendo 4 vazas neste naipe. Mas a festa estava acabando, e o carteador só faria mais uma vaza de espadas, uma down, 4 imps para Mello.

Na final feminina, Isabella – Leda conseguiram parar em 2 por N-S, ganhando 5 imps quando Irene – Lia foram a game.

Carvalho 86 x 73 Mello, Rio-Sampa 105,5 x 68 Casabona

Mão 7:

Caixão em 4.

Carvalho 86 x 73 Mello, Rio-Sampa 105,5 x 68 Casabona

Mão 8:

Em Carvalho vs. Mello, após Norte abrir de 1 e N-S verem a interferência em copas por Este (Leão marcou 2, Emilio marcou 3), o contrato final foi 6, 12 vazas, bolsa igual. Rio-Sampa ganhou 11 imps quando Irene – Lia ficaram em game.

Carvalho 86 x 73 Mello, Rio-Sampa 116,5 x 68 Casabona

Mão 9:

Depois de um começo idêntico: 1 (2) 2 (3), Fred marcou 3 , e Beto Brum marcou 4 , encerrando o leilão. O baralho não tinha milagres, 5 imps para Carvalho. Um swing idêntico a favor de Casabona na final feminina.

Carvalho 91 x 73 Mello, Rio-Sampa 116,5 x 73 Casabona

Mão 10:

Lucilia – Laurita jogaram 3ST em E-O, e as outras duplas jogaram 4. Todos fizeram 10 vazas, bolsa igual.

Carvalho 91 x 73 Mello, Rio-Sampa 116,5 x 73 Casabona

Mão 11:

 

Bolsa igual em Carvalho vs. Mello quando as duas mesas pararam em 2 e fizeram 8 vazas. Na final feminina, as duas carteadoras fizeram 7 vazas (provavelmente errando a jogada de espadas e perdendo um corte), mas Irene – Lia estavam em apenas 1, e assim Casabona ganhou 4 imps.

Carvalho 91 x 73 Mello, Rio-Sampa 116,5 x 77 Casabona

Mão 12:

O vugraph me diz que Mello abriu de 2, mas acho mais provável que ele tenha aberto de 2, pois Mello – Emilio jogam 2 multi, e 2 podendo ser a mão fraca com ouros. Emilio apoiou com 3, Nader dobrou, e marcou 4 sobre 3 de Fred. Como Norte tinha um lixo, não teve dúvidas e o contrato final foi 4. A saída foi Ás de ouros, e Emilio jogou pequena copas. O carteador fez a vaza e, sem muitas entradas na mão, jogou o Rei de paus. Mello fez o Ás e voltou paus. Fred fez a vaza na mão e fez a finesse de espadas. Agora ele tinha que decidir se Mello tinha algo como 2=3=6=2 ou 1=4=6=2. A primeira mão é bem mais provável, e ele foi por aí, batendo o Ás de espadas e caindo uma. Na outra mesa, Vitamina abriu de 3, Leão marcou 5, Sergio Brum dobrou, e este foi o contrato final, 2 down, 9 imps para Mello.

Leda e Isabella caíram em 4, provavelmente pela mesma razão que o Fred, enquanto Irene – Lia paravam em 3. 6 imps para Casabona.

Carvalho 91 x 82 Mello, Rio-Sampa 116,5 x 83 Casabona

Mão 13:

Emilio, Este abriu de 1, e Nader arriscou um dobre fraquíssimo, que levou sua dupla a 3, que é um bom contrato, mas soçobrou quando pegou os trunfos encostados.  Na outra mesa, Sergio Brum passou com as cartas de Sul, e passou de novo depois que ouviu o overcall de 2 de seu parceiro (este segundo passe me parece mais questionável — principalmente porque Este dobrou 2, mostrando apoio terceiro de copas, e o redobre é uma voz barata neste momento). E-O jogaram 2 e fizeram 8 vazas, bolsa igual.

Na final feminina, Lucilia – Laurita foram a 3 e caíram 3. Rio-Sampa ganhou 5 imps quando Caru – Lucia caíram uma em 1ST.

Carvalho 91 x 82 Mello, Rio-Sampa 121,5 x 83 Casabona

Mão 14:

Emilio – Mello ganharam 7 imps para sua equipe quando marcaram 4, depois do leilão 1 – 1ST – 3 – 4. (Na outra sala, em um leilão equivalente, Leão e Vitamina ficaram em parcial). A saída fatal seria trunfo, mas a saída (mais normal) foi ouros, e Emilio tinha 10 vazas claras. Na final feminina, bolsa igual quando as duas mesas ficaram em parcial.

Carvalho 91 x 89 Mello, Rio-Sampa 121,5 x 83 Casabona

Mão 15:

Bolsa igual em Mello vs. Carvalho, com as duas mesas fazendo 10 vazas em 3ST. Rio-Sampa ganhou 10 imps quando Irene – Lia Casabona ficaram em 3, enquanto Isabella – Leda faziam 3ST+1.

***

Placares depois do terceiro tempo:

  1. Carvalho 91 x 89 Mello
  2. Casabona 83 x 131,5 Rio-Sampa.

Seleção 2016, Finais 2/6

Placares depois do primeiro tempo:

  1. Carvalho 44 x 37 Mello
  2. Casabona 22 x 69,5 Rio – Sampa

***

Fred – Nader jogaram contra Thiago – Emilio, enquanto Sergio Brum – Beto Brum jogavam contra Vitamina – Leão. Na final feminina, Ágota e Heloísa, em N-S, jogaram contra Lucilia – Laurita, e Lia Casabona – Irene enfrentaram Caru – Lucia.

Mão 1:

Apenas Ágota e Heloísa pararam em 3, e ganharam 2 imps quando caíram uma a menos (as outras mesas caíram duas em 4). As diferenças nos leilões foram interessantes. Fred – Nader jogaram 4 por Sul quando Fred (Norte) abriu de 2, multi. Beto Brum abriu de 2, e Sergio Brum marcou 2ST; Beto Brum mostrou máximo, e assim a dupla foi a game. Irene abriu de 3, e Lia apoiou a game.

Carvalho 44 x 37 Mello, Casabona 22 x 71,5 Rio – Sampa

Mão 2:

Bolsa igual em Carvalho vs. Mello. Fred – Nader jogaram 3ST, fazendo 10 vazas, enquanto Sergio – Beto chegaram a 5 por Norte; quando Este saiu espadas, o carteador terminou com 12 vazas. Casabona ganhou 1 imp quando os mesmos contratos foram alcançados, mas Rio-Sampa carteou 5 por Sul, e assim a saída foi o Ás de paus, 11 vazas.

Carvalho 44 x 37 Mello, Casabona 23 x 71,5 Rio – Sampa

Mão 3:

1 imp para Carvalho quando, no mesmo contrato de 3ST por Oeste, recebendo a saída de copas (ganha com o Valete da mesa), Thiago jogou paus para o Dez, enquanto Vitamina jogou o Nove de paus e deixou correr. Na final feminina, depois da mesma saída, as carteadoras (Lucilia e Caru) jogaram pequena da mesa, e este tempo perdido foi o suficiente para que elas fizessem uma vaza a menos (terminaram com 9 e 10 vazas respectivamente, 1 imp para Rio-Sampa).

Carvalho 45 x 37 Mello, Casabona 23 x 72,5 Rio – Sampa

Mão 4:

O tempo continuou morno com um caixão em 4 feitas em todas as mesas. A mão não é tão batida assim, mas com o J9x de paus junto com um doubleton de trunfos o carteador acaba chegando a 10 vazas.

Carvalho 45 x 37 Mello, Casabona 23 x 72,5 Rio – Sampa

Mão 5:

O baralho (e os jogadores) acordaram nessa mão. Thiago (Oeste) abriu de 1, e Fred (Norte) marcou 2. Emilio, buscando um slam, passou de 3ST, e a dupla chegou a 5. Nader dobrou. A saída foi espadas para o Ás de Sul, e espadas… o carteador baldou ouros. Norte cortou, e voltou pequeno ouros. Dez do morto, e… Ás de Nader, que voltou outra espadas. Thiago preferiu baldar, e assim caiu 2, 500. Na outra sala, foguetórios ainda maiores. Vitamina abriu de 2 (precision) e Beto Brum marcou 3 com as cartas de Norte. Quando Vitamina tirou o dobre do Leão para 3ST, Leão marcou 6ST! Sergio sabia o que fazer. A saída contra 6ST dobrados foi a Dama de copas; Vitamina ganhou na mão e correu 6 paus, baldando um ouros e 3 espadas da mesa, enquanto Sergio baldava 2 espadas e 1 copas. Vitamina jogou copas para a mesa (Sul baldou ouros) e puxou o Rei de espadas. Sul fiou, e assim o carteador fez também o Rei de ouros no final, 10 vazas, 2 down.

Bolsa igual.

Irene e Lia chegaram ao game que ganha, 3ST, fazendo 9 vazas e ganhando 13 imps quando Caru e Lucia chegaram ao contrato razoável de 4 e foram dobradas por Sul, caindo uma.

Carvalho 45 x 37 Mello, Casabona 36 x 72,5 Rio – Sampa

Mão 6:

Que mão complicada! Na vida real o swing foi apenas 1 imp para Mello quando Fred – Nader não fizeram o corte de espadas. Mas o mesmo problema apareceu em todas as mesas; os homens cartearam de uma forma, as mulheres cartearam de outra, e até agora não sei qual é a melhor.

Contra 4, Sul saiu paus. Em 3 das 4 mesas, Norte fez a vaza, jogou espadas, e fez um corte. E agora o carteador não pode mais dar vaza. Os homens fizeram a dupla finesse de copas; as mulheres jogaram copas para a Dama (jogando para Norte ter Kxx e Sul o Jx). O que é mais provável, levando em consideração a distribuição das espadas? A mão mais provável em Norte, com as informações disponíveis, é 1=3=4=5 (é mais fácil as cartas “faltantes” para equilibrar sua falta de espadas virem de um naipe mais longo, paus, do que de um mais curto, copas). A distribuição da mesa tem 40% de chances de ser observada em comparação com essa aí. Mas a finesse da Dama exige o Jx em Sul… em outras palavras, com KJx de copas, Norte teria servido o Valete na primeira vaza de trunfo (tendo feito um corte), e portanto essa mão já foi eliminada. Assim, estamos comparando 1/2 daquela tal mão “mais provável” (esse 1/2 aí é porque temos que colocar o Rei de copas em Norte para termos chance de ganhar, e assim o Valete tem 50% de chance de estar em Sul, mesmo com as copas 3-2) com os tais 40% da mão da mesa. Só que a finesse da Dama também ganha com o Valete seco! O que dá 1/5 da mão da mesa que precisam ser computados para a finesse da Dama. E há inúmeras outras distribuições que precisam ser computadas, mas elas tendem a acompanhar essa proporcionalidade.

Moral da estória, parece que o melhor carteio foi o escolhido pelas mulheres. (Exceto no caso do Emilio, que não recebeu o corte e não tinha essas informações).

Carvalho 45 x 38 Mello, Casabona 36 x 72,5 Rio – Sampa

Mão 7:

Caixão em 7, depois que Sul abre de 1.

Carvalho 45 x 38 Mello, Casabona 36 x 72,5 Rio – Sampa

Mão 8:

Fred – Nader engoliram o slam no seguinte leilão livre: 1 – 2 – 2 – 3 – 4. Não tenho muito conhecimento das convenções e estilo da dupla (o Precision gera uma porção de inferências que podem ser bem aproveitadas em situações como essa), mas me parece que Sul foi mais retranca do que Norte. 12 imps e a liderança para Mello, que marcou 6. Rio-Sampa ganhou 1 imp quando marcou 6, enquanto Casabona ficava em 6 e fazia 13 vazas.

Carvalho 45 x 50 Mello, Casabona 36 x 73,5 Rio – Sampa

Mão 9:

Emilio (Este) abriu em terceira posição de 1, e Thiago passou. Norte dobrou, Sul marcou 1ST, e este foi o contrato final. Nader terminou com 6 vazas, uma down. Na outra mesa, Leão abriu de 1ST (12-14), que foi o contrato final, em E-O. O ataque começou mal (saída de S7, sobre a qual Norte colocou o Rei), e Leão terminou com 8 vazas, 2 imps para Carvalho.

Na final feminina, Lucilia e Laurita ajudaram o leilão a acelerar, e Ágota e Heloísa também pisaram fundo: depois que Laurita (Este) abriu de 1 em terceira posição, Heloísa (Sul) dobrou, Lucilia marcou 2 (!), Norte marcou 3, Sul marcou 3ST, Norte persistiu atrás do game em rico com 4, e o contrato final foi 4, 4 down. Na outra sala, depois do mesmo começo, Caru (Oeste) passou sobre o dobre de Sul, Norte marcou 1, e este foi o contrato final, que caiu duas. 3 imps para Casabona.

Carvalho 47 x 50 Mello, Casabona 39 x 73,5 Rio – Sampa

Mão 10:

 

5 é um contrato razoável em N-S, que cai com a finesse de ouros mal (ou com ouros 4-0). Fred – Nader foram os únicos que conseguiram parar em parcial, e ganharam 6 imps e a ponta com isso, quando na outra sala Sergio – Beto caíram 2 em 3ST. Na final feminina, as duas mesas foram a 3ST, mas Lia – Irene prosseguiram falando e chegaram a 4ST, caindo uma a mais: 2 imps para Rio-Sampa.

Carvalho 53 x 50 Mello, Casabona 39 x 75,5 Rio – Sampa

Mão 11:

Emilio (Este) abriu de 2, e Nader encerrou o leilão em 4, fazendo 12 vazas. Na outra sala, Leão abriu de 3, Sergio Brum marcou 4, e Vitamina defendeu em 5. Quando N-S decidiram atacar, perderam 10 imps.

Na final feminina, Laurita abriu de 2, Ágota marcou 4, Lucilia foi a 5… e Ágota marcou 5 . A saída foi o Ás de copas, e Lucilia trocou para paus; Ágota cortou todos os paus e, acreditando que Este teria apenas 6 cartas de copas, errou a jogada de ouros. Uma down. Na outra sala, Lucia passou com as cartas de Este, e o leilão foi livre, terminando em 4. Com a saída de trunfo, Lia Casabona estava segura neste contrato, e, ao acertar a jogada de ouros, terminou com 13 vazas, 13 imps para Casabona.

Carvalho 63 x 50 Mello, Casabona 52 x 75,5 Rio – Sampa

Mão 12:

Nader abriu de 1 (Precision) com as cartas de Sul. Norte marcou 1ST, Este entrou em 2 , e, em um leilão competitivo, acabou chegando a 6 (quando E-O marcaram 5), dobrados, uma down. Na outra sala, Sergio Brum abriu de 1, Beto Brum apoiou em 3 , e Leão marcou 4♣ com o bicolor rico em Este. Sergio Brum marcou 5, e o leilão acabou. 11 imps para Mello.

Ágota e Heloísa também começaram com 1 – 1ST, e deixaram as adversárias jogarem 5. Só faltou o dobre para chegarem ao par da bolsa, mas uma down já valeu 4 imps (ao invés de 5 — que dobre mixuruca) quando Lia – Irene foram a 6 dobrados.

Carvalho 63 x 61 Mello, Casabona 52 x 79,5 Rio – Sampa

Mão 13:

 

Fred acertou a saída contra 3ST, saindo copas, e assim Thiago fez 9 vazas. Na outra sala, Beto Brum também acertou a saída… mas como ele tinha feito um overcall de 1, quando o carteador fiou, Sergio voltou espadas, dando o tempo para a décima vaza. 1 imp para Carvalho. Bolsa igual no jogo das mulheres quando as duas Nortes saíram espadas.

Carvalho 64 x 61 Mello, Casabona 52 x 79,5 Rio – Sampa

Mão 14:

 

Parcialzinho em espadas, parece que as cartas voltaram à letargia do início da rodada. 1 imp para Mello quando Beto Brum fez uma vaza a mais do que as outras mesas.

Carvalho 64 x 62 Mello, Casabona 52 x 79,5 Rio – Sampa

Mão 15:

 

Um 3ST normal, com 16 e 9 na linha, mas que não pode ganhar. O ataque termina com (pelo menos) 2 espadas, 1 paus, e 2 vazas em um naipe vermelho (dependendo da saída). 2 imps para Carvalho e Rio-Sampa quando seus carteadores caíram uma a menos.

Placares depois do segundo tempo

  1. Carvalho 66 x 62 Mello
  2. Casabona 52 x 81,5 Rio – Sampa

Seleção 2016 – Final 1/6

E chegou o momento da final. Nesta série acompanharemos as duas finais que corriam paralelamente: Carvalho vs. Mello, no livre, e Rio-Sampa vs. Casabona no feminino.

Vejamos os jogadores que disputavam os dois jogos:

Carvalho: Leão Carvalho – Marcos Thoma (Vitamina), Federico Kladt – José Nader, João Dib – Pablo Ravenna

Mello: Roberto Figueira de Mello – Emilio La Rovere – Thiago Pennafort, Beto Brum – Sergio Brum

Casabona: Lia Casabona – Irene Gomes, Laura Marchioni (Laurita) – Lucilia Pereira

Rio – Sampa: Ágota – Heloísa, Ana Carolina Vidigal (Caru) – Lucia Menezes, Isabella – Leda

***

As partidas começaram com os seguintes carry-overs:

Carvalho 8 x 0 Mello

Rio-Sampa 22,5 x 0 Casabona

***

Fred – Nader enfrentavam Mello – Emilio, enquanto Sergio Brum – Beto Brum jogavam contra Dib – Ravenna.

Ágota – Heloísa jogavam contra Laurita – Lucilia, e Irene – Lia Casabona sentaram contra Leda – Isabella.

Mão 1:

Um game razoável, que só depende da finesse de copas. É claro que se Norte marcar copas no leilão, E-O devem ficar intimidados (com seu K aparentemente mal colocado) e podem muito bem engolir o game.

Fred – Nader roubaram o contrato em 2 por Norte-Sul depois que Fred (Norte) abriu de 2, Multi, e todos passaram. (Acho que tanto Emilio quando Mello poderiam muito bem entrar no leilão). A saída foi paus (por Este), mas E-O não conseguiram fazer dois cortes no ataque, e assim a mão caiu uma. Na outra sala, a abertura de Beto Brum, Norte, foi 2. Ravenna passou em Este, e N-S foram, voluntariamente, a 5 quando Sergio Brum arriscou 2ST sobre 2. 5 Paus pode cair só 2 com um corte-cruzado, mas Beto Brum caiu 4 quando tentou, sem sucesso, firmar os ouros da mesa. 4 imps para Carvalho.

Em Casabona vs. Rio-Sampa, novas variações. As duas mesas passaram com as cartas de Norte (Leda e Laurita), e Sul (Isabella e Lucilia) abriram de 1. Na sala aberta, Leda respondeu 1 e Irene entrou em 1 Espadas com as cartas de Este. Sul remarcou ouros, e Oeste apoiou, modestamente, em 2 Espadas (a mão vale, no mínimo, 2, isso já em uma certa retranca, desvalorizando o K), contrato final, que terminou com 9 vazas. Na sala fechada, depois do mesmo leilão, Norte (Laurita) remarcou as copas, encerrando o leilão. Ela acabou com 9 vazas também, 7 imps para Casabona.

Carvalho 12 x 0 Mello, Casabona 7 x 22,5 Rio-Sampa.

Mão 2:

Uma mão de parcial. Mello – Emilio pararam em 1ST por Este, um contrato delicado, onde o ataque não pode cometer nenhum deslize se quiser derrubar. A saída foi o 10, e quando o ataque continuou espadas (e, mais tarde, atacou copas), o carteador conseguiu fazer 7 vazas. Para derrubar, é necessário atacar de forma mais passiva (saindo ouros). Na outra sala, foi Beto Brum (Norte) quem carteou 1ST; com a saída de copas, que lhe deu uma entrada a mais em Norte, ele não teve dificuldades (jogando paus para o Valete na vaza 2), e terminou com 9 vazas. 6 imps para Mello.

No jogo das mulheres, 1ST foi carteado nas duas salas, uma vez por Este, e a outra por Oeste. Com Irene (Este) carteando, a saída foi copas para a Dama e o Ás; ela continuou com duas rodadas de ouros, e Isabella fiou o Rei. Agora a carteadora jogou espadas para a mesa, e Leda fez o Ás para jogar copas. Isabella bateu as duas copas e saiu da mão com o 10. Para ganhar, Irene tinha que fazer a finesse de espadas, mas ela bateu por cima e terminou com 6 vazas. Na outra sala, Heloísa (Oeste) ganhou a saída de 10 de ouros com o Ás e jogou espadas para a mão. Norte (Laurita) fez o Ás e insistiu com ouros. Sul fez a vaza com o Rei (firmando 2 vazas de ouros em Oeste, que ainda tinha entrada em espadas) e jogou espadas. A carteadora ganhou na mão, bateu seus ouros, jogou espadas e… passou o 8, terminando com 7 vazas. 4 imps para Rio-Sampa.

Carvalho 12 x 6 Mello, Casabona 7 x 26,5 Rio-Sampa.

Mão 3:

Caixão em 4. 1 imp para Mello e Rio-Sampa quando seus carteadores terminaram com 11 vazas.

Carvalho 12 x 7 Mello, Casabona 7 x 27,5 Rio-Sampa.

Mão 4:

Mello e Dib foram cartear 3ST por Oeste. Dib fez uma vaza a mais, caindo uma, 3 imps para Carvalho. Na outra final, Irene (Este) chegou a 4, uma down. Na outra mesa, Ágota carteou 3ST por Este, recebendo a saída de K. A carteadora terminou com surpreendentes 9 vazas: 2 espadas, 2 copas, 3 ouros e 2 paus, 12 imps para Rio-Sampa.

Carvalho 15 x 7 Mello, Casabona 7 x 39,5 Rio-Sampa.

Mão 5:

Mello e Emilio foram a única dupla que marcou 7. O leilão começou com 1 de Este (Emilio), 1 de Nader, 2, 3 (respeitando a vulnerabilidade… mas talvez respeitando um pouco demais. Também acho razoável marcar 2 ao invés de 1 com as cartas de Sul); Emilio marcou 3ST, Mello marcou 5 (exclusion), e marcou 7 depois que Emilio confirmou o Ás de ouros, confiando em que, se fosse necessária alguma finesse, ela estaria bem (como de fato estava). Notem que se Emilio tem uma copas a mais — o que não é tão pouco provável pelo leilão — E-O têm 13 vazas sem a finesse de espadas (4 ouros, 2 cortes, 5 paus, 2 Ases). Na outra sala, Sergio Brum, com as cartas de Sul, passou, e o leilão foi livre, terminando em 6 (nesta sala, sem a informação de que a finesse de espadas tem uma chance maior que 50%, é razoável parar em 6).

Que interessante, não? Se Sul marca 1, 7 é bom contrato, mas se Sul passa, não é: e se Sul marca 2, também não é (pois o Rei de espadas não é mais uma carta “típica” para a voz de Sul).

De qualquer modo, 11 imps para Mello e a liderança. No outro jogo, Casabona ganhou 3 imps quando Irene (Este) abriu de 1ST e assim carteou slam em ST, enquanto Ágota – Heloísa pararam em 6 .

Carvalho 15 x 18 Mello, Casabona 10 x 39,5 Rio-Sampa.

Mão 6:

Em Mello vs. Carvalho as duas mesas chegaram a 2 depois que Sul abriu de 1, bolsa igual quando todos caíram uma. Na outra final, Ágota (Este) abriu de 1 antes de Sul, e foi cartear 3 por Oeste, caindo uma. Seria uma nota ruim, mas Isabella ganhou 2 na outra sala depois que o ataque começou com o Ás de copas e ouros para o… Nove de Este, Dez de Sul. Agora a carteador firmou a Dama de paus para baldar a copas e deu 2 espadas, 1 copas, 1 ouros e 1 paus. Bolsa igual (bem diferente) neste jogo também.

Carvalho 15 x 18 Mello, Casabona 10 x 39,5 Rio-Sampa.

Mão 7:

Em Carvalho vs. Mello, bolsa igual quando as duas mesas jogaram 3ST por Norte, depois que Oeste abriu de 1, o que indicou a linha boa. Na outra final, Lia Casabona (em Oeste) passou, e o leilão começou 1 por Norte (Leda), 3 de Este (Irene), 3 de Sul (Isabella)… é normal jogar 4 depois deste começo, caindo uma depois de perder 2 espadas, 1 copas e 1 ouros. Ágota – Heloísa fizeram leilão livre em E-O e jogaram 4, caindo uma, 5 imps para Casabona.

Carvalho 15 x 18 Mello, Casabona 15 x 39,5 Rio-Sampa.

Mão 8:

Carvalho recuperou a liderança quando Mello – Emilio engoliram este game (Mello abriu de 1ST e recusou um convite — eles jogam 16-18). Casabona também ganhou imps quando Rio-Sampa parou em parcial, mas fez 10 vazas em 3ST, 7 imps para elas.

Carvalho 21 x 18 Mello, Casabona 22 x 39,5 Rio-Sampa.

Mão 9:

Fred abriu de 1 (precision) em Norte, e Nader respondeu 1. Confesso que com as cartas de Mello eu ficaria tentado a dobrar, mas ele passou, e o contrato final foi 2 por Sul, que acabou com 9 vazas. 1 imp para Carvalho quando Sergio Brum – Beto Brum ficaram em 1ST, fazendo 8 vazas. As mulheres jogaram 1ST por Norte e Rio-Sampa ganhou 2 imps ao fazer 2 vazas a mais.

Carvalho 22 x 18 Mello, Casabona 22 x 41,5 Rio-Sampa.

Mão 10:

Uma bolsa bombástica. Emilio (Este) abriu de 1, e Mello apoiou em 2 (invertido). Fred, Norte, dobrou. Quando Sul marcou 4, E-O foram a 5, devidamente dobrados por N-S, que fizeram 4 vazas, 500. O leilão começou da mesma forma na outra sala, mas Beto Brum passou com as cartas de Norte, e assim E-O pararam em 3ST por Oeste. A saída foi o Valete de paus, e assim o carteador fez 9 vazas, 15 imps para Carvalho.

Na final feminina, Irene (Este) abriu de 3, Lia Casabona apoiou em 4, e Norte dobrou. O contrato final foi 4, e Isabella fez 11 vazas ao acertar a jogada de trunfos. Na outra sala, depois do mesmo começo, Ágota (em Este) marcou 5 depois do dobre de Norte, contrato final (sem dobre), caindo 2, 10 imps para Rio-Sampa.

Carvalho 37 x 18 Mello, Casabona 22 x 51,5 Rio-Sampa.

Mão 11:

Fred abriu de 2 Multi em Norte, e Emilio encerrou o leilão com 2ST por Este. Depois da saída de copas, Emilio entrou na mesa e jogou espadas para o Valete; e o Nader fiou, arrumando a armadilha para o Emilio. Ele voltou para a mesa em paus para jogar espadas para o Rei, e se deu mal. 7 vazas, uma down. Na outra sala, Sergio Brum não fiou. Ainda havia uma oportunidade de Norte pudesse sinalizar força em ouros (Sul poderia voltar pequeno ouros em algum momento, fazendo 6 vazas), mas não ocorreu. 5 imps para Carvalho.

Na final feminina, Leda abriu de 3 (e não 2), e Este marcou 3ST. N-S não atacaram ouros, e a carteadora terminou com 8 vazas. Na outra sala, a abertura foi 2, o contrato final foi 2ST, e o ataque foi o mesmo, 5 imps para Rio-Sampa.

Carvalho 42 x 18 Mello, Casabona 22 x 56,5 Rio-Sampa.

Mão 12:

Na final feminina, bolsa igual quando as duas mesas cartearam em espadas. Irene e Lia Casabona, em um leilão livre, foram voluntariamente a 5, e se salvaram com a finesse de ouros. Ágota simplesmente abriu de 4 (Heloísa era passada).

No outro jogo, foi outra bolsa bombástica. Fred, Norte, abriu de 1 (precision) e Emilio dobrou. Nader marcou 4, e depois dobrou 4 do Emilio. O carteador fez apenas 10 vazas (não entendi direito como isso aconteceu, e o registro do vugraph não explica), mas já era o suficiente para um swing. O swing foi ainda maior quando Sergio e Beto Brum acertaram a defesa, vulnerável contra não, em 5 (e Dib-Ravenna decidiram dobrar ao invés de ir a 5), no leilão 1 – 4 – 5 – Passo – Passo – Dobro – Todos passam. 1 down quando Este nunca atacou ouros (o que não é fácil — mas a defesa só é boa se o ataque não mexer em ouros), 9 imps para Mello.

Carvalho 42 x 27 Mello, Casabona 22 x 56,5 Rio-Sampa.

Mão 13:

Mello continuou em franca recuperação quando Fred-Nader pararam em 2ST, quando Sul abriu de 1ST (14-16) e Norte convidou, via transfer. O carteio e o ataque foram interessantes: a saída foi pequeno paus para o 10 do carteador, que jogou espadas para o 8 da mesa. Este voltou paus. O carteador fez o Ás e jogou o Valete de ouros. Se Este jogar espadas agora (e acho que a posição das espadas está clara), o carteador terá alguns problemas de balda. Mas na prática Este jogou copas, e o carteador terminou com 9 vazas. Na outra sala, Beto Brum abriu as cartas de Norte com 2 e foi cartear 4.  A saída foi trunfo; o carteador fez o 8 e jogou o 9 de copas para o Ás. O ataque fez um corte de ouros, mas apenas isso, 10 vazas e 10 imps para Mello.

Na final feminina, Isabella abriu as cartas de Sul de 1ST (15-17!), e foi levada a 3ST. Recebeu a saída de pequeno paus, jogou espadas para o Valete, e terminou com 9 vazas. Laurita – Lucilia ficaram em 2 Espadas, e assim perderam 10 imps.

Carvalho 42 x 37 Mello, Casabona 22 x 66,5 Rio-Sampa.

Mão 14:

2 imps para Carvalho quando Fred – Nader pararam no par da bolsa, 3, uma down, enquanto Sergio – Beto tentavam 3ST, caindo duas. No outro jogo, as mulheres foram a 4 nas duas salas, mas Leda caiu uma a menos, 2 imps para Rio-Sampa.

Carvalho 44 x 37 Mello, Casabona 22 x 68,5 Rio-Sampa.

Mão 15:

Um parcial disputado com poucos swings. Em Carvalho vs. Mello, os dois Nortes (Fred e Beto Brum) responderam 1ST à abertura de 1 por Sul, o que freou o leilão, de duas formas: deu espaço a Este para marcar seu naipe em nível de 2, e ocultou o fit oitavo de N-S, desestimulando a competição ao nível de 3. Quando Norte reabriu em 2, os dois Estes (Emilio e Ravenna) decidiram passar, certamente influenciados por suas 3 brancas em espadas. 8 vazas nas duas mesas.

No jogo das mulheres, as duas Nortes (Leda e Laurita) marcaram 2, Ágota e Irene entraram em 3, e este foi o contrato final. Ágota fez uma vaza a mais, 1 imp para Rio-Sampa.

***

Placares depois do primeiro tempo:

  1. Carvalho 44 x 37 Mello
  2. Casabona 22 x 69,5 Rio-Sampa.

Seleção 2016, semifinais, 5/5

O quinto e último tempo começou com os seguintes placares:

  1. Chagas 143 x 124 Mello
  2. Carvalho 133,5 x 128 Amoedo

***

Gabriel – Miguel enfrentavam Mello – Emilio, enquanto Sergio Brum – Beto Brum jogavam contra Marcelo – Diego.

Fred – Nader jogavam contra Junqueira – Renato, e Dib – Ravenna  sentaram contra Rafael Dias – Aranha.

Para efeitos dramáticos, o relato desse tempo vai acompanhar a transmissão da vida real, na qual a sala aberta de Chagas vs. Mello terminou depois. Como eles começaram na bolsa 9, indo até a 15, e depois jogando as bolsas de 1 a 8, essa será a ordem da apresentação das mãos aqui. Vale a pena assistir a este tempo deste modo!

Mão 9:

Gabriel abriu de 1, e Miguel convidou a game, mostrando 5 espadas e 4 copas. Foi cartear 2 com a saída de ouros. Emilio fez o Ás e jogou ouros. Miguel ganhou a vaza, baldou ouros nos paus da mesa, cortou paus, e jogou copas para o Rei. Emilio ganhou a vaza, bateu a Dama, e jogou copas. O carteador ainda perdeu uma espadas, fazendo 9 vazas. Na outra sala, Beto Brum abriu de 1 com as cartas de Norte, e Diego entrou em 2. Sergio marcou 2, Marcelo marcou 3, Beto marcou 3, e Sergio (torcendo para menos jogo em paus com o parceiro…) marcou o game. Depois da mesma saída e volta, Sergio (em um contrato bem mais desesperado) fez a finesse, e assim perdeu as três primeiras vazas. Ainda perderia 2 copas e 1 espadas, 3 down, 7 imps para Chagas.

Em Carvalho vs. Amoedo, Fred abriu de 1 (precision), e Junqueira passou. Nader marcou espadas e copas, Fred preferiu (em 2), e Nader atirou o game. A saída foi copas, e ele terminou com 7 vazas quando errou a jogada de ouros, 3 down. Na outra sala, Ravenna entrou em 2 com as cartas de Este, e Rafael Dias dobrou. Aranha marcou 2ST, Rafael tirou para 3, e esse foi o contrato final. O carteador também terminou com 7 vazas, 2 imps para Amoedo.

Chagas 150 x 124 Mello, Carvalho 133,5 x 130 Amoedo

Mão 10:

Emilio, em Este, abriu de 2, que pode ser paus forte ou fraco com ouros, e esta ambiguidade influenciou N-S, que não entraram no leilão. O contrato final foi 4, perdendo 2 vazas. Na outra sala, Diego abriu de 1, e Beto Brum entrou em 2 sobre 1ST de Oeste. A defesa em 5 saiu cara quando as duas mãos estavam espelhadas, e caiu 4, 1100, dando 10 imps para Chagas. As duas mesas pararam em 4 no outro jogo, bolsa igual.

Chagas 160 x 124 Mello, Carvalho 133,5 x 130 Amoedo

Mão 11:

Um 3ST normal que acabou com 11 vazas nas duas mesas de Chagas vs. Mello, quando os saidores (Oeste) começaram com pequeno ouros. No outro jogo, Fred- Nader, jogando precision, cartearam do outro lado, e fizeram apenas 9 vazas com a saída de espadas.  Na quarta mesa, Dib (Oeste) saiu copas, e assim o carteador terminou com 10 vazas, 1 imp para Amoedo.

Chagas 160 x 124 Mello, Carvalho 133,5 x 131 Amoedo

Mão 12:

Emilio, em terceira, abriu de 1. Miguel marcou 1, Mello apoiou em 3, Gabriel foi a 4, Emilio insistiu com 5. Miguel passou (o que não me parece tão fácil) e Gabriel foi a 5 (que também não me parece tão fácil, embora seja bom contrato sem a saída de copas). Com os paus 4-1, 5 (dobradas) não podia ganhar — inclusive porque isso dá uma entrada (um corte) a Oeste para atravessar copas mesmo que ele erre a saída. Miguel terminou com 10 vazas. Na outra sala, curiosamente, Beto Brum abriu com as cartas de Norte (1) e acabou engolindo 4. (Claro que isso é assaz relativo, pois 5 também ganha…). O leilão seguiu com 1ST do Diego, 2 do Sergio, e 2 do Marcelo. Aqui houve uma certa ambiguidade entre Marcelo e Diego, pois Diego marcou 2, talvez achando que 2 era transfer. Sergio Brum insistiu com 2, e Oeste e Norte passaram (eu certamente teria marcado 3 com as cartas de Norte). Diego insistiu em 3, e Norte encerrou o leilão em 3. Sergio Brum fez 10 vazas com a saída de copas, 9 imps para Mello.

Fred – Nader, jogando precision, tinham mais razões para abrir de 1 em Norte. Junqueira (Este) passou, e o leilão seguiu com 1 de Sul, 2 de Norte. Agora, Junqueira dobrou; e Nader marcou 4. Junqueira dobrou de novo (o que poderia não ter sido muito caro), e Renato tirou para 5 (que foi muito caro). Uma das maiores dificuldades de se jogar contra precision é que o jogador precisa ficar atento para a possibilidade de jogar em ouros depois da abertura adversária nesse naipe. 5 (dobradas por Norte) foi sangrento, caindo 800. Na outra sala, carteando 5 dobradas em Sul (depois que os adversários foram a 5), Rafael Dias caiu 2, 500 e enormes 16 imps para Carvalho.

Chagas 160 x 133 Mello, Carvalho 149,5 x 131 Amoedo

Mão 13:

Em Chagas vs. Mello, os Nortes abriram de 2 e foram apoiados a 3, contrato final, 1 down nas duas mesas quando o carteador perdeu as cinco vazas claras (2 espadas, 1 copas, 1 ouros, 1 paus). Em Carvalho vs. Amoedo, Fred (Norte) abriu de 1, e Nader marcou 2. Junqueira (Este) reabriu com um dobre fraquíssimo, e Nader redobrou. Renato tirou para 3 Paus, o melhor contrato de E-O, Fred marcou 3, e isso encerrou o leilão. Uma down. Na quarta mesa, Aranha abriu de 2 e foi cartear 3. A saída foi Valete de espadas, e quando o ataque não mexeu em ouros, Aranha conseguiu baldar um ouros na espadas firme da mesa, 9 vazas e 6 imps para Amoedo.

Chagas 160 x 133 Mello, Carvalho 149,5 x 137 Amoedo

Mão 14:

Quando Norte abriu de 1ST, Miguel fez Stayman e depois convidou em 3. Gabriel recusou, e terminou com 10 vazas depois da saída de trunfo por Este, Emilio. Na outra sala, Sergio Brum simplesmente marcou 3ST sobre 1ST. Depois da saída de ouros, Beto Brum só precisava acertar a jogada de espadas, e assim fez 9 vazas, 6 imps para Mello. Os dois leilões foram duplicados em Carvalho vs. Amoedo: Fred – Nader foram a 3 e fizeram 9 vazas; Aranha – Rafael Dias foram a 3ST, e receberam a saída fatal de pequena copas por Este, Ravenna. 1 down e 5 imps para Carvalho.

Chagas 160 x 139 Mello, Carvalho 154,5 x 137 Amoedo

Mão 15:

Um 3ST normal, que cai com a distribuição infeliz dos paus. Mello, Oeste, abriu de 1, ouviu 2 do Emilio, marcou 2ST, ouviu 3, e marcou 3ST. A saída foi copas, ele deu a mão em paus, volta de copas, deu a mão em paus; o ataque cobrou suas copas e atacou espadas, e o carteador só tinha 8 vazas. 1 down. Na outra sala, Marcelo recusou um convite artificial com monocolor de paus, mas Diego procedeu com o leilão, e o contrato foi o mesmo. O carteador cedeu uma vaza de paus na vaza 2, fiou a segunda rodada de copas, ganhou a terceira, e bateu o Ás de paus. Com apenas 1 vaza de paus no bolso, ele acabou 4 down, 4 imps para Mello.

Em Carvalho vs. Amoedo, Renato abriu de 1, Junqueira marcou 3 (convite), e Renato… marcou 3ST (que, como eu já disse, é o contrato normal da mão). Renato optou por bater o Ás de paus na vaza 2, a jogada de segurança do naipe, e assim também terminou com apenas 5 vazas. Na outra sala, no mesmo contrato, Dib conseguiu fazer 6 vazas, 2 imps para Carvalho.

Chagas 160 x 143 Mello, Carvalho 156,5 x 137 Amoedo

Mão 1:

Todos jogaram o contrato normal de 3ST, após abertura de 1ST por Este e Stayman por Oeste. Quando Emilio, Este, respondeu 2 ao Stayman, ajudou Miguel a encontrar a saída fatal, ouros, por Sul; mas a carta da saída foi o6, e quando o carteador colocou o Rei da mesa, criou-se uma situação, na prática, impossível para que Gabriel fiasse esse Ás. Mas o carteio não acabou. Gabriel voltou ouros, e Emilio fiou um paus. Gabriel novamente jogou ouros. Emilio bateu os paus, baldando copas da mão. Agora, O vugraph me diz que Emilio jogou espadas para a Dama.  Miguel teria feito o Rei e batido o Ás de copas, que seria a quarta e última vaza do ataque, mas o resultado final foi uma down (acho que Emilio jogou copas para o Rei da mão ao invés da finesse de espadas, e depois jogou espadas para a Dama, fiada, e Ás de espadas. Algo assim).

Na outra sala, com o mesmo leilão, Sergio Brum saiu paus, o que deu a Diego 4 vazas no naipe. Diego acabou com 10 vazas, 10 imps para Chagas.

Em Carvalho vs. Amoedo, mesmo leilão, Nader saiu de 4 de ouros, o carteador jogou o 9, e Fred fiou. Agora o ataque estava bem posicionado para derrubar. O carteador (Junqueira) jogou pequena espadas para a Dama, e Nader fez o Rei e voltou… 6 de ouros (ao invés do 10). Fred fez o Ás e continuou ouros. (Os saidores de 10 teriam uma vida bem mais fácil nessa mão, se seus parceiros acreditassem que um jogador bom não sairia com um doubleton de ourosdepois que o parceiro passou sobre o stayman).O carteador jogou copas para a Dama da mesa, e bateu o Valete de espadas. Neste momento ele fiou um paus entregando a mão para Sul, e estava prestes a fazer 2 espadas, 2 copas, 2 ouros e 3 paus. O ataque continuou paus, e ele bateu 3 vazas no naipe, baldando… copas da mão. Para seguir essa linha, ele deveria ter desbloqueado o Nove de espadas naquela vaza em itálico ali atrás. Como foi, ele ficou bloqueado quando Sul fez o Ás de copas e voltou pequena espadas (na posição da mesa, o Junqueira deveria ter baldado espadas ao invés de copas, jogando para Ax de copas — a mão estava contada depois que Sul não bateu ouros ao fazer a vaza de paus).

Com Ravenna carteando, Rafael Dias saiu de 6. Ravenna colocou o Rei, e Norte fez o Ás. Ravenna ganhou a volta de ouros e jogou imediatamente copas para a Dama, seguido do Valete de espadas da mesa. Sul voltou ouros. Ravenna bateu o Ás de espadas… desbloqueando o Nove, bateu 2 paus (Sul deveria ter desbloqueado para criar uma entrada para os ouros firmes de Norte), e jogou pequena copas. Sul bateu paus e jogou espadas, 9 vazas para Ravenna e 10 imps para Carvalho.

Chagas 170 x 143 Mello, Carvalho 166,5 x 137 Amoedo

Mão 2:

Um bom slam, difícil de marcar, pois o que torna o slam bom é o doubleton de paus e o 10 em Este, valores bem tênues. Emilio e Mello chegaram lá com uma abertura forçada de 2: 2 – 2 – 2 – 3 – 4 – 4 – 4ST e vamos embora. Marcelo e Diego ficaram em game depois da abertura de 1 ( – 2 – 4 ). 11 imps para Mello, começando sua recuperação no match. Bolsa igual no outro jogo quando as duas mesas abriram de 2 Paus e marcaram o slam.

Chagas 170 x 154 Mello, Carvalho 166,5 x 137 Amoedo

Mão 3:

Mão normal de game, que acaba ganhando slam com todas as cartas bem colocadas. 4 em todas as mesas, 1 imp para Carvalho quando Aranha, influenciado por um dobre fraquinho de Este (Ravenna), perdeu uma vaza para a Qx.

Chagas 170 x 154 Mello, Carvalho 167,5 x 137 Amoedo

Mão 4:

Outra bolsa sem muito interesse aparente. Mello e Marcelo cartearam 2, com as saídas de paus e trunfo. Mello fez uma overtrick (só um imp, certo?) quando baldou ouros e jogou espadas sem mexer em trunfos. Bolsa igual na outra sala, com os dois carteadores fazendo 8 vazas.

Chagas 170 x 155 Mello, Carvalho 167,5 x 137 Amoedo

Mão 5:

Um excelente slam, com o duplo fit e os controles laterais. Mello “pegou o touro à unha” quando viu o leilão, 2 de Norte, 3 do parceiro, 3 de Sul: ele simplesmente perguntou Ases e marcou slam. Na outra mesa, o leilão começou com 2 do Beto Brum, 3 do Diego, Passo do Sergio Brum. Marcelo marcou 3, Diego disse 3, e Sergio dobrou. 2 passes, e Diego marcou 4 , que encerrou o leilão. 10 imps para Mello. Duas mãos (essa e a bolsa 2) que endureceram bastante o jogo.

Em Carvalho vs. Amoedo, Fred (Norte) abriu de 2, multi. 3 de Junqueira, passo, 3 de Renato, e Junqueira — possivelmente pelo leilão não ter muito bem definido o que seria um cue-bid — marcou apenas 4. O leilão foi equivalente na outra mesa (2 – 3 – Passo – 3 – Passo – 4), bolsa igual.

Chagas 170 x 165 Mello, Carvalho 167,5 x 137 Amoedo

Mão 6:

Emilio abriu de 1 e remarcou 1ST sobre 1 de Mello. Gabriel (Norte) reabriu com 2, contrato final. Emilio saiu com o Rei de espadas, fiado, e espadas para o Ás. Gabriel jogou paus para o Rei, cortou paus, e jogou Ás e copas e copas (fiadas por Emilio). Mello cortou e bateu 2 espadas (Emilio baldou o Ás de paus e uma copas). Gabriel cortou de Ás, passou o Dez de ouros, entregou o último ouros ao Emilio, que acabou lhe dando mais uma vaza de copas, totalizando 1 espadas, 2 copas, 2 cortes na mão, 2 ouros, e 1 paus = 8 vazas.

Diego abriu de 1 e remarcou 1ST sobre 1 (invertido) do Marcelo. Beto Brum (Norte) reabriu com um dobre, e N-S passaram por 2 e 2 antes de parar em 2 por Sul. Marcelo saiu copas. Sergio Brum ganhou a vaza e puxou paus, no qual Diego entrou com o Ás, para voltar pequeno trunfo, fiado. Marcelo continuou trunfo. Sergio fez o Ás e puxou copas para seu Nove, cortado por Marcelo, que bateu a Dama de trunfos e jogou ouros. Assim o carteador terminou com 2 trunfos, 2 copas, 4 ouros e 1 paus = 9 vazas, 2 imps para Mello.

Em Carvalho vs. Amoedo, Junqueira abriu de 1 e remarcou 2 sobre 1 (invertido). Norte, Fred, reabriu dobrando; Sul tirou para 2 , e Renato (Oeste) marcou 3, contrato final, que perdeu as 6 vazas óbvias. Na outra mesa, Norte não entrou no leilão, que terminou em 1ST. Sul saiu paus; o carteador, Ravenna, fez o Ás e continuou paus até que Sul fizesse o Rei. A volta foi ouros para o Ás de Norte, e o ataque correu 3 ouros terminando em Sul, que voltou pequena copas para o Ás de Norte. Norte bateu ouros (Este baldou copas) e jogou o Valete de copas. Ravenna fez o Rei e jogou pequena espadas para a mesa. Norte bateu o Dez de copas, última vaza do ataque, que fez 8 vazas, 2 down, bolsa igual.

Chagas 170 x 167 Mello, Carvalho 167,5 x 137 Amoedo

Mão 7:

Todos os Oestes abriram de 3. Na sala aberta de Chagas vs. Mello, Gabriel dobrou e Miguel tirou para 3. Emilio passou. O ataque começou com Ás de paus (balda de espadas) e espadas para a Dama. Emilio voltou trunfo, dando um tempo e informação ao carteador, que jogou espadas. Emilio novamente voltou trunfo. Agora, o carteador fez 2 espadas, baldando uma copas e um paus, cortou copas na mão, e jogou paus; Emilio só tinha trunfos, cortou e abriu trunfo mais uma vez. 3 feitos. Na outra sala, Sergio Brum passou no dobre de 3, certamente a melhor opção do jeito que as cartas estão, mas um passe bem difícil, na minha opinião. A saída foi espadas, e Marcelo bem que tentou se encurtar para chegar a um final vencedor, mas não conseguiu (só cortou duas vezes na mão, e o ataque não ajudou, batendo todas as 3 copas antes de sair da mão), perdendo 3 copas e 2 paus, 1 down, 3 imps para Mello, empatando o jogo em 170 x 170.

Em Carvalho vs. Amoedo, Junqueira (Este) redobrou 3 e depois dobrou 3 (por Norte). A saída foi pequena copas, correndo para o Valete. O carteador (Fred) jogou a Dama de ouros, fiada (um erro), e continuou com 2 vazas de copas e espadas para a Dama de Este. Este não podia mais fazer nada, e acabou com apenas 4 vazas (2 espadas e 2 ouros), 3 dobrados feitos quando Oeste não fez nenhuma vaza. Se Este tivesse feito o Rei de ouros na vaza 2 e continuado ouros, o ataque terminaria com 2 espadas, 2 ouros, e 1 paus (o carteador não conseguiria fazer 4 ouros, 3 copas, e 2 espadas). Na outra sala, 3 (por Sul) não foram dobrados. A saída foi Ás de paus, e — aqui também — Oeste trocou de naipe, jogando o naipe baldado pelo parceiro: no caso, copas. O carteador fez a vaza na mão e jogou ouros… para o Ás. Bateu 2 copas (estavam firmes), e Este, Ravenna, cortou a terceira, para jogar Rei de ouros e ouros. Espadas para a Dama, e mais um ouros. Espadas, e o carteador ainda entregaria um paus no final, perdendo 2 paus, 2 espadas, o Rei de ouros e um corte: 2 down, 13 imps para Carvalho.

Chagas 170 x 170 Mello, Carvalho 180,5 x 137 Amoedo

Mão 8:

Última bolsa, match empatado em Chagas vs. Mello. Leilões equivalentes levaram Este a 4. Nas duas mesas, a saída foi espadas. O carteador fiou, e Norte voltou paus, Rei, Ás de Sul, que jogou espadas. O carteador fez o Ás, e cortou espadas para entrar na mão. Agora os caminhos divergiram. Diego jogou o 8 para a Dama da mesa, e continuou com a Dama de ouros. Norte fez o Rei, e teve de dar a entrada para uma nova finesse. 10 vazas. Na outra sala, Emilio jogou o 10. Miguel cobriu de Rei (dando a entrada para a finesse de ouros). Emilio então jogou copas para mão, e… copas para a mesa (tirando o último trunfo). E bateu o Ás de ouros. 11 vazas, 1 imp e a vitória para Mello.

No outro jogo, bolsa igual.

Chagas 170 x 171 Mello, Carvalho 180,5 x 137 Amoedo

Depois de uma semifinal emocionante, o título ficaria entre Mello e Carvalho.

Seleção 2016, Semifinais, 4/5

Placares depois do terceiro tempo:

  1. Chagas 85 x 98 Mello
  2. Carvalho 105,5 x 78 Amoedo.

***

Gabriel – Miguel jogaram contra Mello – Thiago, enquanto Sergio Brum – Beto Brum jogavam contra Marcelo – Diego. No outro jogo, Vitamina e Leão, em E-O, jogaram contra Rafael – Aloi, e Junqueira – Renato enfrentaram Fred – Nader.

Mão 1:

 

Todos cartearam 2 por Sul. Miguel recebeu a saída de paus; Mello fez a vaza e trocou para espadas. Agora, Miguel precisava acertar a jogada de ouros, e foi o que ele fez. Acabou com 8 vazas. Na outra sala, Marcelo acertou a saída de trunfo, e o carteador não teve chances (inclusive, caiu 2). 5 imps para Chagas.

Na outra semifinal, Nader recebeu a saída de paus, mas Junqueira (Este) fiou essa vaza. 8 vazas para o carteador. Na outra sala, a saída foi espadas. Oeste, Leão — que não tinha aberto a mão, em terceira posição, ao contrário dos outros três jogadores com essas cartas — ganhou a saída com o Valete de espadas e voltou pequeno ouros. O carteador, compreensivelmente dado o leilão, errou e colocou o Valete, e assim perdeu 6 vazas (1 espadas, 1 copas, 2 ouros, 2 paus), 4 imps para Carvalho.

Chagas 90 x 98 Mello, Carvalho 109,5 x 78 Amoedo

Mão 2:

 

Em Chagas vs. Mello, Miguel e Sergio Brum, em Sul, abriram de 4 em terceira posição. Mello, em Este, arriscou um dobre sendo já passado (Diego, na mesma posição, passou), e Thiago, com 2 Ases, achou melhor atacar. Miguel fez 12 vazas, 7 imps para Chagas. No outro jogo, Nader também abriu de 4 em terceira posição, encerrando o leilão. E na quarta mesa, Leão, em Este, abriu de 1. N-S chegaram a 4 sem dobre, bolsa igual.

Chagas 97 x 98 Mello, Carvalho 109,5 x 78 Amoedo

Mão 3:

Mello abriu de 1 em Este, e acabou atacando 3, com Miguel fazendo 8 vazas. Diego abriu de 2ST, que foi o contrato final. Sergio Brum saiu de Ás de espadas e trocou para ouros; Diego jogou Ás de paus e paus, Beto Brum fiou, e Diego então bateu os ouros. Uma down, e 4 imps para Mello.

Junqueira abriu de 1 em Este e duplicou o resultado de Mello, derrubando uma em 3. Na outra sala, o leilão começou com 1 (precision) – 2 – Passo – 3 – 4 – 4 (estamos em território de 200 ou 500, vulnerável contra não) – 5 – todos passaram. 5 caiu 2, 5 imps para Amoedo.

Chagas 97 x 102 Mello, Carvalho 109,5 x 83 Amoedo

Mão 4:

Thiago abriu de 1 em Oeste, Mello marcou 1ST, e Miguel entrou em 2. Sobre 2 de Thiago, Gabriel marcou 3. O contrato parece incômodo mas é batido se bem carteado, e assim Miguel fez 9 vazas. Na outra sala, Sergio Brum passou na posição do Miguel, e o contrato final foi 2 carteadas pelo Marcelo. O ataque começou com 2 vazas de paus, e Marcelo terminou 2 down, 3 imps para Mello.

Nader abriu de 2ST com as cartas de Sul, mostrando copas e pobre, sub-abertura. Parece uma péssima hora para se abrir disso, mas — como já vimos — 3 acaba ganhando. Na realidade, Renato, Oeste, passou sobre 2ST mas depois entrou em 3, caindo 300. Na outra sala, outra variação: Sul passou, Oeste abriu de 1, e Norte marcou 2. Sul então marcou 2, 2ST de Norte, 3 de Sul, 3 de Norte. Em copas a mão carteia bem pior, e Aloi terminou 2 down. 9 imps para Carvalho.

Chagas 97 x 105 Mello, Carvalho 118,5 x 83 Amoedo

Mão 5:

Se a mão não tivesse 2 perdedoras em espadas, seria um bom slam. Marcelo e Diego escaparam dessa quando Marcelo abriu de 3, e Diego marcou 3ST. Acabou com 12 vazas quando, no correr dos paus, Beto Brum baldou uma espadas em Norte. O que não fez a menor diferença no placar, pois Thiago e Mello marcaram 6, 1 down: 13 imps para Chagas.

No outro jogo, leilões parecidos: Vitamina abriu de 3 em Oeste e assim escapou do slam, terminando em 4, 11 vazas; Renato não abriu e terminou em slam (depois que o parceiro abre de 1 e Oeste marca 2 Paus, Drury). Só que aqui a estória acabou bem quando o Nader acertou a saída que consagra, o Ás de espadas. Quem acompanhou meu relato das quartas-de-final sabe que só posso dizer o seguinte, Nader: sei como é isso. 13 imps para Amoedo.

Chagas 110 x 105 Mello, Carvalho 118,5 x 96 Amoedo

Mão 6:

Outra mão explosiva. Gabriel abriu de 1 em Norte, e Mello marcou 2ST, bicolor de pobre e rico. Quando Thiago marcou 3, Gabriel marcou 4, o que encerrou o leilão (com dois fenômenos curiosos — o naipe de espadas sumiu, e o naipe de copas também). Miguel – Gabriel engoliram o game. Na outra mesa, Depois de 1 – 2 por Este, E-O se apoiaram em paus, N-S se apoiaram em copas, e o contrato final foi o par da bolsa, 6 dobrados, 2 down quando o ataque começou com 3 rodadas de ouros, permitindo que o morto se livrasse de uma espadas. Claro que o Diego poderia ter acertado a jogada de espadas também. 4 imps para Mello.

Em Carvalho vs. Amoedo, Junqueira (Este) entrou em 1. Quando N-S foram a 5, ele dobrou. O carteador terminou com 11 vazas. Na outra sala, Leão entrou em 3, bicolor de espadas e paus, e o contrato final foi 5 dobradas, 300, 11 imps para Carvalho.

Chagas 110 x 109 Mello, Carvalho 129,5 x 96 Amoedo

Mão 7:

Em Chagas vs. Mello, os dois Estes (Diego e Mello) abriram de 1, e Miguel e Sergio Brum marcaram 1 sobre isso. Gabriel passou, e o contrato final foi 1. Beto Brum arrancou do fundo do poço uma voz de 1ST, e foi colocado em 3ST. O ataque começou com uma honra de copas, e depois trocou para ouros. O carteador terminou com 10 vazas, 7 imps para Mello, mais uma vez tomando a ponta.

Fred, na posição de Beto Brum também arrancou a voz de 1ST, e foi colocado em 3ST. Mas Junqueira atacou de forma mais passiva: bateu 2 copas e jogou paus. Fred jogou ouros para o Dez, e Junqueira continuou paus. Fred fiou outro ouros; a mão parou com o Renato, que atravessou copas. Fred fez a finesse, perdendo assim sua quinta vaza, 1 down. Na outra mesa, Leão (Este) abriu de 1ST fraco, dobrado por Sul. Norte tirou para 2, que foi o contrato final, fazendo 8 vazas. 4 imps para Amoedo.

Chagas 110 x 116 Mello, Carvalho 129,5 x 100 Amoedo

Mão 8:

3ST em todas as mesas. Curiosamente, ninguém saiu com o Rei de espadas (nem mesmo quando Oeste abriu de 1ST, ou seja, podia ter apenas 4 espadas após responder ao stayman). 1 imp para Carvalho quando Renato tentou encerrar Norte para abrir copas, sem sucesso.

Chagas 110 x 116 Mello, Carvalho 130,5 x 100 Amoedo

Mão 9:

Gabriel abriu de 1 com as cartas de Norte, e foi cartear 2 depois que Sul convidou a game, mostrando 5 copas. Na outra sala, Beto e Sergio tiveram que cartear 3 quando a abertura foi 1 e Sul, para convidar, marcou 2ST na segunda volta do leilão. 8 vazas nas duas mesas, 4 imps para Chagas.

Em Amoedo vs. Carvalho, Fred – Nader (jogando precision) conseguiram parar em 2, mas fizeram apenas 7 vazas quando o carteador cortar cruzado e foi recortado por Este. Na outra sala, Aloi e Rafael cartearam 2ST por Sul. Quando o ataque saiu copas, o carteador jogou espadas para Oeste; com a volta de copas correndo para sua Dama, Aloi terminou com 8 vazas, 5 imps para Amoedo.

Chagas 114 x 116 Mello, Carvalho 130,5 x 105 Amoedo

Mão 10:

As duas mesas em Chagas vs. Mello chegaram a 3ST, e a principal diferença foi no ataque, induzida pela visão do morto. Com Diego carteando (Oeste era o morto), Sergio Brum saiu com uma honra de copas; sem saber se o carteador muitas vazas nos pobres, ele resolveu bater suas 4 vazas, torcendo para o parceiro ter alguma pega que impedisse o carteador de fazer 9 vazas. Mas neste processo ele acabou firmando a nona vaza do carteador. Na outra mesa, Com Thiago carteando, o morto era Este; Miguel, Sul, bateu duas copas, mas depois voltou ouros, deixando o carteador sem nona vaza. 12 imps para Chagas, de novo na liderança.

Em Carvalho vs. Amoedo, ninguém jogou 3ST. Nader, Sul, entrou em 4 sobre a abertura de 1 Paus do Junqueira; Renato dobrou (pode cair 500), Junqueira marcou 4ST, e o contrato final foi 5, sem dobre. 9 vazas feitas. Enquanto isso, na outra sala, Leão abriu de 1 precision, Aloi marcou 2, e Vitamina dobrou. 3♣ do Leão, 3 do Vitamina, 3 do Leão, 4 do Vitamina. Depois das primeiras 2 vazas (copas), o Leão poderia ter ganho mediante um corte cruzado, mas ele terminou com 9 vazas, 3 imps para Carvalho.

Chagas 126 x 116 Mello, Carvalho 133,5 x 105 Amoedo

Mão 11:

Mello, Este, abriu de 2♣ (mão forte, ou abertura de 2 fraca), e Thiago marcou (apenas?) 2. Gabriel, Norte, marcou 2 e Miguel foi a 4. Embora o carteador sempre pudesse chegar a 10 vazas, a saída de Rei de paus facilitou. Na outra sala, o leilão começou 2 – Passo – 3, e Beto Brum decidiu passar com as cartas de Norte. O ataque bobeou e Diego terminou com 8 vazas, 1 down, 11 imps para Chagas.

No outro jogo, bolsa igual quando as duas mesas foram a 3 e fizeram 9 vazas.

Chagas 137 x 116 Mello, Carvalho 133,5 x 105 Amoedo

Mão 12:

Miguel (Sul) abriu de 2. Gabriel marcou 3, Mello dobrou, e Miguel bi-barrou com grande desenvoltura, marcando 4. Thiago marcou 4, contrato final. A saída foi copas. O carteador ganhou e jogou espadas, fiada. Continou com espadas, e então Norte bateu as honras de espadas (deixando o carteador com um único trunfo, e Norte com outro trunfo), e voltou a jogar copas. Como Sul tinha o Ás de ouros, o carteador acabou com 2 espadas, 1 paus, e 1 copas, caindo 6 (!), 300. Marcelo – Diego jogaram o contrato mais normal de 5 Paus, caindo com o corte de espadas. 6 imps para Chagas.

Na outra sala aberta, o leilão foi parecido: 2 (multi) de Sul, 3 de Norte, Dobro, 4, 4. A saída foi copas, e o carteador (Renato) continuou cortando copas na mesa e jogando espadas. Norte viu um ataque semelhante ao feito pelo Gabriel: jogou 2 rodadas de espadas e atacou copas. Mas, segundo o vugraph, Sul deixou Oeste fazer o Seis (??) de copas, e assim Oeste tirou trunfos e fez 11 vazas… duro de acreditar, mas este repórter só pode reportar. Se alguém da mesa puder esclarecer, tudo ficará mais claro. Enquanto isso, Aloi – Rafael carteavam 4 por Norte-Sul. A saída foi paus, e Este agora precisava dar o corte de ouros para derrubar. Ele continuou paus, e quando o carteador acertou a jogada de ouros fez 10 vazas, dando um grande swing de 13 imps para Amoedo.

Chagas 143 x 116 Mello, Carvalho 133,5 x 118 Amoedo

Mão 13:

4 em todas as mesas, com um imp para Amoedo por overtrick.

Chagas 143 x 116 Mello, Carvalho 133,5 x 119 Amoedo

Mão 14:

Miguel abriu de 1. Thiago dobrou (prefiro 1 — mas não sou radical), Mello marcou 2ST (acho forçado – mas ainda sem muita veemência), e este foi o contrato final. Miguel saiu de Rei de ouros e trocou para espadas; quando o carteador perdeu a finesse de copas, o ataque fez 6 vazas. Na outra sala, Diego (Este) abriu de 1, Sergio Brum marcou 1, Marcelo dobrou, e Diego marcou 1ST. Marcelo marcou 2, e Diego continuou refugando com 2ST. Marcelo nunca deixou de marcar game com as cartas de Oeste, o contrato final foi 3ST. Diego terminou com 6 vazas, 5 imps para Mello.

Em Carvalho vs. Amoedo, o leilão correu da forma que eu acho melhor: Junqueira passou, Nader abriu de 1 (precision), Renato marcou 1, e Junqueira marcou 1ST, contrato final. 7 vazas para o carteador. Na outra sala Leão (Este) abriu de 1ST fraco, e o contrato foi 3ST, caindo 3: 9 imps para Amoedo.

Chagas 143 x 121 Mello, Carvalho 133,5 x 128 Amoedo

Mão 15:

Miguel abriu de 1ST e Thiago entrou em 3. Miguel reabriu dobrando, e Gabriel tirou para 3 por Norte, contrato final. A saída, claro, foi o Rei de paus. Mello voltou copas (pequena do morto) para o Rei de Thiago, que bateu o Ás de paus e voltou com o Dez de espadas. Gabriel tirou os trunfos, bateu as espadas (vendo 2-2 nestes naipes em Oeste), cortou paus na mesa, e puxou pequeno ouros da mesa. Eventualmente, ele jogou ouros para o Ás, acreditando que Oeste tinha o Rei segundo no naipe, e assim caiu uma. As outras três mesas ficaram em 3, quando Sul não reabriu o leilão, e fizeram 8 vazas. 3 imps para Mello.

Placares antes do tempo decisivo:

  1. Chagas 143 x 124 Mello
  2. Carvalho 133,5 x 128 Amoedo.

Seleção 2016, Semifinais, 3/5

O terceiro tempo começou com os seguintes placares:

  1. Chagas 56 x 44 Mello
  2. Carvalho 72,5 x 53 Amoedo

***

Gabriel – Miguel enfrentavam Mello – Emilio, enquanto Sergio Brum – Beto Brum jogavam contra Marcelo – Diego.

Fred – Nader jogavam contra Rafael Dias – Aranha, e Dib – Ravenna  sentaram contra Junqueira – Renato.

Mão 1:

Gabriel – Miguel defenderam o game em 5, dobrados por Emilio, em Este. A saída foi Dama de espadas, e Mello voltou trunfo. Depois dessa vaza: espadas cortadas, trunfo para a mão, espadas cortada, Rei de copas da mesa. Tudo isso foi como correu na mesa. Emilio ganhou com o Ás de copas e jogou espadas, cortadas pelo carteador, que baldou ouros da mesa. Agora é só jogar copas para a mesa, cortar copas (isolando a ameaça em Oeste), e correr os trunfos. Para derrubar, Emilio precisava ter fiado a copas, e fiar de novo quando o carteador continua com pequena da mesa — nada fácil. Mas na mesa o Miguel leu a mão de outro modo, não isolou ameaça nenhuma, e fez 10 vazas. Na outra sala, a abertura do Diego foi 1ST, o leilão foi livre, e E-O pararam em 4. A saída de 10 de copas não atrapalhou a vida do Diego, mas, se o ataque não inventasse, ele teria que entregar 2 ouros, 1 paus, e 1 copas, no mínimo. Acabou com 8 vazas, 5 imps para Mello.

No outro jogo, todos foram a 4, e todos saíram com o Dez de copas. Os dois lados acabaram com 10 vazas… sendo que em uma delas o vugraph ficou truncado, e não sei como o ataque errou. (Na outra mesa, Sul, em um dado momento, atacou com a Dama de ouros, e assim o carteador terminou com 5 trunfos, 2 copas, 2 ouros e 1 corte). Bolsa igual.

Chagas 56 x 49 Mello, Carvalho 72,5 x 53 Amoedo

Mão 2:

Em Chagas vs. Mello, todos foram a 3ST por Este depois que Sul marcou 1. A saída foi uma honra de copas nas duas mesas. Emilio entrou na mesa e puxou paus para a Dama; Miguel ganhou a vaza, continuou paus, e o carteador só tinha 8 vazas. Na outra mesa, Diego bateu uns ouros (Sul baldou 2 espadas e 1 paus), depois jogou paus para o Rei da mesa (Sul tem de fiar), depois bateu outros ouros e jogou copas para o Valete da mesa. O ataque só tinha 4 vazas. 10 imps para Chagas.

Em Carvalho vs. Amoedo, Nader marcou 4 sobre 3ST de Este, e assim E-O foram a 5, terminando com 10 vazas depois da saída de honra de copas. Na outra sala, Dib-Ravenna pararam em 4, terminando com as mesmas 10 vazas depois da mesma saída, 5 imps para Carvalho.

Chagas 66 x 49 Mello, Carvalho 77,5 x 53 Amoedo

Mão 3:

3ST em todas as mesas. Nader ganhou 2 imps para Carvalho quando inovou com as cartas de Sul e saiu na quarta carta de seu naipe mais longo. Nas outras mesas, as saídas foram 5 e 10.

Chagas 66 x 49 Mello, Carvalho 79,5 x 53 Amoedo

Mão 4:

Outro caixão. Amoedo ganhou 1 imp quando Nader, em Sul, jogou pequeno ouros ao fazer o Ás de trunfo, tentando achar uma entrada na mão do parceiro para que ele atravessasse ouros depois. 12 vazas para o carteador.

Chagas 66 x 49 Mello, Carvalho 79,5 x 54 Amoedo

Mão 5:

6ST em todas as mesas, com resultados variados. Com Gabriel carteando contra Emilio e Mello, após a abertura de 1ST por Norte, a saída foi o 10. Gabriel testou os ouros, e depois fez a finesse de espadas, caindo uma. Na outra mesa, Beto Brum abriu de 1, e Diego entrou em 1 . Com a mesma saída, Beto aproveitou a informação do leilão e jogou espadas para o Valete da mesa. Diego entrou de Rei e continuou copas. Beto fez a vaza, desbloqueou espadas, entrou na mão com a Dama de ouros, bateu o Ás de espadas baldando um ouros da mesa, e viu o Diego baldar uma copas (mostrando 2=5 nos ricos — notem que Marcelo serviu 2 copas). Agora, Beto bateu outra espadas, baldando outro ouros (!) da mesa, pois ele tinha uma linha 100%. Ele agora bateria os ouros. Se Diego tivesse 2 ouros, seria squeezado entre copas e paus; se tivesse 3 ouros, os paus estariam 3-3; e se tivesse 4 ouros ele faria a finesse de paus. (Foi o que aconteceu). 12 vazas bem jogadas, 17 imps para Mello, empatando o jogo.

Fred abriu de 1ST (14-16), de modo que não havia tanta informação à disposição do carteador nessa mesa. Ganhou a saída de copas e testou os ouros, entregando um ouros a Este para firmar a quinta carta. Ganhou a volta de copas e fez a finesse de espadas, perdendo então mais 3 copas, 4 down. Na outra sala, a abertura foi 1, e Este… passou, de modo que o carteador ia jogar no escuro. Mas, a saída foi paus, esclarecendo este naipe. O carteador bateu os paus (Este baldou 2 copas) e jogou espadas para o Valete, terminando com 12 vazas quando Este entrou com o Rei. 18 imps para Amoedo.

Chagas 66 x 66 Mello, Carvalho 79,5 x 72 Amoedo

Mão 6:

3ST nas 4 mesas. 1 imp para Chagas e Carvalho, por overtricks. Um imp que devolveu a liderança a Chagas.

Chagas 67 x 66 Mello, Carvalho 80,5 x 72 Amoedo

Mão 7:

Mello – Emilio prevaricaram ao dobrarem 2, que, carteadas por Sul (abridor de 1ST), não podiam ser derrubadas. 11 imps para Chagas quando Sergio Brum – Beto Brum jogaram 2 sem dobre na outra linha. No outro jogo, Renato abriu de 1, e E-O conseguiram jogar 1ST na outra linha quando Junqueira passou sobre o Dobre de Dib. 8 vazas e 6 imps para Carvalho quando a quarta mesa jogou 2 (com o Nader abrindo de 1ST, 14-16).

Chagas 78 x 66 Mello, Carvalho 86,5 x 72 Amoedo

Mão 8:

Emilio e Diego chegaram a 3ST por Este, e fizeram 7 vazas, bolsa igual. Mello abriu com as cartas de Oeste; na outra sala, Marcelo passou, e Diego abriu as cartas de Este de 1ST. No outro jogo, Aranha passou em Oeste e depois marcou 3ST, e Rafael Dias caiu 4 (jogou tudo por tudo, firmando ouros enquanto Sul firmava suas copas — acabou perdendo 2 espadas, 3 copas e 3 ouros), enquanto Dib, sabiamente, tendo passado com as cartas de Oeste, achou mesmo que não tinha abertura na mão e apenas convidou. Carteou 3 e caiu uma, mas ganhou 4 imps por isso.

Chagas 78 x 66 Mello, Carvalho 90,5 x 72 Amoedo

Mão 9:

6 imps para Mello quando Miguel – Gabriel engoliram esse 3ST, e 7 imps para Carvalho quando Renato – Junqueira, com as cartas de N-S, ficaram em 4.

Chagas 78 x 72 Mello, Carvalho 97,5 x 72 Amoedo

Mão 10:

12 imps para Mello, passando novamente para a ponta, quando Gabriel – Miguel engoliram o bom 3ST. Mello abriu em terceira posição de 1, e Gabriel marcou 1. Emilio dobrou, e Sul passou (É isso mesmo vugraph? Difícil imaginar Miguel passando com essas cartas). N-S acabaram em 2, que caiu uma. Na outra sala, Beto Brum entrou em 1ST sobre 1 e ficou mais fácil. No outro jogo, os dois jogadores entraram em 1ST sobre 1 Paus: 1 imp para Amoedo por overtrick feita pelo Junqueira.

Chagas 78 x 84 Mello, Carvalho 97,5 x 73 Amoedo

Mão 11:

Caixão, com todos eliminando a mão para entregar apenas 2 copas e 1 paus.

Mão 12:

Mello – Emilio conseguiram anotar 800 no seguinte leilão: 3 – 3 – Dobro – 3 – Passo – Passo – Dobro – Todos passam. Na outra mesa, todos passaram em 3, que caiu 3. 11 imps para Mello. Em Carvalho vs. Amoedo, Rafael Dias dobrou 3, mas passou em 3. Ganhou 3 imps para Amoedo ao derrubar 300 (na outra sala, 3 Ouros caiu 200).

Chagas 78 x 95 Mello, Carvalho 97,5 x 76 Amoedo

Mão 13:

Caixão, com Carvalho ganhando 2 imps pela saída de ouros de Oeste (as outras mesas saíram copas).

Chagas 78 x 95 Mello, Carvalho 99,5 x 76 Amoedo

Mão 14:

Miguel foi o único que entrou (2 — copas e pobre) com as cartas de Sul, depois que Este abriu de 1ST. Gabriel o colocou em 4, perdendo as 4 vazas claras (o ataque não tem entradas para fazer 2 paus). Todas as outras mesas caíram 1 ou 2 em 1ST por Este. 3 imps para Mello, e 2 imps para Amoedo.

Chagas 78 x 98 Mello, Carvalho 99,5 x 78 Amoedo

Mão 15:

Marcelo – Diego foram a 4 com as cartas de E-O, que dá 4 vazas por cima. Porém, o ataque começou com Ás de trunfos e trunfo, e assim perdeu uma vaza. 7 imps para Chagas quando Emilio – Mello pararam em parcial e fizeram 9 vazas. No outro jogo, Fred – Nader conseguiram cartear 3 em Norte, o que valeu 6 imps para Carvalho quando Dib – Ravenna anotaram 140 em 3.

***

Placares depois do terceiro tempo:

  1. Chagas 85 x 98 Mello
  2. Carvalho 105,5 x 78 Amoedo