Author Archives: Paulinho Brum

Seleção 2016, Semifinais, 2/5

. Placares depois do primeiro tempo:

  1. Chagas 34 x 1 Mello
  2. Carvalho 43,5 x 28 Amoedo.

***

Gabriel – Miguel jogaram contra Mello – Emilio, enquanto Sergio Brum – Beto Brum jogavam contra Marcelo – Diego. No outro jogo, Vitamina e Leão, em N-S, jogaram contra Rafael – Aloi, e Junqueira – Renato enfrentaram Ravenna – Dib.

Mão 1:

Todos os Oestes abriram de 4, e nenhum Este passou, mas os caminhos divergiram. Emilio marcou 5. Sobre essa voz, Mello marcou 5, e Emilio encerrou o leilão em 6. Na outra sala, Diego marcou 5♠ em sua primeira voz, e Marcelo passou. 13 imps para Mello.

Em Carvalho vs. Amoedo, quando Aloi abriu de 4, Rafael marcou 6. Na outra sala, Ravenna marcou 5, mas Dib marcou o slam, bolsa igual.

Chagas 34 x 14 Mello, Carvalho 43,5 x 28 Amoedo.

Mão 2:

Outra mão explosiva, na qual 6 é um excelente contrato, caindo porque os trunfos estão encostados. Mello e Emilio fizeram um leilão de stayman simples, sem investigar slam, depois que Oeste marcou sua mão balanceada: 4 marcadas, 11 vazas feitas. Na mesma posição, Diego, em Este, ao ouvir que o parceiro tinha 4 cartas de espadas, marcou 4, mostrando interesse em slam e fitando espadas. Marcelo tinha uma ótima mão e marcou 6 depois de perguntar key-cards. 11 imps de sorte para Mello, que acelerou bastante no início deste tempo.

No outro jogo, quem foi retranca foi Aloi, com as cartas de Oeste, que abriu de (apenas) 2ST — mesmo que seja 21-22, são maravilhosos 22, certamente a mão vale mais. Nesta ocasião, como vimos, deu certo, e Amoedo recolheu 11 imps quando, na outra sala, Ravenna e Dib marcaram 6 (após uma certa confusão no leilão, é verdade; aparentemente Ravenna se esqueceu de que estava jogando puppet stayman).

Uma mão boa para as equipes que estavam atrás:

Chagas 34 x 25 Mello, Carvalho 43,5 x 39 Amoedo.

Mão 3:

Com a poeira baixando depois das duas primeiras mãos, temos um parcial carteado por E-O. Emilio – Mello jogam 1ST de 16-18, e assim Emilio abriu a mão de Este de 1ST. (São 17 excepcionais). Com a saída de espadas por Sul, foram feitas 7 vazas. Na outra mesa, a abertura foi 1 (Diego pretendia saltar em ST), que foi o contrato final. Diego também fez 7 vazas, o que deu 1 imp para Mello.

No outro jogo, Rafael abriu a mão de Este de 1ST, enquanto do outro lado Ravenna abriu de 1 — mas nesta mesa o Dib respondeu 1, ou seja, o contrato final foi 2ST ao invés de 1ST. Contra 1ST, a saída foi copas, e ao correr quatro vazas no naipe, o ataque incomodou o carteador, que baldou 2 paus. Sul então jogou o Valete de paus. O carteador jogou o Valete de espadas, que foi fiado, e depois o Valete de ouros, também fiado. Agora, ele jogou Ás de ouros e ouros, antes de bater o Ás de espadas, o que deixou Norte com uma saída da mão. Norte jogou paus (lembrem, ele tinha visto o parceiro voltar com o Valete de paus), mas o carteador não fez a finesse, e assim perdeu 4 copas e uma vaza em cada naipe, uma down.

O ataque em 2ST começou com as mesmas 4 copas, e o carteador baldou 1 espadas e 1 paus. Sul então saiu da mão com ouros. O carteador jogou a Dama da mesa, garantindo 3 vazas no naipe. Bateu essas 3 vazas e depois bateu AK de paus e paus, firmando mais uma vaza, e torcendo para quem pegar a mão ter o Rei de espadas. Não foi o que ocorreu, ou seja, uma down também, bolsa igual.

Chagas 34 x 26 Mello, Carvalho 43,5 x 39 Amoedo.

Mão 4:

Depois que Miguel abriu de 1, Oeste marcou 1ST, Norte passou, e, por meio de um transfer, Oeste carteou 2. Gabriel acertou a saída de paus, e o ataque acabou com 6 vazas. Na outra sala, Beto Brum dobrou 1ST, o que induziu uma certa confusão entre Marcelo – Diego: Diego marcou 2, Marcelo achou que era transfer, e por isso marcou 3. Norte dobrou de novo, Diego marcou 3 dobradas pelo Sergio (em Sul), e o contrato final foi 3 dobradas por Este. A confusão no leilão produziu outra confusão no ataque: Sergio saiu com o Ás de paus e, achando que Diego tinha cinco cartas de copas, continuou com Ás de copas e copas. Assim, Diego conseguiu se livrar de uma perdedora de paus, e caiu apenas uma, 200, mas 3 imps para Mello.

Em Carvalho vs. Amoedo, o Leão também passou em 1ST com as cartas de Norte. Rafael marcou 2 (transfer), e o Vita marcou 3. Aloi foi a 3, contrato final. Com a saída de ouros, esse contrato caiu uma. Na outra sala, Junqueira dobrou 1ST em Norte, Ravenna marcou 2 (transfer), e o contrato final foi 3por Sul, que fez 10 vazas. 1 imp para Amoedo.

Chagas 34 x 29 Mello, Carvalho 43,5 x 40 Amoedo.

Mão 5:

Uma mesa em cada jogo teve um resultado relativamente normal. Emilio – Mello jogaram 3♦ em E-O, fazendo 10 vazas, mesmo contrato alcançado por Rafael – Aloi (que fizeram apenas 9 vazas).

Diego (Este) abriu de 1 em terceira posição, Sergio Brum marcou 2, Marcelo dobrou, e todos passaram. O carteador terminou com 2 espadas, 1 ouros, e 5 paus, 8 vazas, 7 imps para Mello, assumindo a ponta após 5 mãos do tempo.

Ravenna (Este) abriu de 1, Renato marcou 2, e o Dib dobrou. Junqueira marcou 2. Depois que Este e Sul passaram, o Dib marcou 4♦ , Ravenna (confiando em que haveria um fit de copas) marcou 4, Dib tirou para 5, e o Junqueira acertou  um dobre. Depois da saída de paus, o carteador começou um corte cruzado, mas quando foi recortado pelo 10 de Norte, os trunfos foram tirados, e assim o carteador terminou com 9 vazas, 500 pontos e 12 imps para Amoedo, que também assumiu a ponta nessa bolsa.

Chagas 34 x 36 Mello, Carvalho 43,5 x 52 Amoedo.

Mão 6:

Mello (Oeste), de olho na vulnerabilidade, deixou Gabriel “pendurado na brocha” quando ele (Gabriel) abriu de 1♣ com a mão de Norte. Na prática, talvez não tenha sido uma boa decisão, como veremos. Gabriel caiu uma. Na outra sala, Beto Brum abriu de 1, Marcelo (Oeste) marcou 1ST, e o contrato final foi 3ST. A saída foi espadas. Marcelo fez o Rei e correu os paus, e Norte baldou suas copas pequenas (Sul também baldou copas). Agora, Marcelo saiu da mão em espadas. Norte fez suas 3 vazas em espadas, e bastava sair da mão com Ás de copas e copas (nas espadas, Este e Sul baldaram copas), mas Norte voltou ouros, que deu a nona vaza. 7 imps para Chagas, retomando a liderança.

Em Carvalho vs. Amoedo, Leão, em Norte, abriu de 1ST. Oeste reabriu dobrando, e Sul tirou para 2, alertado (não sei o que significa). Oeste dobrou, Norte marcou 2, Este dobrou, e esse foi o contrato final. Se o ataque fosse cartas a vista, começaria com pequena copas, e o carteador terminaria com 3 espadas e 3 copas. Mas na prática a saída foi Ás de ouros, o que lhe deu o tempo para arrumar uma sétima vaza. 200 para E-O. Na outra sala, quando Junqueira abriu de 1, E-O foram a 3ST, com a saída de paus (que não parece nada má para o ataque). O carteador correu 4 vazas de paus (Norte baldou uma espadas e uma copas, Sul baldou uma copas). Então, Dib jogou o 10, e o Junqueira bobeou, fiando, o que deu duas vazas de copas para o carteador. Agora ficou fácil firmar a nona vaza em ouros. 400 para E-O, 5 imps para Carvalho.

Chagas 41 x 36 Mello, Carvalho 48,5 x 52 Amoedo.

Mão 7:

Miguel passou com as cartas de Sul, e depois entrou em 2 (Oeste abriu de 1 e Este marcou 1ST), contrato final. Recebeu a deliciosa saída de Q, mas mesmo assim acabou caindo uma (Este fez o Ás e atacou trunfos). Na outra sala, Sergio Brum abriu a mão de Sul com 1, Marcelo marcou 1, e todos passaram. 8 vazas para E-O, 2 imps para Chagas.

Novas variações em Carvalho vs. Amoedo. Vita abriu de 1 em Sul, Aloi entrou em 1 , e Rafael (Este) marcou 1ST. Vita marcou 2, e Leão (Norte) marcou 2, contrato final, que fez 6 vazas. Na outra mesa, Sul passou, Dib abriu de 1, e Junqueira marcou 3, que foi o contrato final; aqui, 5 vazas foram feitas, ou seja, 3 imps para Carvalho, praticamente empatando esse jogo.

Chagas 43 x 36 Mello, Carvalho 51,5 x 52 Amoedo.

Mão 8:

Bolsa igual em Chagas vs. Mello, por caminhos diferentes. Miguel abriu a mão de Sul, Chagas convidou, e ele passou; na outra sala, Sergio Brum passou em Sul, mas depois convidou, e Beto passou. Os dois caíram uma em 2ST, carteados por Norte, com a saída de 7 nas duas salas.

Vitamina abriu a mão de Sul de 1ST (12-14? provavelmente sim, mas não sei ao certo), e Leão convidou, de modo que aqui o carteio em 2ST foi colocado do outro lado. A saída foi o 9, que correu para o Rei. O carteador arrancou o Ás de paus, e o ataque voltou paus. Vitamina jogou espadas para a Dama da mesa, bateu mais uns paus, e Oeste baldou 3 copas! Agora, o carteador fez mais 3 vazas de copas, e depois fez também o Ás de espadas: 9 vazas. Que diferença que faz a posição do carteio! Na outra sala, Sul abriu e Norte não quis saber, marcou 3ST, também carteado por Sul (1♣ – 1 – 1ST – 3ST). A saída foi espadas para a Dama do morto. O carteador (Renato) jogou uma vaza de paus, fiada, depois ouros para seu Rei, e paus (Oeste baldou copas). Este fez a vaza e voltou espadas, fiada, e outra espadas, ganha com o Ás. Agora, o carteador jogou pequena copas da mão… e quando Oeste jogou pequena, passou o 8 da mesa, fazendo a vaza. Bateu os paus (Oeste baldou dois ouros) e jogou ouros para o Dez. O carteador acabou com 8 vazas, 6 imps para Carvalho.

Chagas 43 x 36 Mello, Carvalho 57,5 x 52 Amoedo.

Mão 9:

Caixão nas 4 mesas.

Mão 10:

Emilio – Mello pararam em 2 por Este, fazendo 9 vazas com a saída de trunfo do Miguel. Na outra sala, depois do mesmo começo (1 em quarta posição por Oeste, 1, 2), Diego convidou, e o game foi marcado. O ataque começou mal: Saída de K fiada, e volta deQ. Diego jogou o J e viu 100 de honras na vaza. Beto Brum voltou copas, e quando Diego tentou cortar paus na mão, foi recortado, 1 down, 6 imps para Mello.

As duas mesas ficaram em parcial no outro jogo, e Amoedo ganhou 1 imp de overtrick quando Sul (na vaza 2) atacou de Q.

Chagas 43 x 42 Mello, Carvalho 57,5 x 53 Amoedo.

Mão 11:

Depois de um leilão de transfer, 3 mesas em E-O preferiram cartear 3ST, e apenas um jogador — Marcelo — tirou para 4. Mello ganhou 1 imp e empatou o jogo quando fez 11 vazas em 3ST (Gabriel saiu de copas e, quando pegou a mão em espadas, continuou copas). Bolsa igual no outro jogo, com as duas mesas fazendo 10 vazas em 3ST.

Chagas 43 x 43 Mello, Carvalho 57,5 x 53 Amoedo.

Mão 12:

Dos 4 jogadores em Norte, 3 saltaram a 2 (depois da abertura de 1♣ por Oeste), e atacaram 5. O 4º, Beto Brum, saltou a 3, e carteou 4 dobradas, caindo 500, 3 imps para Chagas. Carvalho ganhou 1 imp quando fez uma overtrick em 5 (supostamente Sul calçou a vaza de espadas puxada do morto).

Chagas 46 x 43 Mello, Carvalho 57,5 x 53 Amoedo.

Mão 13:

Miguel e Gabriel deixaram o adversário jogar 4, e derrubaram nas primeiras 4 vazas depois da saída de paus. Na outra sala, depois de um leilão que começou da mesma forma (1 – 1 – 3 – 4), Beto Brum marcou 5, dobradas pelo Diego. O ataque fez as 4 vazas claras, 500 para Chagas, 11 imps.

Os leilões foram diferentes na outra sala, mas os resultados foram iguais. Em uma sala, Leão abriu de 1, 1 de Rafael, e Vitamina marcou apenas 2. 3 de Aloi, 4, 4, todos passam, e 1 down com a saída de paus. Na outra mesa, 1 – 1 – 2 – 4 – 5 – Dobro, 500 e 11 imps para Carvalho.

Chagas 57 x 43 Mello, Carvalho 68,5 x 53 Amoedo.

Mão 14:

Um game decente (vulnerável!) engolido em todas as mesas. Na sala aberta, Mello abriu de 1♣ em quarta posição, Gabriel dobrou, 1 de Emilio, 1 do Miguel, 2 do Mello, passo, e agora acho que Emilio podia ter dado uma voz mais encorajadora, de passado, como 2. Mas ele marcou 3 e esse foi o contrato final. Na outra sala, depois de 3 passes, 1, e Dobro, o Diego redobrou (será que significa ouros?), e o leilão seguiu da mesma forma. Bolsa igual quando todos fizeram 11 vazas.

No outro jogo, Leão abriu em Norte com 1ST (vejam a diferença que faz ter dois jogadores mais sólidos, Gabriel e Beto Brum, na outra sala). Um leilão de transfer colocou N-S em 2, que fez 6 vazas depois da saída deK. Na outra mesa, Norte passou, e o leilão começou como já vimos: 3 passes, 1, Dobro, Redobro (que aqui deve ser natural, dado o que se seguiu), 1 de Sul, passo de Oeste, e Este reabriu com 1ST. Oeste marcou 2, Este marcou 3, e o leilão acabou. É comum vermos confusões em leilões que começam com um redobre natural, e acho que foi o que ocorreu aqui. 12 vazas, 1 imp para Amoedo.

Chagas 57 x 43 Mello, Carvalho 68,5 x 54 Amoedo.

Mão 15:

Emilio e Mello começaram com 2 de Este (bicolor? será que não estão jogando multi? Desconfio desse vugraph…), 2 de Oeste, 3, 3, fim do leilão. A saída foi trunfo, ganha pelo Ás da mesa; o carteador começou mal, jogando 2 ouros e cortando um ouros de pequena. Assim, fez apenas 5 copas e 2 ouros, 2 down. Na outra sala, depois do mesmo começo, Oeste marcou 4, que foi o contrato final. A saída também foi trunfo, ganha na mesa, mas Diego jogou espadas. A volta foi trunfo. Diego tirou os trunfos e bateu mais uns trunfinhos (Norte baldou um ouros e dois paus, Sul baldou Valete e Dez de paus). Agora ele fez a finesse de ouros; o Beto Brum, em Norte, ganhou e voltou ouros. Diego ganhou a vaza e (sem bater o último ouros) jogou espadas, cortando na mão e paus. Sergio, Sul, fez todas as vazas restantes. 2 imps para Mello.

A outra mesa foi completamente diferente. Rafael passou, e o Vitamina abriu de 1ST em Sul; Aloi encerrou os trabalhos com 4. A saída foi ouros, e Aloi perdeu os 3 trunfos, 10 vazas. Do outro lado, Ravenna abriu de 2♥ , 2 do Dib, 3, 4. Só que a saída aqui foi paus. Ravenna cortou e jogou espadas. Norte jogou trunfo. Agora, ele tinha entradas suficientes para firmar as espadas, e acabou com 12 vazas! 2 imps para Carvalho.

Placares oficiais depois do segundo tempo (pode haver divergências por causa do BridgeMate)

  1. Chagas 56 x 44 Mello
  2. Carvalho 72,5 x 53 Amoedo.

Seleção 2016, Semifinais, 1/5

Estas eram as semifinais, com os respectivos carry-overs quando pertinentes:

  1. Chagas x Mello
  2. Carvalho (+6,5) x Amoedo

Em paralelo, as equipes femininas estavam jogando um round robin entre 3 equipes para selecionar as 2 finalistas. As equipes concorrentes:

  1. Riosampa: Caru – Lucia, Isabella – Leda, Ágota – Heloísa
  2. Casabona: Irene – Lia Casabona, Lucilia – Laurita
  3. Paulistanas: Vera – Lia Tajtelbaum, Rosa – Iris

***

A partir dessa postagem, as informações utilizadas não são apenas as das maquininhas; também há diversos registros de vugraph (parabéns ao pessoal de SP que organizou essa empreitada). Eu pretendia comentar também o que ocorria no feminino, mas não há registros dos jogos delas nesse dia… uma pena. Mas elas foram para o vugraph durante a final, de modo que teremos informações também sobre a final feminina, quando acabar a semifinal. (Se as mulheres guardaram os papéis de seus jogos e quiserem enviá-los a mim, eu insiro os comentários depois).

Gabriel – Miguel enfrentavam Mello – Thiago, enquanto Sergio Brum – Beto Brum jogavam contra Marcelo – Diego.

Fred – Nader jogavam contra Rafael Dias – Aranha, e Leão – Vitamina sentaram contra Rafael -Aloi.

Mão 1:

 

26 na linha, fit 4-4 de rico, um game normal em 4. Bolsa igual em Chagas vs. Mello. Fred-Nader conseguiram fazer uma overtrick, que lhes rendeu exatamente 0 imps, pois do outro lado Rafael – Aloi se desentenderam e pousaram em 6ST (??) dobrados, 1100. 17 imps para Carvalho, que ficou 23,5 na frente.

Mão 2:

19 e 6, sem fit de rico, um 3ST normal. Beto Brum – Sergio Brum engoliram, parando em 3, e assim Chagas ganhou 11 imps. Carvalho ganhou 1 imp por overtrick.

Chagas 11 x 0 Mello, Carvalho 24,5 x 0 Amoedo.

Mão 3:

 

Caixão em 4. Marcelo – Diego foram a 5, correndo um risco a mais, mas não pagaram por isso.

Mão 4:

 

Eu imaginaria que essa mão terminaria em 1ST por Sul nas 4 mesas, mas duas delas chegaram ao estranho contrato de 2: uma em cada linha! Mello – Thiago caíram 2 em 2 por E-O, enquanto Fred – Nader caíram uma em 2 por N-S. No mínimo, curioso. Nas outras duas salas, 1ST foi o contrato final; Amoedo ganhou, Chagas derrubou, e assim Amoedo levou 5 imps enquanto Chagas levava 7 imps.

Chagas 18 x 0 Mello, Carvalho 24,5 x 5 Amoedo.

Mão 5:

 

Em Chagas vs. Mello, Chagas derrubou 3ST por E-O e ganhou 3+ 2 na outra sala. 5 imps para Chagas. Acho que o melhor carteio em 3ST é ganhar a saída de espadas e jogar paus para o Valete (fazendo 9 vazas se acertar, e mantendo a entrada para a finesse de copas se errar), mas não foi o que ocorreu.

Em Carvalho vs. Amoedo, Fred-Nader caíram 2 em 2 por N-S, 200, mas ganharam 5 imps quando Vitamina – Leão fizeram 9 vazas em 3ST.

Chagas 23 x 0 Mello, Carvalho 29,5 x 5 Amoedo.

Mão 6:

 

É sempre difícil cartear 2 quando o adversário abre de 1… Fred – Nader conseguiram, e ganharam 5 imps por isso. Nas outras mesas, o contrato foi 1ST por Este, com Diego fazendo 2 vazas a mais, 2 imps.

Chagas 25 x 0 Mello, Carvalho 34,5 x 5 Amoedo.

Mão 7:

Todos jogaram 2. Em Chagas vs. Mello, N-S fez 9 vazas nas duas mesas; em Carvalho vs. Amoedo, fez 8. Bolsa igual nos dois jogos.

Mão 8:

 

Em Chagas vs. Mello, as duas mesas jogaram 2 por Sul. O Miguel, de algum modo, conseguiu ganhar o contrato, e ganhou 4 imps por isso. Na outra sala, E-O jogaram parciais (2 e 2), com 1 imp (overtricks em 2) para Amoedo no saldo.

Chagas 29 x 0 Mello, Carvalho 34,5 x 6 Amoedo.

Mão 9:

 

Mello vs. Chagas jogaram 4, e Chagas ganhou 2 imps quando carteou por Oeste e recebeu a insólita saída de ouros por Norte. Fred – Nader defenderam o game em 5x, que podia ter caído 4 com um ataque excelente (Oeste precisa atacar com a Q depois da saída de K), mas caiu apenas 3, 3 imps para Carvalho.

Chagas 31 x 0 Mello, Carvalho 37,5 x 6 Amoedo.

Mão 10:

 

Caixão, 4 +2 em todas as mesas quando ninguém saiu copas.

Mão 11:

 

Bolsa igual em Chagas vs. Mello, com as duas mesas caindo em 3 por Norte. Fred – Nader ganharam 3 , enquanto Vitamina – Leão derrubavam 2 em 4, 6 imps para Carvalho.

Chagas 31 x 0 Mello, Carvalho 43,5 x 6 Amoedo.

Mão 12:

3 mesas jogaram 1ST por E-O. Aranha – Rafael Dias caíram uma, Leão – Vitamina caíram três, 3 imps para Amoedo. No outro jogo, Thiago – Mello caíram duas em 3, e Marcelo – Diego caíram uma em 1ST, 2 imps para Chagas.

Chagas 33 x 0 Mello, Carvalho 43,5 x 9 Amoedo.

Mão 13:

 

Em Mello vs. Chagas, Mello ganhou seu primeiro imp ao fazer uma vaza a mais em 4, depois da saída de copas nas duas mesas. No outro jogo, Vitamina e Leão pararam no contrato errado (4ST), que podia ganhar com a saída de paus, mas caiu uma. 13 imps para Amoedo.

Chagas 33 x 1 Mello, Carvalho 43,5 x 22 Amoedo.

Mão 14:

 

Uma mão que ganha parcial em copas ou em espadas, por N-S. Bolsa igual em Chagas vs. Mello (2 por Chagas, 3 por Mello, 9 vazas nas duas mesas). Fred – Nader foram a 4 e caíram uma, 5 imps para Amoedo.

Chagas 33 x 1 Mello, Carvalho 43,5 x 27 Amoedo.

Mão 15:

A questão dessa mão está com Oeste; ele precisa decidir se reabre o leilão, de passado, depois que Norte abre de 1 e os outros passam. Em Chagas vs. Mello, Thiago – Mello reabriram, enquanto Marcelo – Diego passaram. 1 caiu 2, 200, 1 imp para Chagas quando Thiago – Mello fizeram 10 vazas em 2. No outro jogo, Leão – Vitamina passaram em 1 e derrubaram 100; Rafael Dias – Aranha reabriram e fizeram 9 vazas em 2, 1 imp para Amoedo.

***

Placares depois do primeiro tempo:

  1. Chagas 34 x 1 Mello
  2. Carvalho 43,5 x 28 Amoedo.

Seleção 2016, Quartas de Final, 4/4

Placares depois do terceiro tempo:

  1. Gabriel 241 x 51 Palmeira
  2. Mello 86 x 83 Paiva
  3. Carvalho 143,5 x 60 Biondillo
  4. Barbosa 105 x 93,3 Amoedo

Biondillo abandonou, e assim Carvalho foi a primeira equipe a chegar nas semifinais. Assim, só temos 6 mesas em jogo.

***

Beto e Adriano se sentaram em N-S, eu e Jeovani em E-O. Jogamos contra Aranha – Rafael Dias, enquanto Beto e Adriano enfrentavam Junqueira – Renato.

Mão 1:

Bolsa igual em nosso jogo, um 3ST normal, terminando com 11 vazas. Mello ganhou 11 imps quando Paiva – Mauricio argolaram 6ST. Chagas ganhou 7 imps quando Henrique – Rodrigo ficaram em parcial.

Mão 2:

Em nossa mesa, atacamos 3, e o Aranha terminou com 10 vazas. Na outra mesa, Beto e Adriano atacaram 3, 2 down. 1 imp para Amoedo. (A essa altura estávamos 10,7 na frente).

Chagas ganhou 5 imps quando derrubou 3♦ em uma sala e 3 (3 down) na outra. Mello ganhou um imp idêntico ao de Amoedo.

Mão 3:

Bolsa igual quando as duas mesas pararam em 4 e fizeram 12 vazas com a saída de ouros.

Palmeira ganhou 2 imps quando derrubou uma a mais seu contrato do que Chagas… Palmeira estava carteando 4 , e Chagas, 6. Mello ganhou 14 imps quando fez 6 em uma sala e derrubou 6 na outra.

Mão 4:

Uma mão que nos deu imps, mas muita discussão também. Em nossa mesa, o leilão começou com 2♦ (por Sul) – Dobro – 2 – 3 – 3 – 4 – 4. Eu dobrei (que mostra interesse em cartear 5 caso Oeste tenha cartas boas para mim), e o Jeovani marcou 5, embora — na minha visão — tenha cartas muito melhores para atacar 4 dobradas. 5 dobradas (por Norte) perdia 3 Ases pelas cabeças. O ataque começou com espadas, fiz o Ás, e joguei o Rei de paus. Aranha ganhou a vaza, jogou ouros para Sul, que voltou pequeno ouros, cortado com o Oito da mesa. Norte baldou paus. Agora, eu deveria ter baldado um paus no Rei de espadas, cortado um paus, e jogado o Rei de copas; com os paus firmes, a mão teria acabado. Embora eu tivesse razão sobre a necessidade de firmar os paus, não vi essa linha, e joguei a Dama de paus, que foi cortada. 500.

Na outra sala, minhas cartas marcaram 4 ao invés de 3. Sul marcou 4, Oeste dobrou (penal), e este foi o contrato final. A saída de trunfo (com esses ouros e esse leilão) me parece clara — e é o que eu teria saído contra 4 . Mas o Junqueira saiu com o Rei de Copas, entregando o jogo. 590 para nós, 3 imps em uma mão mal jogada nas duas salas (que poderiam ter sido 9, ou 13).

Bolsa igual em Mello vs. Paiva quando as duas mesas ganharam 4. Palmeira ganhou 5 imps quando foi dobrado em 3 e também não recebeu a saída de trunfo.

Mão 5:

A única mesa que conseguiu deixar os adversários cartearem com as cartas de E-O foi a de Junqueira – Renato, que derrubaram 2 em 4. As outras mesas jogaram 4 ou 5 por E-O. Nós fomos dobrados em 5 e caímos uma, 200, 9 imps para Amoedo. Nesse momento estávamos 4,7 imps na frente.

Paiva ganhou 6 imps quando conseguiu parar em 4 em uma sala e derrubou uma em 5 na outra sala.  Bolsa igual em Chagas vs. Palmeira (Chagas derrubou 4 e caiu em 5 na outra sala).

Mão 6:

5 dobrados nas duas salas, boa defesa contra 4. Em nosso jogo, o ataque começou com 2 vazas de espadas. Puxei copas da mesa, Norte entrou de Ás, e jogou outra espadas, corte e balda. Agora baldei uma copas da mão e consegui firmar o naipe. 5 feitos, 550, 12 imps para nós, que ficamos com 16,7 imps.

Chagas ganhou 13 imps quando fez 4 em uma sala e empurrou o adversário a 5 na outra. Mão empatada em Paiva vs. Mello quando Paiva derrubou 2 em 4 e Mello derrubou uma em 5 dobrados.

Mão 7:

Os dois lados jogaram 3ST por Norte. Beto foi dobrado, e assim a saída de Este foi espadas, o que derruba o contrato. Copas também derrubaria, assim como ouros. Claro que eu dei a saída que consagra, paus, e assim Aranha terminou com 9 vazas. (O leilão foi: Passo – Passo – 1 – Dobro – Passo – 3♥ – Passo – 3ST – Todos passam). 11 imps para Amoedo, e nós ainda tínhamos 5,7 imps.

Eu tive companhia em minha saída: João Paulo também saiu paus, e assim Mello ganhou 11 imps (na outra sala Paiva e Mauricio caíram 3 em 4, sem dobre). Chagas ganhou 14 imps quando Marcelo – Diego dobraram 6♥ (!), 1100.

Mão 8:

Passo, 1 de Oeste, 4 de Norte. Eu passei, Junqueira dobrou. O contrato caiu nas duas mesas, 3 imps para Amoedo, e nossa margem passou para 2,7 imps.

Mello ganhou 12 imps ao fazer 4 dobradas (o ataque bateu 2 copas e depois voltou ouros por Oeste). Bolsa igual em Chagas vs. Palmeira.

Mão 9:

3 mesas marcaram game, 3 pararam em parcial. Em nosso jogo, perdemos 5 imps quando Aranha – Rafael anotaram 140 enquanto Beto – Adriano caíam uma em 4, colocando Amoedo na frente por 2,3 imps. Paiva ganhou 7 imps ao ganhar 4. E Chagas perdeu 5 imps exatamente como nós também perdemos.

Mão 10:

Jogamos 4 por Oeste, um bom contrato, que cai porque erra as duas finesses. Mas ganhamos, pois Sul, ao pegar a mão no Ás de trunfo, não sabia qual naipe devia atacar. Atacou paus e foi o suficiente para encerrar Norte. 11 imps para nós, que ficamos 8,7 na frente. (Beto e Adriano caíram em 3 na outra sala).

Paiva ganhou 3 imps quando derrubou 300 em 4 (por Este) enquanto, na outra sala, caía 200 em 3ST. E Chagas ganhou 2 imps por derrubar duas no estranho contrato de 3 em N-S, enquanto caía uma em 4 na outra sala.

Mão 11:

Praticamente caixão. Chagas ganhou 3 imps quando Palmeira carteou 5 ao invés de 3ST. Todas as outras mesas jogaram 3ST+3.

Mão 12:

Uma das bolsas mais comentadas do campeonato. Vejamos os resultados antes de analisar as cartas. Em nossa mesa, Sul abriu de 1, Dobro, Redobro, 1♥ … e assim, quando os adversários argolaram 3ST com 12 e 11, Jeovani foi induzido a sair copas, e o carteador acabou com 2 espadas, 2 copas, 3 ouros, e 2 paus, 9 vazas. 6 imps para Amoedo quando Beto – Adriano ficaram em 2ST, e nós estávamos 2,7 na frente.

Chagas ganhou 6 imps ao parar em 1ST em uma sala e derrubar 3ST (dobrados) na outra sala. Mão empatada em Mello vs. Paiva, em parciais.

O computador nos informa que a mão não ganha 3ST. A melhor saída parece ser ouros. Como continuaria o carteio? O ataque ameaça fazer 2 espadas, 1 copas, 1 ouros, e 1 paus. Como Este só tem uma entrada e Oeste precisa firmar 2 Reis em sua mão, se o carteador mexer em um desses naipes, derrubar deve ser relativamente fácil. Ou seja, se o carteador jogar copas para o Nove (!), ou paus para o Dez, o ataque continua ouros, Este ganha a primeira vaza de espadas e joga o outro naipe (firmando o segundo Rei), e quando Oeste pega a mão ele arranca a última pega de ouros e ainda está com uma pega para fazer a 5ª vaza do ataque.

Então, o carteador precisa jogar espadas na vaza 2. Oeste ganha a vaza e joga ouros. Sul joga espadas; Este ganha a vaza e joga copas, Nove, Rei. Oeste firma ouros e fica esperando com o Rei de paus. Agora, se o carteador conseguisse bater suas vazas e dar a mão para Oeste, ele ganharia no throw-in… mas não há entrada para isso. 1 down.

Mão 13:

Jeovani abriu de 1ST (12-14) e fomos cartear 3 por Oeste, o que parece uma boa posição. Fizemos 10 vazas. Do outro lado, depois de 1 de Oeste e Dobre de Norte, Este marcou 5 (!). Aparentemente se perdem 3 vazas neste contrato… mas Beto tinha que acertar a saída. Quando saiu espadas ao invés de copas, o carteador terminou com 11 vazas, 7 imps para Amoedo, que abriu 3,3 pontos faltando 2 bolsas. Infelizmente, as próximas bolsas seriam sem emoção.

Chagas ganhou 3 imps quando caiu 300 em 3… mas ganhou 3ST por E-O na outra sala. Mello ganhou 10 imps quando derrubou 500 (sem dobre) em 3 enquanto ganhava 4 na outra sala.

Mão 14:

11 vazas em um game em 5 das 6 mesas. Chagas ganhou 1 imp quando Palmeira fez apenas 10.

Mão 15:

3ST em todas as mesas. Paiva ganhou 2 imps, e Chagas ganhou 1 imp, por overtricks.

***

Placares finais:

  1. Chagas 296 x 63 Palmeira
  2. Mello 144 x 101 Paiva
  3. Carvalho W.O. Biondillo
  4. Barbosa 132 x 135,3 Amoedo

As semifinais seriam Chagas vs. Mello e Carvalho vs. Amoedo.

Seleção 2016, Quartas de Final, 3/4

Placares depois do segundo tempo:

  1. Gabriel 155 x 35 Palmeira
  2. Mello 54 x 46 Paiva
  3. Carvalho 98,5 x 36 Biondillo
  4. Barbosa 60 x 50,3 Amoedo

***

Como de hábito, Beto e Adriano se sentaram em N-S, eu e Jeovani em E-O. Na primeira volta, jogamos contra Aranha – Rafael Dias, enquanto Beto e Adriano enfrentavam Junqueira – Renato.

Mão 1:

Em nossa mesa, abri de 1ST (12-14) em Este, que foi o contrato final. Depois da saída de ouros, acertei o carteio: joguei o Rei de espadas; Sul fez o Ás e voltou pequena espadas. Continuei espadas, e Sul voltou pequeno paus. Entrei de Rei e puxei copas da mesa, 8 vazas (2 espadas, 3 copas, 2 ouros, 1 paus). Digo “acertei o carteio” porque se tivesse jogado copas de início (o que é tentador) o ataque pode chegar a 1 copas, 3 ouros, 2 espadas e 1 paus.

Na outra sala, Norte abriu de 2 e carteou esse contrato, caindo uma. 2 imps para nós.

Em Chagas vs. Palmeira, Gabriel – Miguel ganharam 4, e na outra sala Erick – Arthur foram dobrados em 5, caindo 3, 500. 12 imps para Chagas. Emilio – Thiago coletaram os mesmos 500, ganhando 10 imps quando na outra sala o contrato foi 2, uma down. Vitamina e Leão derrubaram uma a mais em 2, o suficiente para render 2 imps quando Fred – Nader caíram uma em 5.

Mão 2:

Bolsa igual em nosso jogo quando as duas mesas derrubaram 3, uma down. Em Chagas x Palmeira, Marcelo e Diego caíram uma em 3 por E-O, enquanto do outro lado um resultado estranho foi inserido: Henrique – Rodrigo teriam ganho 2ST em E-O! Não consigo imaginar uma sequência de vazas que permita isso. Mas é o que está registrado, e estes resultados deram 5 imps para Palmeira.

Paiva – Mauricio ganharam 2 em N-S, angariando 5 imps quando, do outro lado, Beto Brum – Sergio Brum anotaram o segundo resultado estranho nesta mão: 1 por Sul (?), 1 down. Bolsa igual em Carvalho vs. Biondillo quando uma sala ganhou 2 e a outra derrubou 3.

Mão 3:

Um 4 que cai na saída (corte de ouros e outras 3 vazas pelas cabeças). Bolsa igual no nosso jogo. Chagas ganhou 3 imps quando caiu em 4 em uma sala e derrubou 3 Paus por E-O, 2 down, na outra. Mello ganhou 5 imps quando chegou nos mesmos contratos, mas derrubou 3 em 3 (300 vs. 100 = 5 imps).

Enquanto isso, no jogo Carvalho x Biondillo, a bruxa estava solta. Paula – Aline ganharam 4 quando receberam a saída de Valete de paus. E perderam 3 imps por isso, quando Vitamina – Leão ganharam 3ST dobrados (bendito Jx de espadas!).

Mão 4:

Em nosso jogo, 3ST nas duas salas. Na nossa mesa, a saída de Oeste foi copas, que deu a oitava vaza; mas o carteador bateu as espadas por cima, depois bateu os ouros, e ao invés de bater seu Ás de copas agora, entregou uma vaza de ouros, e todas as vazas subsequentes. 2 down. Na outra sala, o ataque começou batendo suas 5 vazas de paus (o carteio foi por Norte). Paradoxalmente, a saída que não deu vaza resultou em um placar pior, pois agora Oeste foi apertado (copas – espadas). 3 imps para nós.

Em Chagas vs. Palmeira, as duas mesas pararam em parcial. Palmeira ganhou 2 imps ao jogar em espadas ao invés de ouros. Nos outros dois jogos algum game foi jogado. Mello ganhou 5 imps quando derrubou 3 em 4, enquanto caía uma em 3ST na outra mesa; e Biondillo ganhou 3 imps quando derrubou 2 em 3ST, enquanto caía 2 em 4 na outra mesa.

Mão 5:

Abri de 1ST (12-14) com as cartas de Este. Aloi dobrou em Sul. Convencionalmente, o passe do Jeovani pede para eu redobrar (a não ser que eu tenha um naipe quinto). Foi o que fiz, e Jeovani passou. 1ST redobrado foi o contrato. A saída foi copas, correndo para a minha Dama. joguei espadas para a mesa, e todos fiaram (erro do ataque). Joguei paus e Sul fez a Dama, e firmou as copas. Eu joguei paus para Sul, que correu as copas, e agora Norte se sentiu apertado, tendo que baldar 2 vezes. baldou uma espadas e 1 ouros, e o resultado é que o ataque não conseguiu cobrar suas 7 vazas (2 espadas, 3 copas, 2 paus). Terminei com 7 vazas (1 espadas, 2 copas, 2 ouros, 2 paus), 560 para nós. Na outra sala, o Adriano ganhou 2 em Sul, 12 imps para nós.

Swings de 2 ou 3 imps nos outros jogos, quando uma sala fez um parcial em copas em N-S enquanto a outra sala caía em 3 ou 2 por E-O. 3 imps para Chagas e Paiva, 2 imps para Biondillo.

Mão 6:

Abri as cartas de Este em 1 e fui largado nesse contrato. O ataque começou com Ás de ouros, depois 2 paus e um corte, e Rei de ouros. Cortei e joguei Ás e Dama de copas, pegando o Valete de Sul. Norte jogou paus. Fiz a vaza e fiquei jogando espadas para terminar com 4 trunfos, 1 espadas e 1 paus, 1 down. Fui o único jogador em Este que foi deixado em 1, acertada de Rafael; em todas as outras mesas o contrato foi algum número de ST por Norte. Beto caiu uma em 2ST, 4 imps para Amoedo. Chagas caiu uma a menos do que Palmeira em 3ST, 2 imps para Chagas. O mesmo ocorreu a favor de Paiva. Fred – Nader caíram uma em 3ST enquanto Vitamina e Leão derrubavam 2 em… 1ST, 2 imps para Carvalho.

Mão 7:

As duas mesas pararam em 2 por Norte. Acertei uma boa saída (pequena espadas), mas depois bobeei e mexi em paus, entregando o jogo. Na outra sala, a saída foi pior (paus), mas o ataque conseguiu arrumar um corte de paus e derrubou uma. 5 imps para eles.

Chagas ganhou 15 imps (!) ao derrubar 4 dobradas em uma sala, 1100, e ganhar 2+1 na outra sala. Paiva ganhou 1 imp quando as duas salas deste jogo cumpriram seus contratos — Paiva jogou 2 Espadas, e Mello jogou 2. Carvalho ganhou 7 imps quando derrubou 200 em 3 em uma sala e fez 2 na outra.

Mão 8:

Um ótimo 3ST, e um 4 não tão bom. Em nosso jogo, Beto e Adriano caíram 1 em 4, e Aloi – Rafael pararam em 3: 5 imps para eles. Chagas ganhou 10 imps quando marcou 3ST em uma sala e derrubou 4 na outra. Nos outros dois jogos a bolsa foi empatada: Paiva vs. Mello marcaram 3ST e ganharam, Carvalho vs. Biondillo marcaram 4 e caíram.

Mão 9:

Todas as mesas jogaram 4. Nós derrubamos quando o ataque começou com 3 rodadas de ouros. Sul teve que cortar de Ás, tirou trunfos, e jogou paus. Com a mão contada ficou fácil entrar de Ás e jogar ouros, fazendo o Rei de copas no final, 1 down. O carteador teria ganho se batesse todas as suas cartas (me arrebento no final de 3 cartas e abro copas para ele). 10 imps para nós quando do outro lado a saída foi trunfo.

Chagas ganhou 11 imps quando derrubou 2 em 4 (imagino que Sul tenha cortado de pequena na vaza 3). Todas as outras mesas ganharam o contrato; Carvalho ganhou 1 imp ao fazer uma overtrick.

Mão 10:

Uma mão desastrosa para quem carteia. Rafael aterrissou em 4 por Norte e caiu 300; Beto e Adriano ficaram em 4, caindo 100, 5 imps para nós.

9 imps para Palmeira contra Chagas quando Marcelo – Diego foram a única dupla a cartear em E-O: jogaram 3 e caíram 200. Do outro lado, Gabriel – Miguel caíam 2 em 4. Bolsa igual em Paiva vs. Mello (4 – 2, 3x -1). 7 imps para Carvalho quando Biondillo caiu 400 em 4, enquanto Carvalho caía 100 em 3.

Mão 11:

Contra 4, dei a saída que consagra, Dama de copas, entregando o jogo. Na outra sala o contrato foi 3. 7 imps para eles. Chagas e Paiva ganharam 6 imps da mesma forma, ganhando o game em uma sala e vendo o adversário parar em parcial na outra. Carvalho ganhou 10 imps quando derrubou o game em uma sala e ganhou na outra.

Mão 12:

Nossa mesa foi a que teve o leilão menos excitado, para nosso azar. Os adversários estavam parando em 3, e nós fomos a 4, caindo 2. (Que acertada do Rafael, ao ver o parceiro interferir em 1, não marcar game com a mão de Norte!). Em todas as outras mesas o contrato foi 4 ou algo acima. Beto e Adriano foram dobrados em 4, caindo 200, 7 imps para eles.

Chagas ganhou 9 imps quando caiu em 4 em uma mesa e derrubou 5 dobradas, 500, na outra. Mello ganhou 12 imps de Paiva quando dobrou 5 por E-O. E Biondillo ganhou 14 imps de Carvalho quando dobrou 5 por E-O, 800.

Mão 13:

Os dois games plausíveis, 3ST e 5, caem. Em nossa mesa, entrei em 1 com as cartas de Este, e os adversários foram a 5, caindo 2 com o corte de copas. Na outra sala, o contrato foi 3ST, que caiu uma com a saída de copas pelo outro lado, fiada por Este. 3 imps para nós.

Gabriel, Paiva, e Fred ganharam 3ST (os dois primeiros quando a saída foi Ás de copas ou pequeno paus; o terceiro, com a saída de pequena copas por Este, que deveria ter derrubado). Assim, suas equipes ganharam, respectivamente, 14, 12, e 12 imps (Chagas ganhou mais porque derrubou 300 em 5).

Mão 14:

Atacamos 3ST com a saída de Rei de espadas, que foi o suficiente para derrubar uma. Na outra sala, Beto e Adriano caíram 3 em 5, 3 imps para eles.

Bolsa igual em Chagas vs. Palmeira quando Gabriel caiu em 5 Paus (100) enquanto Marcelo e Diego faziam 3 em E-O. Paiva e Biondillo conseguiram parar em 1 com as cartas de N-S, e assim ganharam 6 e 4 imps cada um.

Mão 15:

Um game marcado em todas as mesas, 3ST ou 5. Beto caiu de uma forma ainda não muito clara para mim, e assim perdemos 12 imps. Chagas e Paiva ganharam 1 imp cada um quando marcaram o game em ST ao invés de ouros.

***

Placares depois do terceiro tempo:

  1. Gabriel 241 x 51 Palmeira
  2. Mello 86 x 83 Paiva
  3. Carvalho 143,5 x 60 Biondillo
  4. Barbosa 95 x 93,3 Amoedo

Seleção 2016, Quartas de Final, 2/4 (REVISADO)

Placares depois do primeiro tempo:

  1. Gabriel 65 x 22 Palmeira
  2. Mello 30 x 21 Paiva
  3. Carvalho 72,5 x 8 Biondillo
  4. Barbosa 23 x 24,3 Amoedo

***

Beto e Adriano se sentaram em N-S, eu e Jeovani em E-O. Jogamos contra Aloi – Rafael, enquanto Beto e Adriano enfrentavam Aranha – Rafael Dias.

Mão 1:

Bolsa igual em nosso jogo, quando atacamos 1ST do Rafael (7 vazas) enquanto Beto e Adriano derrubavam 2na outra linha, 100 para N-S. Minha saída (Ás de copas) não foi das melhores. O leilão foi Passo – 1 – 1 – Passo – Passo – 1ST, achei que não tinha entrada na mão do Jeovani — e não tinha mesmo. Mas apesar disso, teria sido bem melhor sair com o Valete.

Gabriel recebeu, em 2ST, a saída deK, e depois conseguiu roubar mais uma vaza para anotar 120, ganhando 5 imps quando Marcelo e Diego derrubaram o mesmo contrato. Paiva ganhou 5 imps ao ganhar 1ST em uma mesa e 2 na outra mesa. Carvalho ganhou 7 imps ao ganhar 1ST em uma mesa e derrubar 4 (!) na outra mesa, com a bendita saída de honra intermediária de copas.

Mão 2:

Com 33 na linha e um bom naipe quinto para se desenvolver, 6ST é o contrato normal, jogado em 6 das 8 mesas, inclusive nas duas mesas de nosso jogo. Bolsa igual. A bolsa também foi empatada em Carvalho vs. Biondillo. Paiva ganhou 2 imps quando Mello – Thiago jogaram 6♦ ao invés de 6ST, e Chagas ganhou 11 imps quando Taís – Alessandro engoliram o slam.

Mão 3:

Com as cartas de Este, abri de 1ST (12-14). Ao ser dobrado por Norte, passei, e Jeovani redobrou, para que eu marcasse 2 caso não tivesse um naipe quinto. Marquei meu naipe quinto (2) e ali paramos. Aparentemente o contrato não ganha, mas o ataque me favoreceu: começaram batendo 2 honras em copas e jogando copas; mais tarde, quando pegaram a mão em ouros, jogaram 3 vazas de paus (buscando um corte que não havia) e assim fiz 8 vazas. Ganhamos 5 imps quando Beto e Adriano conseguiram ganhar 2 na outra linha.

Chagas ganhou 6 imps ao ganhar 2 em N-S e 2ST em E-O. Paiva – Mello empataram a bolsa, derrubando 1ST por Oeste. E Biondillo ganhou 4 imps ao derrubar 1ST em uma mesa e 2 em outra.

Mão 4:

Rafael abriu de 1ST e eu entrei em 3. Aloi marcou 4♦ (será que não jogam o dobre informativo nesta posição?), e assim eles chegaram a um contrato no fit 4-3, 4. Diz o computador que o contrato ganha, mas na prática faltaram intermediárias em espadas. Depois da saída de Dama de paus, o contrato caiu 3, 11 imps para nós quando Beto e Adriano fizeram 3ST na outra sala.

Chagas ganhou 12 imps quando Marcelo – Diego dobraram 3ST e derrubaram 2 (suponho que o carteador tenha fiado uns ouros e depois decidido jogar pela dupla finesse de paus — o que não é uma linha ruim, exceto nos casos em que o Diego tem a Dama seca). A mão foi empatada nos outros jogos.

Mão 5:

Rafael e Aloi chegaram a um contrato inferior (3ST), mas 4 também não ganhava, então o prejuízo parecia não ser muito grande. 3ST caiu 2 com a saída de ouros. Mas na outra sala Aranha – Rafael Dias foram dobrados em 2 em E-O e caíram 500, e assim ganhamos 12 imps.

Chagas perdeu 7 imps quando caiu 2 em 3ST, enquanto Arthur – Erick ganhavam 2. Em Paiva vs. Mello, bolsa igual, 4 caindo 2. Carvalho ganhou 6 imps quando parou em 2 em uma mesa e derrubou 4 na outra.

Mão 6:

Conseguimos uma curiosa bolsa igual quando Beto e Adriano atacaram 2 +3 (200) enquanto, em nossa mesa, Rafael e Aloi foram a 3 e caíram 2 (+200), graças a falta de entradas em Sul para fazer a finesse de copas. (Este problema também impede que N-S derrubem 4).

Chagas ganhou 6 imps quando empurrou E-O a 4 Paus por Este (carteando por este lado, só se fazem 9 vazas) e parou em 3 na outra sala. Paiva e Mello empataram a bolsa, com as duas mesas jogando 2. Vitamina e Leão ganharam 5 imps para Carvalho quando conseguiram jogar 2 por Sul (que cai com a saída de ouros), enquanto Ravenna e Dib derrubavam 3.

Mão 7:

Quase todos jogaram 2 e fizeram 8 vazas. Na mesa de Beto e Adriano, os adversários não foram empurrados a 3 Copas; preferiram deixá-los caindo em 3, e assim perdemos 1 imp (150 vs. 110). Paiva e Mauricio tiveram sucesso nessa empreitada, e assim ganharam 5 imps ao derrubarem Mello e Thiago em 3. Carvalho conseguiu um imp de overtrick em 2, e a bolsa foi empatada em Chagas vs. Palmeira (observação interessante: Marcelo e Diego cartearam 1ST, ao invés de 2, mas fizeram as mesmas 8 vazas).

Mão 8:

Rafael e Aloi pararam em 3♦ , fazendo 10 vazas quando Jeovani fiou o Ás de espadas, e assim ganharam 6 imps quando Beto e Adriano caíram em 2ST. O ataque para derrubar 2ST é interessante, mas não muito difícil, principalmente com a mão de Sul exposta e a saída de paus por Este: Norte precisa fiar 2 paus, e aí basta que Este bata o Ás de espadas e saia da mão com a Dama de ouros, que a comunicação do carteador fica arrebentada. Será que o ataque foi assim? Deixo os participantes se manifestarem.

Paiva vs. Mello empataram a bolsa carteando parcial em ouros. Chagas ganhou 13 imps quando fez 11 vazas em ST (saída de copas por Oeste) em uma mesa e derrubou na outra. Bolsa igual em Carvalho vs. Biondillo, os dois lados derrubaram 3ST.

Mão 9:

Um bom 6. Em nossa mesa ficou fácil depois que o Jeovani abriu de 2, mostrando mão balanceada de 19-20. Com 11 pontos e um naipe sexto o slam quase sempre será bom, principalmente se pudermos escolher o melhor naipe de trunfo (o parceiro pode ter 5 paus). O leilão foi conduzido de modo a mostrar meus 6 ouros e pedir ao parceiro que escolhesse o naipe, ele escolheu ouros, e foi isso. 10 imps quando do outro lado pararam em 3ST.

Chagas ganhou 10 imps da mesma forma. Paiva ganhou 11 imps quando João Paulo – Stefano marcaram o slam em uma mesa e Mello – Thiago marcaram 5 (?) na outra. E Carvalho ganhou 11 imps quando marcou o slam em uma mesa e Biondillo marcou 5♦ na outra.

Mão 10:

Um game simples. Aloi errou qual naipe desenvolver (ouros ou paus?), e assim não fez a overtrick conquistada por Beto e Adriano. 1 imp para nós.

Chagas e Biondillo perderam, cada um, 6 imps ao engolir (?) esse game. Paiva ganhou 1 imp de overtrick.

Mão 11:

Praticamente caixão. 0 imp em nosso jogo, e 1 imp para Palmeira, Mello, e Biondillo, por overtricks.

Mão 12:

Perdemos 11 imps quando Rafael – Aloi foram a única dupla que marcou esse slam. Culpa de nossa abertura de 2♦ (balanceada forte, que nos deu 10 imps na bolsa 9); Sul passou e Jeovani não podia abrir de 2 fraco. Na outra mesa, a abertura de 2 fraco foi suficiente (como costuma ser) para incomodar o adversário.

Caixão nos demais jogos.

Mão 13:

Ganhamos 5 imps quando Jeovani dobrou a abertura de 1ST de Sul, mostrando os dois ricos, e assim carteamos um parcial em espadas. Na outra sala o contrato final foi 2, que carteou bem pior, e caiu uma.

Bolsa igual em Chagas vs. Palmeira (E-O caindo uma) e nos demais jogos (com E-O ganhando 1ST+1).

Mão 14:

Ganhamos 3 imps quando eu saí de 10 nessa bolsa, ao invés de ouros. (Eu estava com a carta de ouros na mão quando os adversários mostraram, no leilão, que Norte tinha 4 paus e 4 ouros…). 2 down em nossa mesa, 1 down na outra mesa.

Chagas ganhou 15 imps quando fez 3ST em uma mesa e derrubou 6 (6 down, 600) na outra. Mello ganhou 10 imps quando marcou e ganhou o game em uma sala enquanto Paiva parava em 1ST na outra. Biondillo ganhou 3 imps quando fez uma vaza a mais do que Carvalho, caindo apenas uma (com a saída de ouros nas duas mesas).

Mão 15:

Uma bobagem nossa. Depois que o leilão começou 2 – 3♥ – 4 – 5, era a hora de largarmos o osso (principalmente nessa vulnerabilidade), mas defendemos em 5 e caímos 800. 8 imps para eles quando Beto e Adriano, em um leilão parecido, ficaram em 5.

Chagas ganhou 11 imps por marcar o slam. Biondillo ganhou 10 imps ao marcar o slam em uma sala e defender em 4 dobradas, 500, na outra. E Mello ganhou 14 imps quando marcou o slam em uma sala e, na outra sala, Paiva e Mauricio exageraram e foram a 7♥ , uma down.

***

Placares depois do segundo tempo:

  1. Gabriel 155 x 35 Palmeira
  2. Mello 54 x 46 Paiva
  3. Carvalho 98,5 x 36 Biondillo
  4. Barbosa 60 x 50,3 Amoedo

Seleção 2016, Quartas de final – 1/4 (REVISADO)

Como vimos no post anterior, os três primeiros colocados no RR foram Carvalho, Barbosa, e Paiva. A eles, juntou-se a equipe do Gabriel (Gabriel – Miguel, Diego – Marcelo Branco), como cabeças de chave. As chaves, após as escolhas realizadas pelas equipes melhor colocadas, ficaram da seguinte forma:

  1. Gabriel vs. Palmeira
  2. Mello vs. Paiva (+10,0)
  3. Carvalho (+5,5) vs. Biondillo
  4. Barbosa vs. Amoedo (+2,3)

As semifinais seriam entre os vencedores de 1×2 e 3×4. Na lista estão incluídos os carry-overs quando pertinentes.

***

Como de hábito, Beto e Adriano se sentaram em N-S, eu e Jeovani em E-O. Na primeira volta, jogamos contra Aranha – Rafael Dias, enquanto Beto e Adriano enfrentavam Junqueira – Renato.

Mão 1:

Em nossa mesa, Aranha (Norte) abriu de 1, e ouviu a resposta de 2 de seu parceiro. A partir daí ficou difícil engolir esse slam (mesmo com a interferência em paus que se seguiu). 6, que ao acertar a finesse de espadas fez 13 vazas. Na outra sala Beto e Adriano marcaram o slam em espadas, 2 imps para nós.

Paiva e Mauricio marcaram 4 Espadas, fazendo 13 vazas, enquanto Beto e Sergio Brum marcavam 6. 9 imps para Mello.

No jogo Carvalho vs. Biondillo, as duas mesas ficaram em game. Bolsa igual.

Em Chagas vs. Palmeira, Gabriel – Miguel marcaram 6, e na outra sala Taís – Alessandro pararam em 5. 10 imps para Chagas.

Mão 2:

Um game normal. Perdemos 1 imp de overtrick (a saída foi a mesma nas duas salas, contra 4 Espadas, o 8). O único resultado destoante, na sala inteira, foi na mesa de Renato Barros – Fábio vs. Ravenna – Dib, onde estes últimos conseguiram cartear 3 em E-O, 1 down, 50. Isto rendeu 12 imps para Carvalho. Gabriel ganhou 1 imp de overtrick, e a bolsa foi empatada em Mello vs. Paiva.

Mão 3:

Em nossa mesa N-S cartearam 3 por Sul. Jeovani saiu espadas, eu ganhei a segunda vaza e joguei pequeno trunfo, que foi o suficiente para derrubar, já que o Aranha não estava vendo as cartas como o computador (se estivesse, continuaria tirando trunfos, enquanto eu não posso mexer em ouros, e depois entregaria uma vaza de paus, tirando proveito de 109x neste naipe). Na outra mesa, Junqueira e Renato foram a 3ST com as nossas cartas, caindo 1. 4 imps para nós.

Em Chagas vs. Palmeira, Gabriel – Miguel derrubaram 3 por Este, e Diego – Marcelo ganharam 2 na outra sala. 5 imps para Chagas. Em Mello vs. Paiva, Emilio – Mello derrubaram 3 , e João Paulo – Stefano argolaram 4, caindo 200: 6 imps para Mello. Em Carvalho vs. Biondillo, as duas mesas pararam em 4, mas Carvalho (Ravenna e Dib) caiu 2 a mais, 5 imps para Biondillo.

Mão 4:

Na minha sala, Aranha abriu de 2 (não gosto da abertura… prefiro 3 ou 1. Questão de estilo), e eu, na retranca, marquei 2ST. Jeovani marcou 3 (“stayman de pobre”), eu marquei 4, e o leilão parou aí. Acertei o carteio (ganhei a saída, tirei um trunfo, e joguei o Rei de ouros), mas não foi o suficiente para ganhar. 1 down. Do outro lado, minhas cartas (em Este) pararam em 2ST, que também caiu uma. Bolsa igual.

Marcelo e Diego conseguiram a melhor nota em E-O carteando 3 e fazendo 10 vazas, o que valeu 7 imps para Chagas quando, do outro lado, Gabriel – Miguel ganhavam 3. Beto Brum – Sergio Brum ganharam 11 imps para Mello quando ganharam 4x em E-O. Na outra mesa, João Paulo e Stefano caíam em 3ST, 2 down. Fred – Nader ganharam 9 imps para Carvalho quando dobraram 5, 2 down, enquanto Ravenna – Dib paravam no tranquilo contrato de 2, fazendo 8 vazas.

Mão 5:

Não consigo imaginar um leilão que permita ao jogador com as minhas cartas (Este) atacar, com tranquilidade, 6 — que cai duas! — nesta vulnerabilidade. Eu não tive nenhuma hesitação em defender em 7 depois do seguinte leilão: 1 por Norte – 3 Paus (copas e ouros) – 4 – 5 – 6 Paus – 6 – Passo – Passo – 6 – ?

Na outra sala, 6 foram dobradas: 5 imps para Amoedo.  O outro swing foi a favor de Palmeira vs. Chagas, os mesmos 5 imps, pela mesma razão.

Mão 6:

Eu e Jeovani chegamos ao contrato errado e perdemos apenas um imp por isso (mão de sorte). 3ST com a saída de paus fez 9 vazas. Do outro lado, o contrato foi 4, terminando com 10 vazas.

Em Chagas vs. Palmeira, Chagas perdeu o mesmo imp, pela mesma razão. Em Paiva vs. Mello, as duas mesas pararam em 3ST (que obsessão nós temos por este 3ST!), bolsa igual. Em Carvalho vs. Biondillo, uma bolsa igual e bem jogada, quando os dois pararam em 4.

Mão 7:

Caixão. Todos fizeram 11 vazas em copas.

Mão 8:

Em nosso jogo, bolsa igual quando os dois lados jogaram 3ST por Oeste, recebendo a mesma saída de 4. 9 vazas. (Como comentei depois com o Jeovani, depois desta saída e de o ataque continuar copas mesmo depois de 2 fiadas no naipe, o carteador pode e deve jogar ouros para o 10, garantindo o contrato sem maiores angústias, e, no caso, fazendo no mínimo 10 vazas).

Gabriel – Miguel atacaram 3, enquanto Marcelo – Diego faziam 11 vazas em 3ST, 8 imps para Chagas. Fred – Nader atacaram 4, enquanto Ravenna – Div faziam 4 (!?), 7 imps para Carvalho. Emilio – Mello fizeram 1 vaza a mais em 3ST, ganhando 1 imp por isso.

Mão 9:

Beto e Adriano pararam no estranho contrato de 1ST (será que tinha uma copas misturada com os ouros?), enquanto na outra sala Rafael e Aranha faziam 9 vazas em 2. 2 imps para Amoedo.

Gabriel – Miguel fizeram apenas 8 vazas em 2, mas foi o suficiente quando Taís e Alessandro argolaram 4 contra Marcelo – Diego, 2 down, 5 imps para Chagas. Biondillo ganhou 1 imp ao fazer uma vaza a mais em 2. E Mello ganhou 3 imps nervosos quando Sergio Brum – Beto Brum dobraram 3 por E-O, 1 down, 200, enquanto Emilio – Mello faziam 8 vazas em 2.

Mão 10:

Beto e Adriano jogaram o bom contrato de 3ST, acabando com 10 vazas. Aranha – Rafael deram alguma sorte ao pararem em 4 e pegarem a mão bem distribuída (principalmente o fato de a mão longa em trunfos servir 3 paus). Bolsa igual.

Gabriel – Miguel fizeram 11 vazas em 4, ganhando 13 imps quando Marcelo – Diego derrubaram 2 no mesmo contrato. Carvalho ganhou 10 imps quando Biondillo (Renato – Fabio) engoliu o game. Bolsa igual em Mello vs. Paiva quando uma mesa jogou 4 Copas e a outra 3ST, ambas fazendo 10 vazas.

Mão 11:

Jeovani (Oeste) abriu de 1ST fraco e carteou aí mesmo, fazendo 7 vazas. Bolsa boa para o ST fraco, como se vê pelo que ocorreu na outra sala, onde a abertura foi 1 pobre (1 Paus, imagino), Norte entrou no leilão, e E-O se viram obrigados a ir até 3, caindo 1. 4 imps para nós.

Gabriel – Miguel cartearam 1+2, enquanto Diego – Marcelo ganhavam 2 em E-O, 6 imps para Chagas. Mauricio – Paiva fizeram 2, enquanto Sergio Brum – Beto Brum caíram em 1ST com as mesmas cartas: 4 imps para Paiva. Fred – Nader derrubaram 1 em 3, enquanto Ravenna e Dib derrubavam 1 em 1ST: 3 imps para Carvalho.

Mão 12:

Perdemos 1 imp de overtrick em 4. Enquanto isso, Taís e Alessandro engoliram o game contra Marcelo – Diego, dando 9 imps para Chagas. 9 imps para Paiva quando Mauricio – Paiva marcaram 4 Espadas enquanto Beto Brum – Sergio Brum ficavam em parcial. Carvalho ganhou 10 imps quando Biondillo engoliu o game.

Mão 13:

Ao cartear 3ST por Este, recebi a saída de copas, Dama de Norte, Rei. Joguei espadas para a Dama, e fiei uma espadas, com a mão parando em Norte. O Aranha torceu para o parceiro ter o Ás ao invés do Rei de espadas, e jogou o Dez de ouros; e assim acabei com 12 vazas. Na outra sala, a saída foi copas pelo outro lado. Renato pegou a mão e buscou sua nona vaza em ouros. Como se vê no diagrama, não deu certo. Ele acabou caindo 2, 13 imps para nós.

Marcelo – Diego também caíram no game, o que deu 12 imps para Palmeira. Ravenna – Dib fizeram 2 vazas a menos do que seus adversários na outra mesa, 2 imps para Biondillo. E Sergio Brum – Beto Brum fizeram 1 vaza a mais, 1 imp para Mello.

Mão 14:

Um desastre. Jeovani abriu de 1, Aranha marcou 1, e eu dobrei. Sul marcou 2 (transfer para ouros), Jeovani dobrou (mostrando jogo), e Aranha marcou 2. Eu dobrei novamente (também mostrando jogo — forçando a game). Jeovani marcou 3, eu marquei 3, ele marcou 3, e eu marquei 3ST. Na minha concepção, o leilão estava excelente até 3 — agora, o Jeovani deve marcar 3 (remarcando bom naipe sexto), me dando espaço, caso seja minha intenção, para pedir ajuda em espadas com 3. Na vida real, jogamos o pior game, do lado errado. A saída marcada em espadas matou o contrato, 3 down. (Foi a única mesa que caiu com essas cartas). 11 imps para eles.

Chagas ganhou 1 imp de overtrick, e Paiva e Biondillo ganharam 1 imp cada um por cartearem 4 Copas ao invés de 3ST (que nessas mesas recebeu a saída de ouros).

Mão 15:

Perdemos 1 imp quando o Rafael Dias fez uma vaza a mais, em 2, do que o Adriano. Paiva perdeu o mesmo imp. Chagas perdeu 4 imps quando as duas mesas jogaram parcial em copas: Henrique – Arthur ganharam 2, enquanto Marcelo – Diego caíam 1 em 3. No último jogo, a bomba mais bombástica do campeonato até agora: Fred – Nader ganharam 2 dobradas com 3 overtricks, 1270. Ravenna e Dib, que anotaram humildes 110 atacando 2, devem ter ficado surpresos ao ganharem 15 imps.

***

Placares depois do primeiro tempo:

  1. Gabriel 65 x 22 Palmeira
  2. Mello 30 x 21 Paiva
  3. Carvalho 72,5 x 8 Biondillo
  4. Barbosa 23 x 24,3 Amoedo

 

 

Seleção 2016, Round Robin — 11ª e última rodada

 

Antes da largada na última rodada, essas eram as posições:

CARVALHO: 148,56

BARBOSA: 141,33

PAIVA: 135,24

BIONDILLO: 123,93

AMOEDO: 109,67

PALMEIRA: 99,16

MELLO: 99,02

ASSIS: 92,39

CASABONA: 90,77

PAULISTANAS: 89,11 

MARGARIDA: 55,01

PAOLI: 14,21

(em negrito, as equipes que estavam inscritas no torneio feminino, i.e., que não poderiam se classificar para as quartas-de-final no livre).

Os três primeiros colocados estavam com distâncias relativamente grandes entre cada um, mas nós jogávamos contra o Paiva, ou seja, qualquer derrota grande nos tiraria da segunda posição (o que dava a vantagem de escolher o adversário entre os dois que restassem, depois que Gabriel e Leão soubessem seus adversários).

Biondillo e Amoedo estavam em situação confortável no que se refere à classificação. Palmeira, Mello e Assis disputavam 2 vagas. Assis estava 7 pontos atrás, mas tinha um confronto mais fácil (Paoli). Palmeira também tinha um confronto mais fácil (Margarida), principalmente se comparados com Mello, que enfrentaria o líder, Carvalho.

***

Com este cenário, vejamos os jogos da última rodada:

Amoedo x Biondillo

Assis x Paoli

Barbosa x Paiva

Carvalho x Mello

Casabona x Paulistanas

Margarida x Palmeira

Vamos acompanhar o jogo, bolsa a bolsa, nas duas mesas de minha equipe, com algumas alusões ao que ocorreu em outros jogos. Beto e Adriano estavam em Norte-Sul, eu e Jeovani em Este-Oeste (eu em Este).

Mão 1:

Nas duas mesas, Sul abriu de 1 , e Oeste marcou 1. Na nossa mesa, o Paiva marcou 2, eu marquei 2, e o leilão parou por aí. Na outra mesa, Beto dobrou 1, o que estimulou o Adriano a ir a 3 sobre o apoio de Este (Este inclusive apoiou com um cue-bid, 2). Os dois contratos finais ganharam (3 poderia ter caído), 6 imps para nós.

Cecilia – Leda exageraram, foram a 5 com as cartas de N-S e caíram 300. 3 outras duplas ganharam 2, e 4 duplas derrubaram algum parcial de N-S. 2 outras duplas, além de Beto – Adriano, conseguiram anotar para N-S: Junqueira – Renato também ganharam 3, e Irene – Lia Casabona marcaram e ganharam 2ST.

Mão 2:

Bolsa igual no nosso jogo, os dois times marcaram 3ST e fizeram 10 vazas. Margarida – Claudia foram dobradas em 5 e ganharam esse contrato depois da saída de espadas por Este. Thiago – Mello defenderam o game ao serem dobrados em 1 (!), 3 down, 500 para N-S: boa defesa. 3 duplas caíram com as cartas de N-S, uma delas em 5 depois da saída de copas, e as outras duas no triste contrato de 4: Taís – Alessandro, Lia Tajtelbaum – Vera Gama, Sergio Brum – Beto Brum.

Mão 3:

E-O ganham um parcial barato, e foi o que ocorreu em nossa mesa: Depois de 1 (de Sul) – Passo – 1 – Dobro – Passo, Jeovani marcou 1ST, e encerrou o leilão. Depois da saída de pequena espadas por Norte, ele acabou com 8 vazas. Na outra mesa, o leilão começou com 1 – Passo – 2: 5 espadas e 4 copas, mão fraca. Curiosamente, o resultado positivo da convenção não teve nada a ver com a mão descrita, e sim com o espaço retirado de E-O. Sul marcou 2, e caiu uma, mas ganhou 3 imps.

7 outras duplas anotaram cento e poucos pontos para E-O, ganhando algum parcial ou derrubando 2 algum contrato por N-S. 2 duplas conseguiram marcar para N-S: Lia Tajtelbaum – Vera Gama derrubaram 2, e Heitor – Júlia ganharam 2.

Mão 4:

Parece uma mão de um simples parcial em ouros para N-S, e foi isso que foi jogado na maioria das mesas. Uma dupla conseguiu ganhar 5 (!!): Irene – Lia Casabona. Uma outra dupla, de modo mais normal, derrubou 5: Guilherme – Roberto Assumpção. Uma dupla carteou 2 por E-O, anotando 110 em sua coluna: Angélica – Áurea.

E em nosso jogo? Bem, o leilão começou da mesma forma nas duas mesas: Passo por Oeste, 1, Passo, 1ST, Passo, 2, Dobro por Este (minhas cartas). Na minha mesa, Mauricio passou, Jeovani marcou 3, e Mauricio dobrou no pé. (Acho que foi isso. O vugraph perdeu o registro dessa bolsa. Se alguém na mesa discorda, se pronuncie nos comentários). O contrato não podia ser derrubado. 670 para nós.

Na outra mesa, depois do dobre de 2, Adriano redobrou, João Paulo marcou 3, Beto marcou 3, e o Adriano arriscou 3ST. 3 down, péssimo no butler, mas suficiente para 9 imps no nosso jogo.

Mão 5:

Vendo as 4 mãos, todos gostariam de parar em um parcial em espadas, mas tanto Sul quanto Oeste tem decisões difíceis depois que o leilão começa com 2 por Norte. Em nosso jogo, todos passaram, o contrato final foi 2, e ganhamos 1 imp de overtrick.

1 dupla conseguiu derrubar 3: Rafael – Aloi. E Lia Tajtelbaum – Vera Gama viram suas adversárias marcarem 4 com as cartas de E-O, dobraram, e coletaram 800. O resto ficou no parcial em espadas mesmo.

Mão 6:

Outro parcial em espadas (eles vieram em série), dessa vez em E-O. Se o ataque bobear, pode ganhar 4 (para derrubar é necessário atacar paus antes do carteador firmar a balda em ouros). Foi o que aconteceu em nossa mesa, no contrato de 3. Na outra mesa, João Paulo e Stefano deixaram os adversários cartearem 3, que caiu uma. 3 imps para nós.

Laurita – Lucilia foram largadas em 1 quando essa foi a abertura de Este, e caíram 300. 2 outras duplas anotaram para N-S, ganhando parcial em copas: Irene – Lia Casabona e Cecilia – Leda. 1 dupla dobrou o adversário em 4, por Sul, derrubando 500: Claudio – Fernando Teixeira. E Angélica – Áurea conseguiram marcar e ganhar 4, ganhando o top da bolsa.

Mão 7:

Um bom 4, que erra 2 finesses para cair, Bolsa igual no nosso jogo. A única dupla que não marcou game foi Taís – Alessandro. Mais felizardas ainda foram Vera Gama – Lia Tajtelbaum e Cecilia – Leda, que marcaram game, receberam a saída de Ás de paus ou de ouros, e assim conseguiram cumprir o contrato.

Mão 8:

Em nossa mesa, Jeovani pegou as cartas de Oeste e abriu de 3. Mauricio reabriu em 3, Paiva marcou 3ST, e assim acabou o leilão. Eles terminaram com 10 vazas. Na outra mesa, houve uma certa confusão no leilão: Oeste passou, Este abriu de 1, Sul marcou 2♥ (mostrando especificamente espadas e paus), e quando Este marcou 3, houve alertas divergentes sobre o significado da voz. Oeste, evidentemente, achou que era ouros, mas Este achou que era apoio de copas. De qualquer modo, N-S chegaram a 5 dobrados. Quando Este não saiu copas, a mão podia ganhar. Mas o carteador jogou copas e assim caiu.

Esta mão poderia ter sido levada a um comitê de apelação caso o resultado fizesse diferença, mas não houve necessidade. Minha humilde opinião é que cabia aí um score dividido; N-S perderam a chance de marcar um contrato melhor graças aos alertas divergentes, mas eles estava em uma posição ganhadora e caíram em um contrato por um erro independente da infração anterior. A bolsa deu 11 imps para eles.

Nas outras mesas, Margarida e Claudia coletaram 800 em 5 dobrados. Irene – Lia Casabona ganharam 4 dobradas. 2 outras duplas fizeram game em N-S: Beto Brum – Sergio Brum e Lia Tajtelbaum – Vera Gama.

Mão 9:

Na nossa mesa, Mauricio – Paiva foram a 5 depois que Paiva abriu a mão de Norte em 2 e eu entrei em 3. O resultado final foi 2 down. Na outra sala, Beto abriu a mão de Norte de 3 e carteou aí mesmo, fazendo 10 vazas, 7 imps para nós.

Irene – Lia Casabona ganharam 3ST (!!) em N-S. Rodrigo – Henrique dobraram 5 e anotaram 300.

Mão 10:

Em nossa mesa, Mauricio abriu (em Sul) de 1, Jeovani entrou em 1, Paiva dobrou, e quando Mauricio marcou 2, Paiva convidou em 3. Acabou perdendo as 5 vazas claras (1 trunfo, 2 ouros, 2 paus), 1 down. Na outra mesa, João Paulo – Stefano foram ainda mais ousados, parando em 3ST, mas o ataque fez o mínimo (garantindo a down), bolsa igual.

Junqueira – Renato conseguiram, de algum modo, ganhar 4, depois da saída de Ás de ouros (que não deveria ser suficiente).

Placar final, + 18 imps para nós.

***

As três equipes que estavam disputando 2 vazas perderam bem, e assim a classificação final foi a seguinte:

CARVALHO: 163,61

BARBOSA: 156,38

PAIVA: 139,49

BIONDILLO: 127,98

AMOEDO: 124,72

CASABONA: 104,77

MELLO: 103,97

PALMEIRA: 101,16

ASSIS: 95,80

PAULISTANAS: 95,11 

MARGARIDA: 73,01

PAOLI: 30,80

Seleção 2016, Round Robin – 10ª Rodada

Décima rodada, com os seguintes jogos:

Amoedo x Paulistanas

Assis x Mello

Barbosa x Margarida

Biondillo x Casabona

Carvalho x Paoli

Palmeira x Paiva

Vamos acompanhar o jogo, bolsa a bolsa, nas duas mesas de minha equipe, com algumas alusões ao que ocorreu em outros jogos. Beto e Adriano estavam em Norte-Sul, eu e Jeovani em Este-Oeste. Beto e Adriano jogaram contra Vilma e Marcio, e na minha mesa estavam Angélica e Áurea.

Mão 1:

 

Um game normal (do tipo “forçadinho”, com 13 e 11), que precisa acertar uma em 2 finesses, além de pegar distribuições razoáveis nos ricos. Nós marcamos, e os adversários engoliram contra Beto – Adriano, 6 imps para nós.

4 outras duplas engoliram: Stefano – João Paulo, André – Guilherme, Rosa – Iris, Beto Brum – Sergio Brum.

Mão 2:

 

Uma mão que perde 6 vazas carteando 3ST… mas é necessário cobrá-las. Em nossa mesa, atacando 2ST, a saída foi o 4. Em Este, não consegui ler a posição (sugeri ao Jeovani que, especialmente com essa figuração em paus, se o sujeito não quer sair paus, talvez fosse melhor sair de 10… mas depois do páreo corrido tudo fica mais fácil), e voltei espadas. Quando o carteador acertou copas, fez 10 vazas (3 espadas, 4 copas, 3 ouros). Na outra sala, Beto e Adriano marcaram 3ST, e o ataque foi o mesmo, com as mesmas 10 vazas conquistadas. 10 imps para nós. (Que poder tem a abertura de 1 Paus em Sul, hein?)

5 mesas saíram de paus (com a Dama, ou com o Rei, do outro lado), em diversos contratos em ST (1ST, 2ST, 3ST), com lucro para Ravenna – Dib, Claudio – Fernando Teixeira, Rafael Dias – Aranha, André – Guilherme, Rosa – Iris.

Mão 3:

 

Uma mão muito legal. Norte abriu de 2, Jeovani (Oeste) reabriu com Dobre, e eu tasquei 3ST (e seja o que Deus quiser, vulnerável). A saída foi ouros. Fiei, ganhei a segunda, e tive que tomar a decisão mais difícil da mão: o que baldar? Baldei copas, que agora não me parece ser o melhor. Então, fui obrigado a acertar paus: paus para a Dama, paus para o Nove. Sul voltou copas, para a Dama do morto. Joguei o Seis de paus para a mão, e Sul baldou espadas (um erro). Joguei espadas para a Dama, paus para a mão, e outra espadas — quando apareceu uma honra de Sul, fiei, e acabei com 3 espadas, 2 copas, 1 ouros, e 3 paus, 9 vazas.

Do outro lado, Este caiu 2 em 2ST, 13 imps para nós.

A maioria das duplas caiu em contratos em ouros em N-S. 2 outras duplas (além de Beto – Adriano) anotaram para N-S: Paiva – Mauricio ganharam 2ST (!), e Assis – Cysneiros derrubaram 2.

Mão 4:

Nos atrapalhamos no leilão e jogamos o contrato errado, 3ST. Mas com a saída (normal) de espadas por Norte, o contrato é fácil. Na outra sala, nossos adversários jogaram o contrato certo, 4, mas erraram as opções no carteio e acabaram caindo uma. 10 imps para nós.

5 duplas além de nós fizeram um game: Lucilia – Laurita, Ravenna – Dib, Aline – Paula, Beto Brum – Sergio Brum, Rosa – Iris.

Mão 5:

 

Fomos a 2, e N-S se excederam, competindo a 3. Apesar de darmos uma vaza no ataque, esse contrato caiu uma. Na outra sala, Beto – Adriano acertaram o dobre de 2, e derrubaram 2, 9 imps para nós.

Outra dupla em N-S que conseguiu anotar 300 para seu lado foi Paiva e Mauricio. 2 outras duplas duplicaram nossa nota em E-O (100 para nós): Aline – Paula e Claudio – Fernando Teixeira.

Mão 6:

 

Perpetrei a voz de 2 (vulnerável contra não!) em Este depois da abertura de 1 em Norte… e o mesmo foi feito na outra sala. Beto – Adriano dobraram, nossas adversárias não dobraram. Os dois lados caíram 3, 300 e 800, 11 imps para nós.

O melhor resultado para N-S foi conseguido por Paiva – Mauricio, que dobraram 2ST e derrubaram 4. Ravenna – Dib conseguiram cartear 2♦ em E-O (espero que nós também conseguíssemos se tivéssemos sido dobrados em 2).

Mão 7:

 

Um game normal, em que ganhamos 1 imp por overtrick. A única dupla que derrubou 3ST foi Stefano – João Paulo.

Mão 8:

Quase todos jogaram um parcial em copas, e nós não fomos exceção. Ganhamos 1 imp de overtrick. 2 mesas marcaram 4: Fred – Nader ganharam, Lucilia – Laurita derrubaram.

Mão 9:

 

Jogamos 1ST em E-O. Quando Sul saiu espadas, fiquei com 7 vazas. Na outra sala, Beto – Adriano ganharam 2. 5 imps para nós.

O mais normal foi E-O fazerem 7 ou 8 vazas em ST. 2 duplas em N-S conseguiram derrubar um contrato de E-O: Paiva – Mauricio e Junqueira – Renato. Fred – Nader, como Beto – Adriano, ganharam 2.

Mão 10:

 

Consegui cartear e ganhar 3. Na outra sala, Beto – Adriano dobraram 4, derrubando 500. 12 imps para nós.

2 duplas ganharam game em N-S: Fred – Nader (5) e Paiva – Mauricio (3ST).

Placar final, 20 x 0 para nós, depois de um grande tempo de Beto – Adriano. Nos outros jogos, vitórias de Paiva, Carvalho, e Assis.

Seleção 2016, Round Robin – 9ª Rodada

Nona rodada, com os seguintes jogos:

Amoedo x Mello

Assis x Barbosa

Biondillo x Margarida

Carvalho x Palmeira

Casabona x Paoli

Paiva x Paulistanas

Vamos acompanhar o jogo, bolsa a bolsa, nas duas mesas de minha equipe, com algumas alusões ao que ocorreu em outros jogos. Beto e Adriano estavam em Norte-Sul, eu e Jeovani em Este-Oeste (eu em Oeste).

Mão 1:

Com 14 e 11 na linha, é normal jogar 3ST; com a mão de Este, é normal sair espadas; assim, é normal cair. Foi o que ocorreu em nosso jogo.

2 duplas conseguiram ganhar 3ST (Cecilia – Leda e Fred – Nader), e 1 dupla conseguiu parar em 1ST (Rosa – Iris).

Mão 2:

Um game que ganha em E-O, depois de acertar 2 finesses e pegar um naipe (espadas) bem dividido. Eu e Jeovani ficamos em parcial, mas Assis – Cysneiros marcaram o game. Junto com eles estavam Vera – Lia Tajtelbaum, Rafael – Aloi, e Lucilia – Laurita. 6 imps para eles.

Mão 3:

Um game apenas razoável, com 12 e 11 na linha. Para ganhar legitimamente 3ST, Norte precisa fazer 2 finesses em copas — não sei se foi o que ocorreu na mesa de Beto – Adriano. O que eu sei é que eles fizeram 3ST+3 enquanto Claudio – Fernando Teixeira paravam em 3 na nossa mesa, 6 imps para nós.

Apenas uma outra mesa não jogou game: Lucilia – Laurita foram deixadas em 1 por E-O, fazendo 9 vazas.

Mão 4:

Beto e Adriano fizeram milagres para chegar a 8 vazas no contrato de 2 e assim empatar a bolsa quando caíamos em 3 em E-O. Os resultados mais extremos foram 4 dobradas, 3 down (800 a favor de Fred – Nader), e 4 / 3 caindo 3 em N-S (300 para Guilherme – André e Laurita – Lucilia).

Mão 5:

Depois de 1 por Este, 1 minhas, 2 de Este, exagerei e marquei 3ST, torcendo para fazer 6 vazas de paus. Não era nada disso. 3 down. Pelo menos na outra sala os adversários foram a 4, 1 down, e assim perdemos só 3 imps.

Apenas outras duas duplas foram tão gananciosas com as cartas de E-O: Thiago – Mello e Henrique – Rodrigo.

Mão 6:

Um game normal em N-S. Em nossa mesa, N-S engoliram, parando em 2ST. Quando receberam a saída de pequena copas (de minha mão), podiam acabar com 13 vazas, mas fizeram apenas 12. 4 imps para nós quando Beto – Adriano jogaram 5. Uma outra dupla engoliu o game (Arthur – Erick), e Renato Barros – Fabio conseguiram derrubar 5.

Mão 7:

Paramos no parcial normal de 2 e fizemos as 8 vazas regulamentares, perdendo AK de paus, um corte, e 2 Ases. Beto e Adriano dobraram 3ST por E-O (com 18 na linha!). Como estava tudo muito bem para E-O, caiu só uma, 7 imps para nós.

A outra marcação para N-S foi alcançada por Paiva – Mauricio quando eles conseguiram cartear e ganhar 2. Diversas mesas anotaram 200 e 300 para E-O derrubando contratos em Espadas e em ST.

Mão 8:

Bolsa igual em nosso jogo, 4 fazendo 11 vazas. 2 duplas foram a slam (precisando da finesse de ouros): Paiva – Mauricio e Heitor – Júlia.

Mão 9:

Bolsa igual em nosso jogo, 4 dobradas, 2 down. 2 duplas foram a 5♣, caindo: Renato Barros – Fabio e Rafael – Aloi. 1 dupla conseguiu ganhar 3ST por E-O: Lucilia – Laurita

Mão 10:

Chegamos ao par da bolsa quando defendemos 4 em 5, caindo 500. Na outra mesa, Beto – Adriano fizeram 4, 3 imps para nós.

Na mesa de Margarida – Claudia vs. Renato Barros – Fabio, a bolsa foi passada. 3 outras mesas pararam abaixo de 4: Leão e Vita conseguiram cartear um parcial em paus em E-O, Stefano – João Paulo caíram 200 em 2 por E-O, e Cecilia – Leda pararam em um parcial em espadas. 2 outras duplas conseguiram defender o game adversário, caindo 500: Thiago – Mello e Lucilia – Laurita.

Placar final, + 11 imps para nós.

No resto da rodada, vitórias de Carvalho, Casabona, Paulistanas e Biondillo.

Seleção 2016, Round Robin, 8ª Rodada

Oitava rodada, com os seguintes jogos:

Amoedo x Paoli

Assis x Palmeira

Barbosa x Carvalho

Biondillo x Paiva

Casabona x Mello

Margarida x Paulistanas

Vamos acompanhar o jogo, bolsa a bolsa, nas duas mesas de minha equipe, com algumas alusões ao que ocorreu em outros jogos. Beto e Adriano estavam em Norte-Sul, eu e Jeovani em Este-Oeste. Beto e Adriano jogaram contra Leão – Vitamina, e na minha mesa estavam Fred – Nader.

Mão 1:

Em nossa mesa, chegamos a um contrato normal depois de um leilão normal, 2 por Este. Terminei com 9 vazas. O leilão começou normal na outra mesa: 1 de Norte, 1, 1ST, Passo, Passo, 2, Passo, Passo. Neste momento o Beto não se aguentou e reabriu com Dobro. Sul tirou para 3, e este foi o estranho contrato final. 3 down (podia ter caído 4!), 4 imps para o adversário.

(Mais uma vez, com 4-4 nos pobres e mão balanceada, teria sido melhor abrir de 1. Sou praticamente uma minoria de um só nessa minha opinião, mas pelo menos sou consistente nela. Claro que melhor ainda teria sido atacar 2).

Apenas 2 outras duplas divergiram do contrato final de um parcial em Espadas: Rodrigo – Henrique acharam o melhor fit, Copas, e jogaram 3, terminando com 10 vazas. E Guilherme – André deixaram o adversário cartear 1ST em N-S, caindo 2.

Mão 2:

11 mesas cartearam em espadas: 5 jogaram game, 6 jogaram parcial. Quem jogou game caiu, perdendo 2 vazas em cada naipe vermelho — foi o que ocorreu na nossa mesa. Acontece que a 12ª mesa foi a mesa de Beto – Adriano contra Vita – Leão; lá eles jogaram 3ST (ao invés de 4), e caíram 2. 3 imps para nós.

A mão 3 foi o maior caixão do campeonato (game feito com overtrick em 11 mesas, sem overtrick na 12ª). Bolsa igual.

Mão 4:

As duas mesas jogaram 2. Eu recebi a saída de espadas, coberta pelo 9, Valete, e Rei; joguei espadas para o Ás do Fred. Ele voltou copas para a Dama do Nader, que bateu o Ás de copas. Cortei e joguei o Rei de ouros, ganho com o Ás do Nader (Fred baldou paus). A volta foi paus. Fiz a Dama, puxei copas, Rei, corte, bati o Dez de trunfo, e fiquei batendo paus, entregando uma vaza. 9 vazas no total.

Na outra mesa, a saída foi a mesma, mas o Leão jogou paus para a Dama, paus para o Ás, e cortou paus. Depois jogou ouros (Norte baldou copas) para o Rei e o Ás de Sul. Sul voltou ouros cortados, Norte jogou paus que Sul cortou, Sul deu outro corte de ouros, e o carteador ainda entregaria o Ás de espadas e uma copas, e assim caiu uma. 5 imps para nós.

4 duplas caíram em contratos em Copas por N-S: Guilherme – Roberto, Vera – Lia Tajtelbaum, Irene – Lia Casabona, e Áurea – Angélica. Paiva e Mauricio tentaram 2ST por E-O, 1 down. Taís e Alessandro jogaram 2♦ por Sul, caindo 3. As outras mesas jogaram parcial em espadas.

Mão 5:

 

Bolsa igual em nosso jogo, quando os dois lados fizeram 10 vazas em 3ST (ambos recebendo a saída de pequena espadas por Este). O computador diz que ganha o game (mesmo com outra saída), mas dá pra imaginar diversas linhas perdedoras — ou, melhor dizendo, dá pra imaginar diversos ataques que dificultam a vida do carteador. Na minha mesa, o ataque foi amistoso: a Dama de paus foi fiada, o carteador continuou com Rei de copas (fiado) e Dama de copas, e nesta vaza eu entrei de Ás (facilitando ainda mais). Na outra mesa, o carteio foi igual até a Dama de copas, mas o Leão fiou essa vaza também. O que não adiantou muito, pois o carteador sempre pode pegar a mão, bater suas vazas, sair da mão com espadas, e acabar fazendo AQ de ouros.

3 duplas derrubaram 3ST: Laurita – Lucilia, Sergio Brum – Beto Brum, Claudio – Cysneiros.

Mão 6:

 

Bolsa boa nossa. Abri de 3, e o Jeovani sabiamente não marcou 3ST, preferindo 3. Marquei 4, ele marcou 5, contrato final. Depois da saída de espadas, entreguei também o Rei de ouros, fazendo 11 vazas. Na outra sala, a abertura foi 1, e aí foi impossível escapar do slam. Houve um momento de tensão quando a saída foi paus, correndo para a mão do carteador, mas com as copas 5-2 e o Rei de ouros terceiro, ele não conseguiu baldar todas as espadas. 12 imps para nós.

2 outras duplas chegaram a 5, sendo que Rosa – Iris caíram, e Paula – Aline ganharam.  2 duplas ganharam 3ST com a saída de espadas: Rodrigo – Henrique e Rafael – Aloi. 2 duplas pararam em parcial: Guilherme – André e Laurita – Lucilia. O resto caiu com as cartas de E-O.

Mão 7:

 

O leilão correu mal para nós. Fred abriu de 1 em terceira posição. Nader respondeu 1ST, e o Jeovani dobrou. Fred e eu passamos, e quando Nader tirou para 2, N-S estavam no melhor contrato. O carteador perdeu as 6 vazas claras, 1 down. Na outra sala, um estilo totalmente diferente: Adriano abriu de 3. Leão reabriu em 3, e o Vitamina marcou 3ST, que parece perder 5 vazas (1 espadas, 1 copas, 1 ouros, 2 paus), mas atacar 3ST sempre pode causar problemas. A saída foi paus, e a volta foi copas para o Rei de Norte (acabou a comunicação para a segunda vaza de paus; mas o carteador precisa de umas vazas neste naipe). Norte voltou pequena copas (!?) para o 8 do Vitamina — uma jogada estranha, mas que devia esclarecer que este naipe não tinha futuro. Vitamina jogou ouros para o Rei da mesa e puxou paus. Última chance para entrar com o Ás de paus, mas Sul fiou. Agora o Vita terminou com 2 espadas, 3 copas, 2 ouros e 2 paus.

Como evitar este triste fim? Acho que Norte não deve sair paus, com seca e 2 ou 3 entradas em sua mão. (Se Sul tiver os paus e uma entrada, provavelmente qualquer saída serve). Depois da saída de copas, deve ficar mais fácil diagnosticar o que está acontecendo. É claro que o ataque podia ter acertado depois da saída de paus, mas me parece o caminho mais fácil para derrubar. 8 imps para eles.

João Paulo – Stefano ganharam este mesmo contrato, depois de serem dobrados. Rosa – Iris dobraram 3 e derrubaram 2. Junqueira e Renato conseguiram ganhar um parcial em N-S (2). O resto anotou 50 ou 100 pontos para E-O.

Mão 8:

Uma mão difícil, pois 6 é um contrato muito tentador, que cai quando erra uma finesse (de paus ou de espadas) e perde um trunfo. No nosso jogo as duas mesas conseguiram parar em game (por sorte de ambas). Em nossa mesa, Jeovani mostrou um monocolor de 15-16 pontos, com um bom naipe de copas, e eu larguei o osso por causa da chicana de copas. Vitamina conseguiu roubar uma vaza (só um imp, certo?). 1 imp para eles.

4 mesas foram a slam (inclusive 6 e 7!): João Paulo – Stefano (7), Paula Aline (6), Claudio – Cysneiros (6) e Rodrigo – Henrique (6 dobradas).

Mão 9:

 

Em nossa mesa, Fred e Nader pararam em 2ST, e não gostaram de ver o 10 do morto ganhar a primeira vaza, depois de minha saída de pequena espadas. Na outra sala, Beto e Adriano foram a 3ST, mas não acertaram a jogada de espadas, terminando com apenas 8 vazas. 7 imps para eles. Houve apenas uma outra nota para E-O, quando João Paulo – Stefano ganharam 2 por Este. Em N-S, as melhores notas foram 2 dobrados por E-O, caindo 3 (muitos imps para Junqueira – Renato) e 2 parciais caindo 200 e 300 sem dobre (Rosa – Iris e Rodrigo – Henrique se deram bem).

Mão 10:

 

Em nossa mesa, Nader abriu de 4 Copas. A saída foi o A, que não causou muito impacto. 11 vazas. Na outra sala, Com um leilão diferente (Sul abriu de 1, Oeste dobrou, e Este marcou 2), a saída foi copas. Adriano ganhou na mão e fez a finesse contra o 9 (!) na segunda vaza. Isso não acontece todo dia. 10 vazas, 1 imp para eles.

Irene – Lia Casabona ganharam 4 dobradas. 3 mesas engoliram o game: Junqueira – Renato, Renato Barros – Fabio, Heitor – Júlia.

Placar final, – 1 imp (só um imp!…) para nós.

Amoedo, Casabona, Paulistanas, Paiva e Palmeira venceram os outros jogos.